Grandes Nomes da CIência

Biografias de cientistas conhecidos ou não tão conhecidos assim. Curiosidades e fatos sobre suas pesquisas, inclusive gente anônima que fez ciência e não recebeu os devidos créditos. Mais »

Livro dos Porquês

A sabedoria e o conhecimento. Isso é Poder! Abra sua mente, aprenda mais sobre questões básicas (e complexas) e tire suas dúvidas, de forma mais didática possível, sem ser aquelas aulas chatas de colégio. Mais »

Grandes Mentiras Religiosas

O mundo não é tão bizarro quanto fazem parecer. Mentiras e enganações para ludibriar as pessoas, lindamente desmontados, de forma a trazer à luz a desonestidade para tentar lhe fazer parar de pensar e simplesmente aceitar o que querem que você pense. Mais »

Caderno dos Professores

Para quem quer ensinar e muitas vezes se pergunta como abordar um tema. Como deixar a aula interessante, como levar conhecimento aos seus alunos por meios que pedagogos lhe odiarão, mas serão amados pelos estudantes. Mais »

 

A Falácia do King Kong

Algo recorrente em alguma conversa com religiosos é a tentativa de provar coisas com argumentos despropositados, loucos, insanos e/ou totalmente idiotas. O Cristianismo não seria uma religião com seguidores se estes não tivessem algum motivo para acreditar, mesmo que seja totalmente estapafúrdio, onde se acaba decaindo para falácias idiotas, como A Aposta de Pascal. Outro exemplo é o que eu chamo de "Falácia do King Kong", cuja ferramenta de retórica (questionável) tenta provar a autenticidade e/ou historicidade de qualquer evento no qual pede-se por provas históricas e documentais.

No caso do Cristianismo, sempre pedimos por alguma prova que demonstre que os fatos decorridos no relato bíblico ocorreram. Não raro, apelam para escritores já mortos, com textos que, alegam, ser prova que Jesus existiu. Infelizmente, já desmistifiquei estes documentos antes. Então, dizem que o relato está na Bíblia, o mesmo livro que fala de dragões e unicórnios, só faltando aparecer um hobbit.

Então, o pessoal surge com a seguinte linha de argumentação: descobriram o túmulo de Herodes, logo, Jesus existiu. Ou: Havia um Pôncio Pilatos, logo, Jesus existiu. Isso é tão imbecil que nem sei porque eu deveria escrever sobre, mas vamos lá.

O fato de algum fato ou personagem histórico ter ocorrido não implica que alguma história, conto ou mito atrelado a ele sejam reais. É um recurso muito utilizado por escritores de ficção, como Tom Clancy e Frederick Forsyth. Frederick Forsyth escreveu O Punho de Deus, usando detalhes verídicos do super-canhão projetado por Gerald Bull. Esta técnica é chamada "faction", onde entremeia-se fatos reais com uma história ficcional. Dessa forma, se usarmos o Punho de Deus como parâmetro, teremos que dizer que Saddam Hussein estava com um canhãozão imenso, pronto para jogar uma bomba atômica no centro de operações da coalizão.

Da mesma maneira, alegar que a existência de Pôncio Pilatos, Herodes e César Augusto prova que Jesus existiu é falácia da grossa. Porque, primeiramente, a Bíblia contém erros históricos tão ridículos (como Gerasa ter sido deslocada por centenas de quilômetros e que as casas de Cafarnaum tinham telhados de barro cozido) que algo ali tem de errado. Assim, se pegarmos o caso das casas de Cafarnaum, a conclusão lógica é que Lucas descreveu casas de sua época, não da época de Jesus, já que ele não só não foi contemporâneo como não entrevistou ninguém que o fora. E mesmo que tivesse, teríamos que acreditar na palavra dele, mas o texto é tão ruim do ponto de vista histórico que não pode ser usado como base.

Em segundo lugar, a alegação de existência de uma coisa, pessoa ou evento possa ser simplesmente justificado por outra incorre na supramencionada "Falácia do King Kong". Esta falácia pode ser ilustrada da seguinte maneira:

O Empire State Building existe, logo, um gorila de 15 metros subiu nele. Evidências? Temos registros cinematográficos que daqui a alguns anos poderiam ser usados, desde Merian C. Cooper até Peter Jackson. Afinal, eles jamais registrariam algo que não fosse verdade, não é mesmo? O único problema é que eu posso provar a existência de qualquer coisa ou qualquer deus assim.

Mas Deus não é um só?

Então, o que é a Falácia do King Kong se não uma tentativa desesperada de tentar se apegar a algo sem ter prova nenhuma e a menor capacidade de defender a própria religião do ponto de vista historiográfico. Não que a fé precise disso, mas religiosos fanáticos sentem a necessidade patológica de provar que sua religião é a única certa. A Falácia do King Kong é muito efetiva… na mente religiosa fanática, pois para qualquer mente racional rejeita-a com um sorriso de escárnio, pois é a única coisa que resta a fazer quando tentam empurrar que a existência de Pilatos prova a existência de Jesus quando toda a história que envolve estas duas figuras recai sobre erros absurdos e falta de documentação que a comprove.

Enquanto isso, olho para o céu e vejo as 3 Marias, a constelação de Pégaso etc. Elas são prova que Zeus existe, pois foi ele quem as colocou lá.

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας