A Falácia do King Kong em vídeo

Obama quer que você leve seu filho e filha a um laboratório
Pesquisadores desenvolvem estetoscópio para smartphone

Uma das “provas” que costumam usar para demonstrar a veracidade do relato bíblico é dizer que a Bíblia cita cidades como Pi Ramsés, Jerusalém etc. Também menciona figuras históricas como Herodes e Pôncio Pilatos. Mas isso não significa nada quando vemos que muitas obras ficcionais usam elementos reais para compor suas histórias. Não é porque um trecho é verdadeiro que tudo o será.

Da mesma forma, não é porque existe o Empire State Building que um gorila de 15 metros subiu nele. Eu já escrevi sobre isso antes, mas vídeo também é legal de se fazer.

Inscreva-se em nosso canal.


Obama quer que você leve seu filho e filha a um laboratório
Pesquisadores desenvolvem estetoscópio para smartphone

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • Lismar Cardoso

    “obras ficcionais usam elementos reais para compor suas histórias.”

    Algo muito comum e corriqueiro, principalmente em romances, mas como os retardados nunca leram nada, nem mesmo o livro mágico deles que tanto adoram exibir em tudo quanto é canto, ficam impressionados quando descobrem que uma cidade ou um personagem contidos no seu livrinho de fato existiu! Quer dizer, foda-se se lá as plantas surgiram antes do Sol. O importante é que Herodes existiu de fato, então os imbecis ficam bradando que isso prova a veracidade bíblica!!

  • Slade

    Já rebati esse argumento usando o Homem-Aranha como exemplo. Se Manhattan existe, e a HQ a cita, logo o Homem-Aranha existe tanto quanto Deus/Jesus/Coelhinho da páscoa.

    As pessoas me impressionam cada vez mais (negativamente). A alguns dias estava lendo um post aqui no site que falava da capacidade das pessoas de espalharem merda pela internet e a teoria da terra oca. Ai vejo isso na minha timeline: http://thoth3126.com.br/cientistas-descobrem-oceano-a-644-km-de-profundidade/

  • EiligKatze

    Mateus capitulo cinco: Perdoar setenta vezes sete…..
    Eu sempre fiquei imaginando se na 491ª vez eu posso sentar a porrada até a morte no caboclo.

    Sobre a legião de porcos mortos, não consigo entender como havia um rebanho de porcos em Israel se o animal era “imundo”. E se o rebanho fosse de um romano, aí é o pau ia comer e teria a documentação deste processo em algum lugar…..

    Saulo Nogueira respondeu:

    “Mateus capitulo cinco: Perdoar setenta vezes sete… Eu sempre fiquei imaginando se na 491ª vez eu posso sentar a porrada até a morte no caboclo.”

    Apenas figura de linguagem, caro EiligKatze. Significa que sempre devemos perdoar.

    “Sobre a legião de porcos mortos, não consigo entender como havia um rebanho de porcos em Israel se o animal era “imundo”.

    Se você ler o texto Bíblico, irá perceber que esse fato ocorreu em Decápolis, região de população predominantemente gentílica.

    “E se o rebanho fosse de um romano, aí é o pau ia comer e teria a documentação deste processo em algum lugar…”
    Mas o pau comeu… Mas o medo foi maior.

    EiligKatze respondeu:

    ninguém mais gosta de brincadeira por aqui?
    Mas no caso dos porcos, não me lembrava do detalhe da cidade……

    Saulo Nogueira respondeu:

    É claro que gostamos de brincadeira! E o senso de ironia estava ligado, mas… Eu só queria participar… Rsrsrs

  • Saulo Nogueira

    Sei lá, nunca tive essa impressão com os textos bíblicos. A referência á pessoas e lugares sempre foi para fornecer evidências fidedignas para as pessoas que viviam na época e, poderiam verificar de fato sobre as ocorrências narradas. Como Lucas, por exemplo, que cita vários personagens históricos e contemporâneos de Jesus para, simplesmente, nortear seu destinatário (no caso Teófilo). Encontrar evidências da existência de alguma cidade narrada na Bíblia, de fato, não prova que aquele fato ocorreu, mas simplesmente serve para ampliar nosso conhecimento arqueológico e lançar luz para uma melhor compreensão de determinadas passagens.