O mau-humor demoníaco do vulcão Etna

Não se podia ver o que fosse: era como uma grande sombra, no meio da qual havia uma forma escura. Poder e terror pareciam estar nela e ao seu redor. A luz se apagou, como se uma nuvem tivesse coberto tudo. As chamas bramiram para saudá-la, e se ergueram à sua volta; uma nuvem negra rodopiou subindo no ar. A cabeleira esvoaçante se incendiou, fulgurando. A figura escura era envolvida em fogo. Continuar lendo “O mau-humor demoníaco do vulcão Etna”

Perseverance e os seus próprios 7 Minutos de Terror


Adoro  ver a NASA dando significados científicos pros acrônimos que arruma

Quão difícil é pousar com segurança em Marte? Tão difícil que muitas mais tentativas falharam do que tiveram sucesso. A próxima tentativa será na quinta-feira, 18/02/2021. Pousar é tão difícil que os técnicos da NASA chamam de Sete Minutos de Terror, e eu até já falei sobre ele antes, quando o Curiosity pousou em Marte em 2012. Agora, mais um rover está a caminho: O Perseverance, pois só a Perseverança alcança o sucesso!

Continuar lendo “Perseverance e os seus próprios 7 Minutos de Terror”

Pesquisa da NASA mapeia árvores para estudar ciclo do carbono

Cientistas do Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland, e colaboradores internacionais demonstraram um novo método para mapear a localização e o tamanho das árvores que crescem fora das florestas, descobrindo um número surpreendentemente alto de árvores em regiões semi-áridas e estabelecendo as bases para uma visão global mais precisa medição do armazenamento de carbono na Terra.

Continuar lendo “Pesquisa da NASA mapeia árvores para estudar ciclo do carbono”

No princípio era o início. E tudo estava parado; até que…

No início, havia a singularidade. No momento do Big Bang, o universo começou a expandir, mas era pequeno quente demais para a existência de prótons, elétrons e até fótons. Ao se expandir, prótons e nêutrons, chamados coletivamente de “bárions”, conseguiram se formar. As ondas sonoras do universo nascente, chamadas de “oscilações acústicas de bárions”, deixaram sua marca no cosmos ao influenciar a distribuição das galáxias. Cientistas exploraram essa impressão desde quando o universo tinha três bilhões de anos, ou cerca de 20% de sua idade atual de 13,8 bilhões de anos.

Continuar lendo “No princípio era o início. E tudo estava parado; até que…”

O balé de Júpiter

Júpiter em seu poderio gravitacional gigantesco é um sistema completo só para ele. Sua vastidão é esmagadora, só sendo superado pelo Sol. Ainda assim é belo ao se passar por cima dele. Sua imensa nuvem de gases e a fantástica tempestade que dura séculos (e é muito maior que a Terra) revolvem num balé mágico e lindo de se ver.

Continuar lendo “O balé de Júpiter”

O esverdeamento causado pelo aumento da temperatura global

Todo mundo está preocupado com a perda de áreas verdes. Há também o problema de aumento das áreas verdes, mas a mudança climática que está acarretando isso. À medida que os verões árticos esquentam, as paisagens do hemisfério norte mudam. Usando os dados do satélite Landsat para rastrear os ecossistemas globais da tundra ao longo de décadas, um novo estudo descobriu que a região se tornou mais verde, à medida que o ar mais quente e as temperaturas do solo aumentam o crescimento das plantas.

Continuar lendo “O esverdeamento causado pelo aumento da temperatura global”

TESS e as observações do céus amigos do norte

O TESS é o Transiting Exoplanet Survey Satellite (Satélite de pesquisa em trânsito de exoplanetas) tem como missão vasculhar o céu em busca de exoplanetas ao redor de estrelas brilhantes próximas. Ao examinar o céu aparente do hemisfério norte, o TESS dá aquela fuxicada para saber quais os potenciais de encontrar um planeta semelhante ao nosso ou de qualquer outro do Sistema Solar, de forma a pensar naquela velha hipótese: estamos sozinhos?

Continuar lendo “TESS e as observações do céus amigos do norte”

Guia para viajar à velocidade da luz

Muitas pessoas sonharam em dar aquele rolé no Espaço interestelar. Já pensou em fazer aquela viagem maneira entre planetas e galáxias? Eu acho uma ideia pra lá de incrível! O problema é que é tudo longe. Então, a saída seria andar rápido, bem rápido, muito rápido. O mais rápido que se pode viajar é na velocidade da Luz.

Mas como seria esta viagem?

Continuar lendo “Guia para viajar à velocidade da luz”

Mundos Oceânicos

A Terra tem 75% de sua superfície coberta por água. Entretanto, não é só aqui que tem oceanos. Em outros lugares do universo e até no nosso Sistema Solar tem oceanos, água líquida, nem que seja subterrânea. Com isso, há muita chance de haver vida lá. Uma possibilidade? Com certeza! Será que tem mesmo? Só a exploração poderá nos dizer.

Continuar lendo “Mundos Oceânicos”