Por que rir de anti-vaxxer é tão perigoso e como as vacinas funcionam

Tamanho e espessura fazem diferença, sim. Ao menos, no cérebro
O diplodoco que saiu pra viagem

Com os altos índices de febre amarela e o número absurdo de mortes (uma já é algo inaceitável em pleno século XXI!), volta à cena dois tipos de imbecis: anti-vaxxers e gente que acha anti-vaxxers engraçados. Isso vem de uma compreensão errônea dos dois lados, posto que são duas classes de imbecis que sucumbiram à Teoria da Ferradura ao não saber como vacinas funcionam.

É muito tentador, reconheço, rir de idiotas que não querem se vacinar e se exporem ao risco de morrer de uma doença infecto-contagiosa. A frase “Darwin cuida” bem vem à garganta, mas quando você para 2 segundos para pensar, tendo ciência de como vacinas funcionam, o único comentário é “putz!”. Mas por que eu estou falando isso?

COMO VACINAS FUNCIONAM

Você aprendeu (espero) no colégio como vacinas funcionam. Praticamente, são de dois tipos: ou agentes mortos e conservados ou agentes infecciosos com sua força atenuada. Quando seu organismo entra em contato com agente infeccioso – seja fungo, vírus ou bactérias –, começa a estimula a produção de anticorpos para combater o agente. O problema é que nem sempre dá tempo de combater os agentes infecciosos e a pessoa acaba morrendo.

Edward Jenner era um médico inglês que clinicava em Berkeley. Em 1789, observou que as vacas tinham as tetas feridas iguais às provocadas pela varíola no corpo de humanos. Varíola era uma doença que vitimava seriamente e foi responsável por muitas mortes. Quem sobrevivia, ficava com sequelas e marcas como estas aqui embaixo:

Jenner estudou as vacas que tinham as feridas parecidas porque… vai que fosse uma doença parecida? (o que não era nenhuma garantia, mas Jenner era um cientista e explorava possibilidades). Ele descobriu que as vacas tinham uma versão bem mais fraca da doença que acometia humanos, mas não era só isso! Ele ouviu relatos que pessoas que interagiam com vacas com esta doença não contraíam varíola. Também descobriu que pessoas que contraíam a varíola humana não voltavam a ficar doentes. Seria a feiúra do jeito que ficavam? Nah, tem algo de estranho aí.

Lembrem-se: isso foi antes de Pasteur e Semmelveiss. Não se sabia o que causava as doenças.

Em maio de 1796, Jenner resolveu testar se realmente esse negócio de lidar com a doença lhe torna imune se você não ficar doente o suficiente para bater as botas. Assim, ele usou como cobaia um menino de 8 anos chamado James Phipps, fazendo uso do pus das bolhas das mãos de uma leiteira chamada Sarah Nelmes, que tinha contraído varíola bovina. James Phipps teve um pouco de febre e algumas lesões, mas não desenvolveu varíola como muitos bradaram que ia acontecer. Jenner usou líquido da ferida de outro paciente com varíola e novamente expôs o garoto ao material. Nada de varíola. Jenner apresentou seus resultados à Royal Society e… foi ridicularizado, fora os que acharam uma ignomínia expor pessoas ao contato com animais doentes!

Nisso, um sujeito do outro lado do Canal da Mancha estava só sabendo dos resultados e se mantinha na sua.

Jenner tratou outras crianças, inclusive seu filho. Os casos de varíola na Inglaterra começaram a cair, e um certo camarada corso mandou chamar o cara para imunizar seu filho. Seu nome era Napoleão Bonaparte, Imperador da França. E observem que Napoleão odiava a Inglaterra, mas isso não o impediu de começar uma campanha de vacinação também.

Aliás, só para encerrar esta parte, quando detonou-se a guerra entre a França e a Inglaterra, amigos de Jenner foram presos. Jenner escreveu ao próprio Napoleão pedindo clemência. Napoleão atendeu ao pedido e mandou soltar os dois, dizendo que não se podia negar nada a Edward Jenner.

Assim, se você é um idiota e acha que vacinação é para lhe inocular doenças, fique sabendo que você é uma toupeira com mentalidade do século XVIII.

COMO VACINAS ERRADICAM DOENÇAS

Se proteger de uma doença é diferente de erradica-la. Hoje, a poliomielite e a varíola estão erradicadas, para desfavor da narrativa “Indústria Farmacêutica não quer curar pessoas ou acabar com as doenças”. Não só elas, como muitas outras doenças que você nunca ouviu falar. Essa Indústria Farmacêutica está perdendo bilhões de dólares deixando pessoal erradicar doenças, além de ter permitido que 80% dos casos de câncer sejam curáveis.

O problema é que VOCÊ tomar a vacina não resolve o problema. É preciso que o agente infeccioso não se reproduza, e ele não se reproduzirá em ambientes hostis, como pessoas que tenham sido vacinadas. Chamamos isso de Efeito de Rebanho ou Imunidade de Rebanho ou Efeito Manada. Vacinação em larga escala faz com que o agente infeccioso não consiga se reproduzir. E é isso que anti-vaxxers e os que denunciam anti-vaxxers não entendem

Alegar “se se vacina tanto e ainda tem casos, é sinal que vacinas não funcionam”. É a mesma coisa que dizer que cidades com policiamento não deveriam ter assaltos. Quanto mais policiais na rua, menores serão os índices. Aí eu acabo escutando um dizer que as pessoas se sentem inseguras com tantos policiais nas ruas, pois isso seria indicativo que o local é perigoso. Tenho certeza que bandidos irão preferir ir para locais com policiamento ostensivo ao invés de procurar locais mais ermos, certo?

A imunidade de rebanho funciona assim. Mesmo que você não se vacine, você não corre risco, pois naquele nicho ecológico (e tudo é um nicho ecológico, inclusive cidades), não há agentes infecciosos, pois eles não conseguiram sobreviver no ambiente hostil. Simples Seleção Natural.

Mas aí temos um problema. Se mais pessoas resolvem não se vacinar e entram em contato com pessoas doentes, o agente infeccioso começa a se proliferar. Nisso, as diferentes mutações acabam com que alguma cepa se torne imune às vacinas. Isso vale para qualquer antibiótico e é por isso que os médicos insistem que você continue o tratamento, mesmo depois que os sintomas terem desaparecido. Os antibióticos servem para transformar seu corpo num ambiente infernal para bactérias e fungos, por exemplo. Vacinas são a mesma coisa. No caso, os seus anticorpos, desenvolvidos para atuar sobre um determinado corpo vivo serão inúteis para um outro corpo, com bioquímica diferente. Esse agente infeccioso terá alta taxa de reprodução e começará a se alastrar. A imunidade de rebanho não irá protegê-lo.

POR QUE RIR DE ANTI-VAXXER NOS EXPÕE AO PERIGO

View post on imgur.com

Enquanto você, seu engraçadalho, ri HAHAHAHA OLHA O ANTI-VAXXER! DARWIN CUIDA! Você está divulgando essa corja. Alguns espalham e são idiotas e espalham e mantém sites e páginas no Facebook e postagens no WhatsApp sobre isso. Outros para defender uma agendinha política safada, mesmo sabendo que é merda. E tem vocês, seus idiotas, que ficam apenas rindo, sem se tocar do que falei acima sobre imunidade de rebanho, pois são tão ignorantes quanto anti-vaxxers, apesar de se acharem mais espertos. Sua atitude é, no mínimo, irresponsável, pois ao invés de divulgarem informações certas ficam “HUEHUEHUE Olha o Anti-Vaxxer!”. São idiotas dizendo que vacinas fazem mal porque têm mercúrio (não tem. Não como dizem). Ou divulgam cura natural como cházinho ou própolis. E vocês HAHAHAHA, OLHA ISSO, E ISSO E TEM MAIS ISSO! HAHAHAHAHAHA

De tanto vocês espalharem e divulgarem e falarem a respeito, suas páginas e canais e blogs acabam ganhando relevância no Google, YouTube etc. os sites de informação acabam sumindo neste mar de esgoto. O que antes era um nicho que seria sorterrado por falta de divulgação, acaba ganhanao notoriedade. Daí, a pessoa que está com dúvidas e procura informação, o que ela encontrará primeiro? Verá a quantidade de lixo aparecendo na lista do YouTube e pensará “poxa, então é verdade”. Recebe uma torrente de lixo desencontrado no WhatsApp, sem nenhuma informação verdadeira, mas aquele é o seu mundo de informações. Ela olha o Jornal Nacional e a torrente dizendo Globo Mente. Vê jornais dizendo que pessoas morreram por reação da vacina, em que 3 pessoas tiveram reação alérgica num universo de milhões, mas só é divulgado que morreram pessoas. Não que podemos ter gente alérgica a qualquer coisa. É como a ânsia de divulgar os perigos do glúten, sendo que apenas 1% da população é celíaca, daí toda uma indústria tem que ser mudada porque GLÚTEN É UM ASSASSINO MUAAAAAHAHAHAHA.

Sim, gente. Darwin cuida, e ele não pretere ninguém. Ele cuidará do anti-vaxxer como cuidará do seu filho também. E enquanto você compra o caixãozinho branco, ficará se perguntando como aquilo aconteceu, apesar de ter sido um dos muitos responsáveis por isso, enquanto pessoas que se opunham fortemente a esse lixo humano também enterrarão os seus e olharão para vocês, que riram e ajudaram a espalhar merda, e perguntarão se vocês nunca tiveram ideia do que fizeram.

Tamanho e espessura fazem diferença, sim. Ao menos, no cérebro
O diplodoco que saiu pra viagem

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας