Antigos mortos contam histórias antes do Egito ser o Egito

Todo mundo adora o Egito. Egito é uma espécie de T-Rex entre as civilizações. Não que todos os dinossauros fossem gigantões como o T-Rex, da mesma maneira que o Egito não era o único império fodão em seu tempo. Mas ainda assim mexe com nossa imaginação. Por isso, cada descoberta no Egito é divulgada com pompa, como foi o caso das 110 tumbas localizadas no Delta do Nilo, contendo os restos mortais de adultos e crianças que datam de cerca de 5.000 anos. Continuar lendo “Antigos mortos contam histórias antes do Egito ser o Egito”

O modelo de ensino tradicional que forjou um império

Quando a gente fala “escola”, imediatamente se pensa em lousa, cadernos, anotações e professor corrigindo tarefa. Bem, não é muito diferente ao longo dos séculos, com alunos escrevendo as tarefas e os professores corrigindo usando TCHARAAAAAAAAAAN tinta vermelha.

Pedagogas chorando copiosamente agora. Continuar lendo “O modelo de ensino tradicional que forjou um império”

Uma Homérica Automação

Estamos investigando a automação, quando surgiu e porque surgiu. Surgiu porque somos preguiçosos, mas, mais do que isso, ela se disseminou em muitas obras e algumas delas eram apenas narrativas heróicas, Antes de enveredar para isso, entretanto, primeiro de tudo, precisamos saber que diabos é isso de automação.

Continuar lendo “Uma Homérica Automação”

5 descobertas magníficas da Arqueologia

arqueologo

Arqueologia é uma ciência fascinante. Ela nos conta sobre nossos antepassados e nos ensina como eles viam o mundo de sua época. Muitas das descobertas mudou muito nossas concepções sobre os Antigos, seus modos de vida, suas cidades e a forma como tocavam seus interesses.

Algumas das descobertas são impressionantes e resolvi fazer uma lista, mas não apenas das pirâmides, esfinge etc. Ainda assim, claro, tem Egito no meio. Essas são 5 descobertas magníficas da Arqueologia.

Continuar lendo “5 descobertas magníficas da Arqueologia”

A longínqua voz perdida do sacerdote que pode ser ouvida hoje

Sabeis vós, ó Príncipe, que aqui, que vos se apresenta, é a última morada de Natsif-Amon, o Sacerdote. Culto que era, este Portador do Incenso descansa depois de uma vida inteira dedicada aos seus ancestrais como nobre e escriba, desempenhando funções importantes no reino. Hoje, Alteza, ele repousa aqui, que gerações futuras e incultas chamarão de “Karnak”. Sim, meu príncipe, eu tenho o dom de ver o futuro, assim como o passado dos antigos reinos que lhe antecederam. Vós, que sois um Ptolomaico, sabe da importância de resguardar a nossa História.

Escutai, ó Príncipe, as vozes que emanam daqui. As vozes surdas que murmuram nossas conquistas, nossas realizações, nossas proezas e riquezas jamais vistas. Escutai a voz de Natsif-Amon, o Sacerdote. A voz que que será ouvida daqui a séculos, levando a mensagem de nossa grandeza, ó Príncipe!

Continuar lendo “A longínqua voz perdida do sacerdote que pode ser ouvida hoje”

O brilhantismo prateado de uma taça romana

Os antigos artesãos eram hábeis e faziam maravilhas, mesmo sendo vistos hoje com cara de “Ué?”. As ferramentas eram limitadas, então, contavam com a sua genialidade. Muitos dos processos ainda são usados hoje, mas com ferramentas modernas.

Este vídeo mostra como uma taça romana de 2 mil anos foi feita, mesmo conservando ainda hoje sua beleza.

Continuar lendo “O brilhantismo prateado de uma taça romana”

Pau velho inglês mostra os segredos dos antigos fazedores de barcos

Eu gosto de coisa velha (não a ponto de querer algum enlace carnal com yo momma, pois não vamos exagerar). Imaginem que descobriram um incrível barco de madeira muito, mas muito, mas muito antigo. Imaginem que esta madeira tem cerca de 8 mil anos, e este barco não era nada pequeno. Pensaram? Imaginem que maravilhoso e que histórias ele teria para contar. Seria mágico e se bobear, parte da história mitológica de alguma religião.

Não, não ESTE barco. Estou falando de uma embarcação encontrada na Ilha de Wight, que fica a sul de Southampton e a leste de Yarmouth, Inglaterra.

Continuar lendo “Pau velho inglês mostra os segredos dos antigos fazedores de barcos”

O último suspiro de Júlio César e a fabulosa ruína onde ocorreu

Et tu, Brute?” Esta infame frase foi a última coisa que Caio Júlio César teria proferido a Marco Bruto, quando este lhe passou o rodo, digo, a faca. Mas não, César efetivamente não disse isso. Esta frase é famosa, mas quem pôs na boca de César (isso soou esquisito) foi Shakespeare, na peça Júlio César, ato III, cena 2. O mais provável que César deva ter dito é “AOUCH!!!” ou, o que eu mais gosto (se Shakespeare pode inventar, eu também posso) é “AI, PORRA!” <vira-se> “Brutus seu…” <outras facadas>. Ah, sim. O historiador Suetônio disse que testemunhas afirmaram que as últimas palavras de César, proferidas em grego, foram “Até você, criança?”,e foi daí que Shakespeare tirou a sua frase, mas o mesmo Suetônio não deu crédito a isso.

O local onde Júlio César recebeu a visita de Leto, a personificação da Morte, é um ponto turístico e, ironicamente, foi graças a Mussolini que mandou resgatar geral e desenterrar a Antiga Roma, afastando todas as modernidades para um canto. Não, o líder fascista não tinha amor pela História, nem venerava a cultura dos antepassados. Ele era apenas um pulha que queria amarrar o antigo Império Romano ao seu governo, praticamente se posando como César (lembrando que larga maioria deles não teve um final muito legal, o mesmo acontecendo com o Duce).

Continuar lendo “O último suspiro de Júlio César e a fabulosa ruína onde ocorreu”

Descobertas evidências mais antigas do uso de animais de tração

A primeira das grandes inovações tecnológicas foi a roda. Sem a roda, não teríamos saído do lugar, pouco nos aventurando pelas cercanias. Uma coisa é você sair pra dar um rolé. Outra é ter que ir buscar coisas e como todos os homens sabemos, o lance é fazer uma viagem só de ida e volta. A domesticação do gado foi crucial para isso. Não só para as deliciosas vaquinhas nos darem leite pra fazer manteiga como a maravilhosa picanha nossa de cada dia, mas também para o gado bovino servir como animal de tração.

Os egípcios, há uns 4000 anos, já usavam animais de tração, o que não significa muito já que a estimativa de início do uso de força animal estava sendo estipulada como sendo em torno de 6 mil anos, mas parece que não é bem assim, pois pesquisadores encontraram vestígios mais antigos.

Continuar lendo “Descobertas evidências mais antigas do uso de animais de tração”