Mãe, quando crescer eu quero ser cientista

Marvel procura por garotas cientistas desesperadamente
Mãe, quando crescer quero ser divulgador de Ciência

A Evolução Humana segue a chamada curva de Gauss. Ela começa quando você é idiota e a única coisa que sabe fazer é merda (aka, bebês). chega na infância, seu ápice, e começa a decair para adolescência, onde a única coisa que sabe fazer é merda. Somos frutos daquilo que nos ensinam. Aprendemos algo que nos é ensinado e quando tudo que vemos são conceitos errados, achamos que aquilo é a pura expressão da verdade por simplesmente não termos tido nenhum outro parâmetro de comparação.

Somos bombardeados com uma torrente de besteiras e nossas visões de mundo ficam mais limitadas quando ninguém abre as fronteiras. Então, quando pedimos para crianças descreverem cientistas, elas o fazem pelo a única forma que nos conhecem.

O problema primordial disso é como somos vistos. Cientistas são loucos, maníacos, nerds, idiotas, esquisitos etc. Somos carecas, usamos roupa amassada, óculos e fazemos experiências com explosões, pois TODA experiência dá em explosões.

É assim como nos veem. Crianças, adolescentes e pais.Cientista não é profissão no Brasil. Somos pessoas que não angariaram nada, não fizeram nada, não produzem nada. Apenas ficamos fazendo experimentos malucos, pois é assim que nos veem: gente maluca. Isso é triste.

No ano 2000, talvez pretendendo que houvesse algum Apocalipse na virada do milênio, um projeto envolveu alunos da 7ª série dos EUA (óbvio que este projeto jamais seria feito no Brasil, e vou explicar o porque mais adiante). O projeto é do setor educacional do Fermilab. Sim, o Fermilab TEM um projeto educacional.

O projeto era Who’s the Scientist, em que se pedia aos alunos que eles desenhassem um cientista e escrevessem uma breve descrição. Apareceram coisas como isso:

Eu imagino um cientista como um gênio. Eu acho que eles geralmente podem calcular quase tudo. Eu imagino experiências estranhas e garrafas de produtos químicos. Também imagino grandes explosões e os átomos e moléculas.

Não ria. Muitos de vocês não pensam de forma diferente, só mais estruturada.

Então, levaram as crianças pro Fermilab e elas conversaram com os pesquisadores de um lugar que eu mataria e venderia a alma de todos vocês para morar. Então, elas fizeram outros desenhos e outras observações. O resultado?

Cientistas são pessoas normais como todos nós. Eles fazem as mesmas coisas e agem como nós. A maioria deles falam línguas estrangeiras. Os cientistas não estão sempre presos em seus escritórios. Eles têm uma vida fora dos laboratórios também. Alguns gostam de fazer atividades ao ar livre, enquanto outros gostam de ler ou fazer as coisas dentro de casa.

UMA visitinha. Só isso. Mas não basta isso, tem que ser de maneira que os alunos aproveitem o que estão vendo, e não o caso que alguns alunos do 9º ano (antiga 8ª série) do colégio onde trabalho foram visitar a fábrica da Coca-Cola. Minha pergunta: que tal? Gostaram? Resposta: "Sim, bebemos coca-cola de graça". E que tal a fábrica? "Fábrica? Ah, tinha uns troços lá, não prestei atenção".

Na mente das psicopedarretardadas, aquilo foi o máximo, pois mostrou pros alunos a "realidade". Eu dei de ombros e disse: "Bom, também acho. Assim eles puderam visitar o local de trabalho onde estarão limpando o chão no futuro, dando bom dia e chamando gente como eu de ‘dotô’."

Por algum motivo que me escapa, fiquei com a impressão que se um olhar ruim fosse um tiro de 38, eu teria sido retalhado por uma metralhadora .50. Acho que eu deveria ter sido mais educado e dito "que bom que eles visitaram o a fábrica do produto que estarão servindo em mesas daqui a alguns anos. Prometo dar uma gorjetinha legal".

Eu gosto de dar aula para crianças. Eu desafaço muitos conceitos errados, mas tem horas que é difícil, quando livros do Ensino Fundamental 1 dizem que a "fumacinha" que sobe quando esquentamos a água é vapor d’água (dica: vapor d’água é invisível). Quando eu digo que está errado, sou interpelado pela "professora" dizendo que o livro está assim (livro este que não foi escrito por nenhum cientista e sim por uma estúpida graduada no câncer chamado "Pedagogia"). É difícil competir. E, reitero, se eu não posso tirar ponto por erro de português porque não sou formado em Letras, então nenhum pedagogo poderia dar aula de Ciências.

Sempre as crianças me perguntam se eu sou cientista. Minha resposta? Sim, eu sou. Não é mentira nem estou me vangloriando, é a verdade. Para isso, é necessário explicar: o que é ser cientista?

Ser cientista não é fazer experimentos. Eu vejo o cientista como aquele que quer melhorar o conhecimento, ampliá-lo. Assim, está dentro da função do cientista divulgar, explicar e ensinar o que aprendeu e ainda aprende. Eu falei sobre isso no artigo Mãe, quando eu crescer quero ser divulgador de Ciência. É obrigação (ou deveria ser) do cientista se preocupar com as crianças, pois dali poderá vir, sei lá, um engenheiro aeroespacial, um físico de partículas ou alguém que crie um sensor capaz de detectar câncer de pâncreas, de ovário e até de pulmão.

Mas quando falo que sou professor de Química, todos me olham como se eu fosse um maníaco, um ET ou fabricante de drogas. E isso é generalizado.


Sim, eu já passei por isso!

As crianças se maravilham quando eu mostro a elas como é o mundo, como coisas simples podem ser complicadas e como coisas complicadas podem ser simples. Elas entendem melhor o que veem lá fora. Mas é uma tarefa inglória, pois serão excluídas dos seus círculos se começarem a gostar de Ciência. Isso é coisa de loser, de nerd, de gente sem vida, pois vida mesmo é ir pra night e meter o focinho na bebida, drogas e odiar professores. Ninguém quer ser um excluído e acabam se tornando o que são.

O aluno que tira nota boa é nerd, não merece a amizade. Deixem ele lá com os livros. Ele tirou 8! Jesus, 8! É muito nerd, vamos ficar longe, vamos pro funk ou o show do Justin Beber. Enquanto isso, se você fala que é professor de Química, outros professores dirão "eu odeio química". Eu já fui educado o suficiente e disse: Foda-se, não lhe perguntei o que você gosta, que deve incluir novela e leituras porcas, mas quem sou eu para julgar sua vivinha medíocre?

Sim, sou antissocial, não é? Os outros ofenderem minha profissão não é. Afinal, todos têm que odiar Química, tem que detestar Ciência. Tem que detestar qualquer coisa que não seja cool, que não seja maneiro, que não seja socialmente aceitável por uma sociedade burra, estúpida e iletrada, mesmo tendo suas formações, e graduações, e mestrados e outros lixos de titulações conseguidas replicando a opinião das bancas e não criando nada, pois você não vai conseguir nada se opondo ao Status Quo. O mestrado é para servir pro doutor continuar sua política interna. Doutorado é para ajudar o pós-doutor a seguir com sua política interna e o pós-doutorado é para continuar toda essa merda.

Mas eu não quero nada disso. Quero ser cientista. Quero ser aquele que ao ensinar algo para uma criança, ela arregale os olhos e você seja capaz de ver o brilho em sus olhos quando ela murmura: "agora entendi!".

Quando chegar em casa, ela dirá "mãe, eu quero ser cientista". Tudo bem que o pai dirá ao menino que ele deve ser jogador de futebol e a mãe convença a filha a ser bailarina e/ou modelo de sucesso (o motivo é o mesmo: pais cafetizando os filhos).

Mas eu fiz o meu trabalho e me sinto satisfeito por isso.

Marvel procura por garotas cientistas desesperadamente
Mãe, quando crescer quero ser divulgador de Ciência

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • Vanessa

    Que linda lição de vida! Sou professora de história e adoro quando os alunos se sentem maravilhados com o conteúdo que passo a eles.
    Belo site! Está de parabéns!

  • Vanessa

    Saiu com um desenho de um quadrado feio. 🙁
    Como se faz pra mudar a foto?

    Administrador André respondeu:

    Vá em http://www.gravatar.com e se cadastre lá com o mesmo e-mail.

  • Roger

    Realmente, os maiores culpados por isso tudo são os pais que falham na hora de
    criar os filhos, tratam os filhos como se fosse uma espécie de pet com duas pernas, que necessita apenas de água,comida,vacina e fazer carinho de vez em quando ( e as vezes até nisso falham).

    As crianças são criadas praticamente na rua e as que estão em casa perdem tempo assistindo televisão.
    Incentivo á educação nunca foi prioridade nesse país.

    cloverfield respondeu:

    @Roger, Quando vou em uma livraria me espanto com a quantidade de crianças por lá… mas me espanta que tão poucos adultos gostem de ler.
    Minha conclusão: crianças adoram livros mas os adultos acabam tirando isso delas negando livros.
    Já vi criança chorando porque queria levar dois livros e a mãe perguntando se ela não preferia um sapatinho lindo.

  • Vanessa

    Eu achei que o desenho http://ceticismo.net/wp-content/uploads/2013/cientista-crianca1.jpg se encaixa muito no contexto da alienação que a TV causa nas pessoas. Os cientistas são exibidos como loucos e com “complexo de dominação do mundo”. 😯 Mas meu desejo seria que a TV aberta (SBT, Globo e até a falida RedeTV) dedicassem horário para documentários e entrevistas com cientistas brasileiros sérios, mas como alienação de público é um negócio que ainda gera muito $$$, vejo que isto não será possível. 😳

    Administrador André respondeu:

    Um canal coloca programação realmente educativa. Outro canal passa novela ou reality show. Diz pra mim qual dará maior audiência.

    Vanessa respondeu:

    @André, A Igreja Católica é uma peça. Já vi padre falar mal de Nietzsche só porque ele disse em uma das obras que Deus está morto.
    Enfim, cada um faz a sua propaganda. 😀

  • Vanessa

    Devo dizer que aquele documentário sobre sereias que passou no Discovery http://www.youtube.com/watch?v=kgyFflUP1mM foi uma afronta a nossa inteligência. 🙄
    Ainda há quem diga que acredita em sereias por causa daquilo.

    Administrador André respondeu:

    Aquilo não foi um documentário. Eles avisaram que era brincadeira.

  • Vanessa

    Na RedeTV não passa mais super sentai, agora só dá Universal, João Kleber e pegadinhas retardadas.

  • Vanessa

    Silvio Santos não envelhece? :mrgreen:

    Administrador André respondeu:

    Banida (ou será banido de novo, Pablo?)

    Guilherme Nascimento respondeu:

    @Vanessa, 7. Vanessa disse:
    outubro 6th, 2013 em 22:05

    “Silvio Santos não envelhece?”
    What? Tá de wave com my face? Ainda bem que foi banido pra deixar de ser troll idiota. E outra, não viu como está a cara do Silvio atualmente? Pelo jeito você assiste SBT só pra ver Bom dia e Cia e Carrossel.

  • Ciência começa em casa. Um ambiente familiar que incentive o gôsto das crianças pelo conhecimento já é um bom caminho andado. O mais difícil é quando não há esse tipo de incentivo. Mesmo assim, muitas pessoas que acabaram por se dedicar ao ensino, à pesquisa, começaram em ambientes francamente desanimadores, lutando contra a pobreza, por exemplo, ou enfrentando a oposição de pais e/ou parentes, insistindo no caminho áspero que escolheu por pura determinação, força de vontade e teimosia.

  • edu

    Olá André, sou quase graduado em física (falta defender o TCC 😛 ), físico já sou.
    Entendo que a sociedade não sabe o que é física, odeia ela por causa das experiências frustantes do ensino médio e de forma geral quando ponho a carapaça de físico eu me distancio das pessoas.
    Esse distanciamento entendo que é um tanto previsível no comportamento humano, poxa eu to falando de uma coisa que eles não sabem, tem medo, daí eu falo sobre, isso faz eles se sentirem ignorantes, além de estar me colocando no pedestal de professor. Aconteceu este final de semana, onde expliquei como avião voava 🙂 , porém devido a um tato social, consegui não me torrar, ou parecer que estava querendo aparecer, observe que só falei sobre isso, porque perguntaram para mim.
    Mas isso é antigo, Nietzsche falava sobre isso, que tínhamos que ficar na nossa torre de marfim para obter a verdade. Eu discordo, pois entendo que há como tu viver socialmente e ter a tua profissão de físico, sim profissão! Porém, se queres te misturar, tens que saber que tu tem imagem e que tens que cuidar dela. O FRANK JAAVA fala muito bem sobre isso, no vídeo “ser diferente” em seu canal no youtube, aliás tu acha que são só os gays “diferentes”? Pois eu acho que todo mundo que tem uma imagem “ruim” na sociedade, devido aos pré-conceitos é “diferente”.

    Por fim, tu também se distanciou:

    “Mas é uma tarefa inglória, pois serão excluídas dos seus círculos se começarem a gostar de Ciência. Isso é coisa de loser, de nerd, de gente sem vida, pois vida mesmo é ir pra night e meter o focinho na bebida, drogas e odiar professores. Ninguém quer ser um excluído e acabam se tornando o que são.”

    Quer dizer que um cientista, tem que ser loser, nerd e não pode ir pra festa, beber, usar drogas e odiar os professores? Isso não seria um pré-conceito teu?
    Também gostaria de dizer, eu acabava sendo excluído por gostar de ciências até o ensino médio, quando aprendi a lidar. Na faculdade fui excluído por gostar de festa 😥 , os dois lados fazem exclusão cara.

    Mas legal abordar o assunto e espero que meu comentário tenha contribuído para alguma discussão. Até.

    Administrador André respondeu:

    Quer dizer que um cientista, tem que ser loser, nerd e não pode ir pra festa, beber, usar drogas e odiar os professores? Isso não seria um pré-conceito teu?

    Não. É problema de analfabetismo funcional de quem leu e não entendeu.

    edu respondeu:

    @André.
    Concordo plenamente que é problema dos caras que leem e não entendem, daí fogem das perguntas e da discussão com um ad hominem sub entendido. 🙂

    Administrador André respondeu:

    Concordo, por isso expulso gentinha que acha que pode começar briga.

    Vai pela sombra.

    bilich respondeu:

    @André, É incrível! Como alguém pode ler esse artigo que você escreveu e entender outra coisa totalmente diferente do que foi escrito?!

    Prezado André,
    Comecei a ler o seu blog um mês atrás e devo admitir que vem sendo um deleite acompanhar. Parabéns pela iniciativa! Atualmente estou lendo os artigos mais antigos, principalmente os listados na aba “ciência e tecnologia”.
    Todos muito interessantes!

    Estou à disposição para ajudá-lo.
    Obrigado pela EXCELENTE fonte de informação.

  • Narkos

    já viram o filme Idiocracy é um futuro com versão exagerada desse gosto das pessoas pelo fútil e banal e desprezo pelo conhecimento, quando vejo meus alunos do 9 ano acho que esse futuro se tornará realidade em 10 ou 15 anos.

    JCFerranti respondeu:

    @Narkos, Exagerada? Cada dia que passa eu tenho mais convicção (e medo) que ele se realize!

  • RonanVargas

    O Ensino Médio é projetado de forma extremamente pragmática, ou seja, só se passa conteúdos na base da decoreba com o objetivo de fazer os alunos passarem no vestibular. O conteúdo é mal passado e o aluno também já vem de casa disposto a passar a aula toda ligado no seu MP29, já que muitos pais também não querem saber o que o filho está aprendendo, só querem vê-lo passar de ano. Estímulo para ir a fundo em alguma matéria? Zero.
    Só um parêntese: Minha mãe dá aula no Ensino Fundamental (2o. ano, se não me engano) e nesse semestre surgiu uma criança francesa na turma dela. Minha mãe resolveu dar uma checada no caderno da guria (quando ela estudava na França) e havia conteúdos que aqui só são passados na 6a., 7a. série!! Enquanto isso, a síndrome da aprovação automática e do coitadismo imperam por aqui…

  • graizick

    aqui em casa incentivo as criaças a ler…tento impor limites aos faceburros da vida e tento fazer da internet uma ferramenta util, antes de explicar o porque de algo os faço pesquisar para podermos discutir o assunto.

    mas e quando a professora de “ciencias” da minha filha faz a seguinte afirmação: se tu tampar uma das narinas apenas um pulmao respira…quase tive um infarto. deu vontade de levar um atlas de anatomia pra coitada.

    e infelizmente é isso que se está aprendendo nas escolas por ai. sou farmaceutico e minha filha sempre pergunta a mim quando acha algo estranho nas aulas. mas e os outros…que nao tem para quem perguntar…ou pior nem se interessam em perguntar…a informaçao errada ja foi absorvida e nao será facil de ser corrigida.

    Administrador André respondeu:

    Isso não é professora. É uma retardada formada no câncer chamado Pedagogia!

  • Pingback: Os males do movimento anti-vacina » Ceticismo.net()

  • Pingback: Cientistas, gente esperta e o odio que sofremos » Ceticismo.net()