Artigos da Semana 5

Estamos aqui, ilhados, observando as loucuras do mundo, que está beirando filme do Mad Max. Enquanto o Coronga está ganhando dois continentes à sua escolha, mais a Oceania, eu busco informação de qualidade, ou nem tanto assim. Desde gente estudando andares esquisitos, até coo deter a propagação de vírus pelo ar. O que será que vimos esta semana?

Pesquisadores encontram biomarcador que indica propensão à obesidade em crianças

Obesidade é algo ruim em adultos e muito pior em crianças. Sendo assim, quanto antes soubermos a predisposição de uma criança a ter obesidade, melhor. Uma pesquisa identificou um marcador molecular na saliva de algumas crianças que está associado ao surgimento de obesidade infantil em um grupo de crianças hispânicas em idade pré-escolar.


Sobre médicos, empatia e os horrores do circo televisivo

Semana passada, este cantinho de insânia chamado “rede social” entrou em surto com uma reportagem com a solidão de indivíduos trans em presídios, abandonados e esquecidos pelas suas famílias. O problema se deu quando levantaram a capivara de um deles e descobriram ser um pedófilo assassino. Claro, deu merda.


Indianos olham para o Corona Vírus e dizem “sem tempo, sahib”

Indianos são estranhos. Conseguiram desenvolver ciência e mesmo assim vivem na era paleozoica. Dois grupos imbecis resolveram, às suas maneiras, deter o avanço do Coronga Virus. Um achou que rezar é o suficiente. O outro teve a incrível ideia de tomar banho numa cisterna com bosta de vaca. O que poderia dar errado?


Grandes Observadores do Espaço: Spitzer

O Spitzer é um telescópio espacial, cuja missão é fornecer uma visão única do Universo usando a invisível radiação infravermelha. Com ele, é possível observar regiões do espaço ocultas dos telescópios ópticos, já que o Spitzer vê, basicamente, calor dos corpos.

O problema é que qualquer corpo acima do zero absoluto emite radiação infravermelha. Como fazer para que a própria radiação infravermelha que o Spitzer emite não interfira nas observações?


Pesquisadores montam canhãozão para mandar vírus pra vala. Tua hora chegou, Coronga!

Infecções que são transmitidas pelo ar, como o Coronga Vírus (mas não exclusivamente) é um pesadelo para qualquer equipe médica. A saída é arrumar um jeito de impedir isso. Bem, pesquisadores pesquisam pesquisas para achar uma solução, e a saída parece ser um canhão e plasma frio.


Pesquisadores analisam o “Silly Walk” do Monthy Python

Alguns cientistas são zueiros, mas na sua zueira dão umas espetadinhas. Um exemplo disso são os antropólogos que resolveram estudar o famoso “silly walk” do esquete do Monty Python. Mas se você pensa que era apenas para falar de um andar esquisito, era uma crítica que tomou carona na crítica escondida do próprio esquete.


Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s