Bolas caindo é um assunto grave

Como diria o Killowog, a Gravidade é uma vadia. Ela mantém tudo orbitando tranquilinho. Tudo lá, em suas revoluções, presos na inexorável vontade da Gravidade. Ela faz com que atraiamos e sejamos atraídos. Mas como é a gravidade em outros astros? Bem podemos usar nossas bolas para isso.

Continuar lendo “Bolas caindo é um assunto grave”

O Roque dos Garotos observando o céu

As Ilhas Canárias são uma maravilha pela sua geografia e limpeza, em todos os sentidos. Elas formam um arquipélago pertencente à Espanha, que fica no oceano Atlântico, perto da costa do Marrocos. É um local protegido de forma a garantir que não haja poluição luminosa, de forma a poder-se contemplar o céu noturno.

Continuar lendo “O Roque dos Garotos observando o céu”

No duelo de luzes, a artificial sempre ganha

Quando você viu o céu coalhado de estrelas da última vez? Era no centro de alguma capital? Pois, é. Tá difícil ver as estrelas fora o nosso Sol. A iluminação artificial das cidades faz com que as pobres estrelas tenham p seu brilho ofuscado. Astrônomos medem de um a nove, na escala de Bortle, o quanto a iluminação artificial atrapalha a visão do céu noturno; e este vídeo feito em 2016, rodado principalmente na Califórnia por Sriram Murali, percorre todos os níveis da escala, mostrando como a visão do Cosmos fica melhor em áreas menos poluídas pela luz.

Eu ainda quero ver o céu estrelado novamente, mas sei que, para isso, terei que ir bem para o interior, pois somos reféns de nosso próprio desenvolvimento tecnológico. Continuar lendo “No duelo de luzes, a artificial sempre ganha”

Cogitando sob os céus do Atacama parte 2

No ano passado, eu postei a parte 1 deste vídeo. Até mencionei o Cogita, mas o puto não leu. Fuck my life! De qualquer forma, o vídeo a seguir é outro timelapse maravilhoso feito no árido e seco Atacama, cuja baixa umidade faz dele um lugar magnífico para astrofotografia. Algo mágico, incrível e maravilhoso, que eu gostaria de ver pessoalmente. Quem sabe um dia? Mas acho que não.

Continuar lendo “Cogitando sob os céus do Atacama parte 2”

A sinfonia da distância do Universo

O Hubble Ultra Deep Field é uma imagem de uma pequena região do Espaço, mas de grande importância. Ela foi obtida por seguidas exposições do Telescópio Espacial Hubble entre 2003 e 2004, e é a imagem mais profunda do universo tirada em luz visível, registrando galáxias e estrelas como com seu brilho emitido há bilhões de anos. Com certeza, muitas dessas estrelas sequer existem mais, mas é um registro do passado, um “osso estelar” encontrado por um paleontólogo espacial que observa as entranhas de um Universo que há muito se modificou.

Esta imagem retrata um universo jovem, com idade entre 400-800 milhões de anos após o Big Bang. Muito antigo, não é, mesmo?

Continuar lendo “A sinfonia da distância do Universo”

Ranço estatal acha que ir ao Espaço é só para escoceses. Ou algo assim

Você deve ter visto que dois bilionários, Richard Branson e Jeff Bezos, foram ao espaço nos últimos dias. Isso está deixando muita gente irritada. Podem alegar que tanto a nave do Branson quanto a do Bezos não são foguetes de verdade. Bem, e daí? Vão dizer o que em seguida? As naves não são escocesas? Continuar lendo “Ranço estatal acha que ir ao Espaço é só para escoceses. Ou algo assim”

Iapetus: o satélite esquisitão de Saturno

Iapetus (eu me recuso a chamar de Japeto) é o terceiro maior satélite natural de Saturno. Ele (Iapetus, não Saturno) possui diâmetro de 1.471,2 quilômetros e um período orbital de 79,32 dias, e cuja distância até seu planetão controlador é de 3.564.300 km. Para você ter uma ideia, nossa Lua tem diâmetro de 3.474,8 km e está a uma distância de 384.400 km.

Continuar lendo “Iapetus: o satélite esquisitão de Saturno”