Romário cria Projeto de Lei beneficiando cientistas e é criticado. É do Brasiiiiiiiil!

Tudo bem, eu confesso: não achei que o Romário, eleito deputado federal pelo Rio de Janeiro em 2010, fosse fazer algo digno de nota. Bem, eu mordo meus dedos já que, de fato, ele propôs algo bem legal: a facilitação de importação de materiais direcionados para a pesquisa científica.

Infelizmente, como vivemos numa pocilga repleta de silvícolas que mal conseguiram entender que o fogo queima e a água é molhada, o Romário foi criticado, afinal, ciência não serve pra nada.

Tudo aconteceu via Twitter, aquele recanto dominado por boçais sem bossa. Quando o ilustre jogador-deputado, através do seu perfil, anunciou que tinha a Câmara dos Deputados estava analisando o Projeto de Lei 4411/12, o qual prevê a simplificação do processo de importação de mercadorias destinadas à pesquisa científica e tecnológica (maiores informações no blog dele). Ele foi atacado por um energúmeno, que disse que cientista não tinha votado no Romário e que o povo precisa de hospital, escola, creche e transporte. Para esta MULA, pesquisa científica é uma merda. Tão merda quanto o português medíocre com que escreveu sua idiotice proveniente de retardo mental.

O Romário, ou seja lá quem estava tomando conta do perfil, ainda tentou argumentar com aquele aborígene retardado, mas é como você ficar conversando com uma poça de água suja, esperando ser entendido pelas amebas de lá. A conversa você pode ver AQUI, compartilhada comigo pelo @Cyber_Ramses.

Povo vil, sórdido e ridículo! Quosque tandem? Até quando esta massa ignara colocará na PORRA da cabeça que é a Ciência que faz o remédio, que é a Ciência que produz ligas melhores para construção, que é a pesquisa que fomenta a produção que irá gerar emprego, que trará tecnologias melhores para diminuir o sofrimento dos doentes, reduzindo o tempo nos hospitais. Mas não, o Zé Povinho quer benesses imediatas, quer bolsa-whatever etc. E não adianta tentar conversar com os acéfalos.

Já é tão raro que algum político se interesse por Ciência, já que normalmente a tendência é cortar verbas e despejar cientistas. A proposta é muito, mas MUITO bem-vinda. Se o bando de retardados que estão à espera de assistencialismos e clamam por hospitais, transportes e creches não consegue entender isso, o problema é deles. Esta mesma corja ignorante deveria clamar por escolas e de preferência, se matricular em uma para ver se aprendem a escrever corretamente.

Parabéns, Romário, pela iniciativa. Isso que eu chamo de gol de placa!

23 comentários em “Romário cria Projeto de Lei beneficiando cientistas e é criticado. É do Brasiiiiiiiil!

  1. Com certeza o twit não é de autoria do anão de jardim, pois não há nenhum “peixe” no twitt. :twisted:
    No entanto não entendi a surpresa no tocante a desaprovação da população à ciência (tá, no post fala só de um retardado, mas creio eu que generalizar não é fugir da realidade aqui na república das bananas). Cientista só serve para fazer bomba atômica, criar apocalipse zumbi/robótico ou falar que não se acha plutônio em farmácias.

    1. @BlackPardal, não estou surpreso com a “desaprovação” a “ciência” a nível de Brasil pelo simples fato de as próprias pesquisas serem vistas por aqui com desconfiança pelos vários desvios de recursos e outras malversações que só beneficiaram a uma minoria bem relacionada no jogo burocrático.

      Temos um povo que é ávido pelo consumo da tecnologia e do bem-estar trazido por ela, mas que quer distância da linha de produção até porque além do trabalho ser cansativo, ainda dá menos resultados no campo financeiro do que um bom conchavo político por exemplo.

      Eike Batista não me deixa mentir. Aqui não é o paraíso dos que lutam por um futuro melhor e sem dos oportunistas bem relacionados que sabem se utilizar das peculiaridades do jogo político em benefício próprio.

  2. Ex-jogador de futebol criando projetos relevantes e políticos de longa data, com formação acadêmica criando leis esdrúxulas? É impressão minha ou estamos mesmo em 2012?

    Mas falando sério, creio que equipamentos utilizados por cientistas em geral são caros e dificilmente produzidos no Brasil e, quando produzidos, em geral são mais caros e com menor qualidade que aqueles importados. Como o governo brasileiro está criando cada vez mais barreiras à importações visando incentivar o mercado local, creio que projetos como este não serão muito bem vistos. Importar é ruim e o petróleo é nosso.

    Não precisamos de mais ciência, ou pesquisa, pois já temos tudo que precisamos. Já somos capazes de conversarmos com uma pessoa do outro lado do mundo enquanto satisfazemos nossas necessidades fisiológicas. O resto é ficção. Como no final do século XIX.

    1. @leandrosansilva, protecionismo é isso ai… Vamos tapando o sol com a peneira, até porque seja no campo da evolução tecnológica, seja no campo da assimilação tecnológica, estamos literalmente comendo poeira.

      Para os paladinos em geral, é mais conveniente manter o jogo mais ou menos como está, tirando proveito dos recursos naturais em uma política de caráter AGROEXTRATIVISTA, deixando migalhas para a população a margem de tal corrente, que ao fim beneficia apenas uns poucos melhor posicionados em meio a nosso jogo de maracutaias.

      Em tempo, o próprio Romário apareceu em um vídeo tratando das demolições arbitrárias nas “favelas” no Rio, mas custa-se a entender que esse é apenas mais um capítulo no velho histórico de limpeza demográfica que de tempos em tempos toma lugar na cidade.

  3. Admito que também não esperava uma dessas do Romário, se bem que ele vem mostrando serviço sério já há algum tempo, ao contrário de muitos pulhas que infestam a Câmara.

    Agora, a reação do anencéfalo do popular site de microblogs™ era questão de tempo; sempre tem um que vem com o “com tanta gente passando fome” e é incapaz de ver o quadro todo.

    No mais, parabéns pela iniciativa Romário; agora você provou de verdade que é “o cara”. :)

    1. @Ronaldo Gogoni, a forma mais fácil para se sufocar propostas que não se entende é justamente na base do apelo emocional, como foi nesse caso. Se o projeto e os subsidios vão trazer realmente vantagens para a pesquisa a nível de Brasil, acho que ainda é cedo pra dizer.

  4. Parabéns ao Romário!

    Ele ou sua equipe ainda argumentou bem com o infeliz, mas é o mesmo que ensinar etiqueta para porcos. Passei a ver o baixinho menos como ex-jogador de futebol e mais como deputado agora.

    1. @Victor B.M, pelo menos o cara está bem assessorado, o que pode ser de grande valia no que diz respeito ao jogo e a reputação política. Pode não parecer, mas isso faz uma diferença enorme.

    1. @Lucho, o foco desse pessoal é no benefício imediato, sendo que essa turma já é de gatos escaldados na parada do “conto do bolo” do Delfim.

  5. O pensamento limitado desse infeliz que comentou no twitter do Romário é reflexo e resultado da política populista do nosso querido governo esquerdista. Não é à toa que eles não investem em educação, é pra manter o povo comendo pasto mesmo. Por isso todos imploram por assistencialismo, não enxergam e não querem enxergar nada além disso. É mais cômodo ter alguém te dando as coisas sem vc fazer nada, não é mesmo? Sem falar que nossa cultura é imediatista, como foi comentado, entre outras características lamentavelmente distorcidas.

    1. @Marcio Tavares, não. Há investimentos sim em educação, mas em uma educação voltada a massa e de caráter meramente assistencialista. E aliás, nosso governo nem é de esquerda propriamente dita, a despeito da influência de alguns sedizentes pensadores “de esquerda” no alto do jogo em nosso campo educacional.

      Nosso governo é de centro, mas não de um centro com uma visão contraposta aos excessos da “direita” ou da “esquerda” e sim um centro avergonhado, que se utiliza a todo custo do fisiologismo para sustentar a frágil coalizão que temos nos dias de hoje.

  6. Eu cresci em uma favela, tive muitos amigos lá (quase todos morreram) e até hoje tenho certo contato com as pessoas de lá. Infelizmente ainda existe muito forte o pensamento de que estudar é perda de tempo, e o negócio “bom” mesmo é começar a trabalhar aos 14, 15 anos em sub-empregos, pra garantir um dinheirinho logo cedo, e ficar nesses sub-empregos pro resto da vida, criando raízes e necessariamente não se preocupando em evoluir. Estudei a vida inteira em escola pública, no mesmo lugar que eles, mas consegui ter uma carreira bem sucedida. Qual a diferença então, já que tivemos as mesmas chances? Não sei dizer ao certo. Talvez minha família não tenha o mesmo pensamento submisso e derrotista que muitos brasileiros têm.

    1. @Marcio Tavares, ah, tá… Você conseguiu estudar e se garantir em uma boa carreira que bem ou mal te permitiu ter um pé-de-meia que aqueles a sua volta nem chegaram a sonhar dada a sua vida em subempregos.

      Mas hoje a parada não está tão fácil, pois além das cotas, ainda proliferam as UniEsquinas da vida, cujo compromisso é repetir no ensino dito “superior” o mesmo modelo educacional, massificado e sem compromisso com a qualidade que se tem no ensino “básico”.

      Hoje em dia, é mais fácil ganhar na base do oportunismo, seja na base do conchavo político, seja em cima de atividades “fora da lei” (como a extorsão e o narcotráfico), seja na especulação em cima de alavancamentos a perder de vista.

      O sonho dos boçais do meu Brasil não é ser o novo Eike Batista e sim ser na medida do possível o novo Thor Batista.

  7. O cara que critica o Romário deve ser uns dos que ficaram HOR-RO-RI-ZA-DOS com os cientistas da Nasa comemorando o pouso da Curiosity em Marte.

    Temos SIM, aqui em Terras Brasilis a ideia que pesquisa científica é inútil!

    Talvez por isso adoremos que nos dê um bolsa-alguma coisa?

  8. O Romário se mostrou uma grata surpresa, mas infelizmente o povo mostrou a ignorância de sempre. Eles não entendem a utilidade da ciência e os seus benefícios a longo prazo que se tornam permanente. Quando o Brasil ganhará um Nobel desse jeito? Isso se derem algum valor, claro…

    PS: não consigo acessar o site mais pelo celular, só pelo PC… :???:

    1. @Nihil Lemos, a questão é mais complexa do que aparenta. Tem o lado positivo cantado pelos defensores da posição, como o André aqui e o Pirulla, mas também tem um lado negativo que não convém ser desconsiderado.

      De qualquer forma, considero que pesando os prós e contras, o resultado é positivo.

  9. Na verdade, o PL 4411/12 colocado aqui é uma EMENDA a uma lei já existente (a Lei 8010/90) que já foi modificada por outra emenda (a Lei 10.964/04).

    O projeto colocado trata apenas das condições regulatórias no que diz respeito ao cadastro dos cientistas e quanto ao desembaraço de qualquer taxa de caráter aduaneiro, ainda colocando na mão do cientista cadastrado a responsabilidade por eventuais danos causados pelo material de pesquisa científica eventualmente trazido.

    Infelizmente, é bem provável que esse projeto, apesar das boas intenções, ajude muito pouco na questão, dada a problemática da burocracia, que serve de importante apoio para seus protegidos e de terror para aqueles que estão a margem de sua rede de proteção.

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s