Os buracos da autoestrada da informação

Estamos na Era da reclamação. Isso é um ponto indiscutível. Antes, a gente entrava na Internet para buscar informações; e encontrávamos! Hoje, entramos na Internet para dizer que não encontramos informação alguma, que é um absurdo, como assim me pedem coisas que eu não sei, como irei aprender, bláblábláblá.

Continuar lendo “Os buracos da autoestrada da informação”

Rinha de Parasitas: jogue já!

Nenhum de vocês é melhor do que ninguém, o que já configura que está a um pequeno passo da psicopatia. O máximo que vai diferir é mediante qual parasita ocupando cargo político vocês adoram passar pano, além de gente como eu, que queria passar pano em volta do pescoço deles num nó e apertar com força. De qualquer forma, o sonho de todos nós é vermos políticos saindo na porrada (o que pode mudar é a intenção). Já pensaram se vocês pudessem ajudar um político a meter a porrada no outro? SEUS PROBLEMAS ACABARAM!!

Continuar lendo “Rinha de Parasitas: jogue já!”

Respostas da primeira enquete do Ceticismo.net

As pessoas gostam de citar Steve Jobs, que fazia menção a Henry Ford quando este dizia que se fosse ouvir seus clientes não produziria carros, mas cavalos mais rápidos. O mesmo Henry Ford que dizia que você poderia escolher o carro deles na cor que quisesse, desde que fosse preta. Pouco depois ele lança carros de outras cores, na mesma medida que o iPhone não estava sendo pensado para (nem iria ter) aplicativos. Preciso continuar?

Ouvir as pessoas de vez em quando é bom. Não que toda ideia que lhe deem seja uma boa ideia, mas isso nem significa muito já que nem as minhas próprias ideias são um festival de acertos. Sendo assim, eu propus a primeira enquete. Vamos ver o resultado?

Continuar lendo “Respostas da primeira enquete do Ceticismo.net”

A odiosa cultura do cancelamento assassinando pessoas

 

Existem coisas que as pessoas se negam a reconhecer. Uma delas é que as pessoas não prestam, não valem nada em sua maioria! Outro ponto que ninguém quer assumir como verdade: redes sociais não são sociais. São um nojo. Motivo? Leiam o parágrafo desde o início.

Ficou muito fácil bancar o machão de internet, só que isso tem um preço. Diferente de você sair e chamar o primeiro bombadão de academia de filho da puta, é mais fácil disseminar ódio, pois facilmente sairá ileso. É a cultura do cancelamento, que com a anuência desses malditos jovens, se tornou uma arma de destruição em massa. Uma arma devastadora e destruidora de vidas. Vou citar três exemplos, em que um deles acarretou numa punição.

Continuar lendo “A odiosa cultura do cancelamento assassinando pessoas”

Primeira enquete do Ceticismo.net

Estou mudando um monte de coisas no andamento do site. Já fiz o Ebook (já baixou o seu?), e agora eu quero saber mais. Tem horas que eu tenho vontade de acabar com o blog e parar de perder tempo, mas a verdade é que é meu passatempo, minha diversão. Então, eu queria continuar com ele, mas talvez seja preciso mudanças. Não sei. Assim, para atender vocês melhor, fiz esta enquete. Não garanto que muito irá mudar ou SE irá mudar. Mas conhecimento é importante.

Continuar lendo “Primeira enquete do Ceticismo.net”

Cogitando sob os céus do Atacama

Esbarrei com esse vídeo e me lembrei do Cogita. O Cogita é uma excelente pessoa no Twitter. Tão excelente que eu tenho vontade de bater nele só pela calma e tranquilidade que ele carrega, que por sinal me dá nos nervos! Me lembrei dele justamente pela viagem que fez pelo deserto de Atacama, um dos poucos bastiões da verdadeira noite escura, longe da civilização, luzes artificiais e gente escrota que possa incomodar a observação do céu.

Graças à umidade relativa do ar ridícula (tem regiões que não chove há séculos!), a noite é límpida, sem interferência, excelente para fotografias, filmagens e vídeos feitos com lapso de tempo, ou time lapse ou seja lá coo você chama.

Continuar lendo “Cogitando sob os céus do Atacama”

Artigos da Semana 10

Continuamos aqui, trazendo o melhor do mundo, principalmente àqueles que sabem mais que astrônomos (o que não significa muita coisa. Basta saber geografia de sexto ano que saberá mais do que muito astrônomo jovem do Brasil). Imaginem que podemos fazer exames sem levantar a bunda da privada. Ou que podemos estudar o planeta usando uma bigorna de diamantes. Sabem qual a concentração do álcool para matar o coronga? Mas pesquisar na Internet, reconhecendo sites válidos é algo que todo mundo sabe fazer, não é?

No final, a pergunta: já aprendemos a trabalhar?

Continuar lendo “Artigos da Semana 10”

Aprendemos a trabalhar? Não, né, minha filha?

No dia 3 de abril, eu postei um artigo chamado “Aprendemos a Lição?”. Nele eu trazia o cenário que acarretou esta quantidade de mortes, como falta de EPI ou mesmo higiene, investimento em saúde, etc e tal. Obviamente, nós não aprendemos, mas eu tenho outra lebre para levantar além desse tipo de lição, a forma de trabalhar deveria ser revista, pois muita coisa mudou forçosamente. O que aprendemos com isso?

Continuar lendo “Aprendemos a trabalhar? Não, né, minha filha?”

Estudantes de Medicina e Economia não sabem usar Internet e só pesquisam em sites vagabundos

Logo quando a Internet começou a se popularizar, Umberto Eco soltou a maravilhosa frase “A Internet promoveu o idiota da aldeia ao Portador da Verdade”. Seu intuito, com essa frase, era dar uma visão de como um imbecil antigamente ficava restrito ao seu grupo familiar ou, no máximo, de amigos de taverna. Entretanto, hoje, os idiotas só precisam de acesso à internet. OBVIAMENTE, vocês começaram alguma bobagem defendendo esse ou aquele partido político, acusando aquele ou esse partido político, quando a ignorância é mais vasta que isso, haja vista o bando de gente me xingando quando colo o vídeo sobre o arroz estragando (ou não) apenas por causa de pensamentos, ou vídeo que eu coloquei provando que água sanitária e vinagre não dão uma emanação gasosa pérfida que corrói tudo. Todos que me xingaram tiveram “provas”: relatos. De quem? Não se sabe, mas se relataram, é verdade!

Com tanto lixo espalhado pela rede, há um sério problema: como ver o que é informação de qualidade e o que é lixo? O Umberto tencionou criar algo como uma mistura de bibliotecas e Lan Houses, em que os alunos teriam apoio de professores para filtrar a informação. Claro, isso já tem quase 20 anos e muito evoluiu. O que não evoluiu foi a capacidade de identificar o que é conteúdo que presta e o que não presta. Uma pesquisa agora apontou o que todo mundo sabia, mas agora é com rigor científico: alunos têm problemas para avaliar criticamente as informações da Internet, sendo influenciados por fontes não confiáveis

Continuar lendo “Estudantes de Medicina e Economia não sabem usar Internet e só pesquisam em sites vagabundos”

Privada tecnológica examina o seu cocô, o seu xixi e fica de olho no seu olho

Estamos no moderno mundo tecnológico 2.0, internet das coisas e outras bobagens modernoides, reinventando coisas que já existiam, mas de forma menos eficiente; mas aí é só colocar uns leds RGB e vender como “gamer”. Se você acha que chegamos nas maravilhas tecnológicas de uma casa hiperconectada, pense que ainda falta muito, ou, pelo menos, uma coisa: a sua privada.

Sim, amiguinho, seu querido troninho, onde muito provavelmente onde você está sentado agora, lendo o meu blog no celular. Pois saiba enquanto você está aí sentado, seu vaso está analisando suas fezes e sua urina. Capaz de saber até que sua mulher está lhe traindo, sua filha está grávida, seu cachorro tem vermes e o motor do seu carro está batido.

Continuar lendo “Privada tecnológica examina o seu cocô, o seu xixi e fica de olho no seu olho”