A vida silenciosa e desprovida de vida do Vale da Morte

O Vale da Morte não é um lugar onde você gostaria de passar as férias, mas mesmo assim gostaria de tirar férias para dar uma conferida. é um lugar contraditório, pois apesar de ser um lugar de onde você fugiria ainda assim gostaria de dar uma checada, apensar de ser um vale onde muitos não viveriam muito tempo. É uma depressão, já que é um vale, na fronteira dos estados norte-americanos de Nevada e Califórnia, a cerca de 160 km de Las Vegas. Se você conseguir sobreviver no Vale da Morte, acabará morrendo em Las Vegas… nem que seja num bom dinheiro.

E ainda que queiramos andar pelo Vale da Morte, não precisamos temer mal algum, pois outros foram e nos trouxeram belas imagens, mas há coisas misteriosas também e veremos o porque no Livro dos Porquês.

Gavin Heffernan não jejuou nem pregou no deserto. Sendo uma pessoa equilibrada, ele preferiu guardar seus esforços para nos trazer as belezas que muitos de nós não veremos, pois há uma infinidade de lugares a serem vistos e pouco tempo para tanto. Contentemo-nos com as imagens trazidas por outros aventureiros.

[googlemaps https://player.vimeo.com/video/37587197?byline=0&portrait=0″ frameborder=”0″ width=”450″ mozallowfullscreen=”mozallowfullscreen” webkitallowfullscreen=”webkitallowfullscreen” allowfullscreen=”allowfullscreen”>

Mas o Vale da Morte não é apenas um lugar quente, seco e desolado, apesar de ser realmente um lugar quente, seco e desolado. Em 1913, ele registrou a segunda maior temperatura do planeta: 57 ºC, perdendo apenas para o Dasht-e Lut, no Irã. O desertão dos EUA ainda guarda surpresas, como pedras que se… movem? Bem, se moveram um dia, as rochas deslizantes de Racetrack Playa, e não, não tem alieeeeeeeeens.

Racetrack Playa, ou praia dos rastros é um vale dentro de um vale. Uma espécie de valeception. Não há (muito) mistério nas rochas de Racetrack Playa. A começar, o nome no original é "sailing stones" e elas não estão se mexendo. Elas se mexeram um dia. Tem diferença. A questão é que o lago em questão era feito de lama vinda de um degelo. Com o tempo, a lama serviu de ringue de patinação e o vendo foi gradualmente movendo as rochas. O tempo passou, a lama endureceu e acabou rachando, e as trilhas ficaram lá, para a posteridade.

Estudando os mistérios daqui da Terra conseguimos entender o que se passa em outros mundos, como este lago em Saturno, o Mestre dos Céus, Senhor dos Anéis.

Por mais que seja um deserto com nome ameaçador, o Vale da Morte é uma beleza em si. É um local ideal para ensino de Ciências, tanto que muitos professores dão aula lá. Claro isso JAMAIS aconteceria no Brasil, onde temos que entender como é a vida nas favelas, estudando numa sala com ar-condicionado em plena Barra da Tijuca. Ainda assim, o Parque Nacional do Vale da Morte está aberto a todos que queiram aprender sobre História, Biologia, Geologia e temas afins.

Se a preguiça (ou falta de dinheiro) for empecilho, ainda há este link da Wikipédia em inglês com muitas informações. Se apesar de todos os anos estudando inglês no colégio você é incapaz de entender o texto, bem, sempre temos os maravilhosos artigos da Wikipédia lusófona.

Um comentário em “A vida silenciosa e desprovida de vida do Vale da Morte

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s