A longínqua voz perdida do sacerdote que pode ser ouvida hoje

Sabeis vós, ó Príncipe, que aqui, que vos se apresenta, é a última morada de Natsif-Amon, o Sacerdote. Culto que era, este Portador do Incenso descansa depois de uma vida inteira dedicada aos seus ancestrais como nobre e escriba, desempenhando funções importantes no reino. Hoje, Alteza, ele repousa aqui, que gerações futuras e incultas chamarão de “Karnak”. Sim, meu príncipe, eu tenho o dom de ver o futuro, assim como o passado dos antigos reinos que lhe antecederam. Vós, que sois um Ptolomaico, sabe da importância de resguardar a nossa História.

Escutai, ó Príncipe, as vozes que emanam daqui. As vozes surdas que murmuram nossas conquistas, nossas realizações, nossas proezas e riquezas jamais vistas. Escutai a voz de Natsif-Amon, o Sacerdote. A voz que que será ouvida daqui a séculos, levando a mensagem de nossa grandeza, ó Príncipe!

Não se sabe muito sobre Natsif-Amon, meu Príncipe, além que ele foi um sacerdote no reinado do grande Menmaatre Ramesses XI, filho de Rá, Protegido dos Deuses, que algum lorpa chamará simplesmente de Ramsés XI. Que disparate! Aliás, o próprio Natsif-Amon acabará por ter seu nome trocado para Nesyamun.

Depois de 3 mil anos, a voz de Nesyamun, meu Príncipe, será conhecida. Homens de Conhecimento conseguirão, por meio de algo próximo a feitiçaria, ser capaz de ouvir a voz de Nesyamun, meu príncipe. Como? Não, não será com sacerdotes e cajados mágicos. Eles usarão toda arte de seu conhecimento. Conhecimento que não sabemos hoje, mas nossos antepassados ficariam estupefatos, gentil senhor, com o que sabemos hoje e como nosso império é mais vasto ainda.

Como farão isso, Vossa Alteza me pergunta? Hummmmm. Eu cruzo os braços e fecho os olhos, Alteza. Vejo o grande Nesyamun sendo posto num arco mágico. Ele usará os efeitos da força mágica como há naquelas pedras escuras que vieram da Magnésia. Sim, aquela força das pedras mágicas que Vossa Alteza gosta de se entreter ao atrair pedaços de ferro.

Com essa força, os Homens do Conhecimento conseguirão ver através do que restar de Nesyamun, sem fazer mal ao seu corpo, estando ele ainda repousando no Além-Vida, reino de Anúbis. De posse disso, para entender melhor as nossas artes ocultas, Alteza, construirão um modelo, uma escultura de como são as entranhas de Nesyamun, de forma a reconstruí-lo por dentro, ainda que sua língua não possa ser reconstruída, pois nem todos os segredos dos deuses estão disponíveis aos homens.

Estes homens, ainda que cultos, só terão um vislumbre. E ainda assim, conseguirão ouvir a voz profunda e ressoante do nosso grande Nesyamun.

Nossa existência é fascinante, Alteza. Nossos netos farão coisas tão grandiosas quanto nós mesmos. Aprenderam com os povos do Oriente escrever sobre algo semelhante ao nosso papiro, mas muito melhor, e há quem diga que serão capaz de escrever no ar palavras que poderão ser lidas por todo o sempre, e lá estará disponível para quem tiver força, coragem e interesse de ler as letras deitadas para toda a Eternidade, assim como Nesyamun por toda a Eternidade estará repousando.

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s