Anime fotos e deixe-as com movimento

Hoje em dia está na moda deep fakes, uma técnica que se pega um determinado vídeo e coloca-se o rosto de outra pessoa à guisa de piadas, normalmente, mas que está sendo usada até no cinema. Quem adora fazer uso desta técnica é o Bruno Sartori. Sim, você bem que gostaria de fazer seu próprio deep fake, mas seu PC da década de 90 não está lá muito apto para isso. mas não se desanime!

Continuar lendo “Anime fotos e deixe-as com movimento”

Darwin selecionou os seus, inclusive blogs

Eu não sou de ver canais brasileiros no YouTube. Na verdade, há um mínimo que eu ainda assisto, mas mínimo do mínimo. No máximo, o canal da Ned. ainda assim, o Tubo insiste em me mostrar vídeos que eu vivo colocando como NÃO TENHO INTERESSE [NESTA MERDA]. Um deles era sobre como temos que discutir sobre como ganhar dinheiro com o YouTube com constantes mudanças de políticas.

Sim, 2021 e AINDA estão discutindo isso.

Continuar lendo “Darwin selecionou os seus, inclusive blogs”

Melhores artigos de 2020 parte 3

Pelo amor de Deus, André, parte 3?

É, e isso por dois motivos. Primeiro, porque eu gostei desses artigos na minha volta à blogagem marota e eu realmente adorei tê-los escrito. A segunda é porque eu quis. Estou de férias, ora bolas! Ademais, larga maioria de vocês não leu todos estes artigos. Bora l~e lá, pombas! Até voltei com os textos sobre religião!

Continuar lendo “Melhores artigos de 2020 parte 3”

Cadê os blogrolls?

Eu não tenho blogrolls. Onde estão meus blogrolls? Se você lê blog há um tempinho já sabe do que estou falando. Se não sabe, eu explico: Todos os blogs (descansem em paz) costumavam ter uma listinha de blogs que recomendavam, normalmente, com temas afins ao seu próprio blog. Os blogs morreram embora alguns tenham resistido. Continuar lendo “Cadê os blogrolls?”

Quando comprava-se revistas para procurar sites

Estava conversando outro dia e relembrei como era a Internet nos tempos d’antanho. Uma época tão longe que só velho que escreve “d’antanho” teria vivenciado. Imaginem que houve uma era imaginada depois que as águas abraçaram Atlântida e o Google subisse ao poder. Uma época que tinha o Altavista e o Yahoo! Mas o mais legal era saber que as pessoas faziam busca na internet por meio de… revistas. Continuar lendo “Quando comprava-se revistas para procurar sites”

Os rótulos nossos de cada dia

Uma das coisas que eu acho fascinante é como os termos mudam de significado com o passar do tempo. Às vezes, nem mudam, principalmente quando fica restrito ao mundinho ilhado da Internet. Sim, a Internet é uma ilha, um nicho; é tipo Las Vegas. O que acontece na Internet fica na Internet. Do lado de fora os “levou os internautas à loucura” não significam nada. Ainda assim, tentam mudar o significado das coisas. Continuar lendo “Os rótulos nossos de cada dia”

Pela volta dos blogs!

Sério, eu me cansei disso. Não tenho mais nada pra ler na Internet. Os blogs morreram graças à sua usura de só quererem ganhar, ganhar e ganhar. Nada de errado com isso, mas o resultado foi a preocupação com o ad-sense e não conteúdo. O que vai ofender o google? O que não vai ofender? Ain, não posso perder a monetização. Socorro, perdi a monetização.

Desistiram dos blogs, mas quem desistiu foram os blogueiros, não os leitores.

Continuar lendo “Pela volta dos blogs!”