A vida no interior das células

The Inner Life of a Cell (A vida interior de uma célula) é uma animação de três minutos criada pelos estudantes de biologia da Universidade Harvard, usando os softwares Newtek Lightwave 3D e o Adobe After Effects. Não é o que se pode chamar de uma obra capaz de concorrer a um Oscar com filmes de animação como os que são produzidos pela Pixar ou a Dreamworks, se bem que, ao meu ver, ganha em disparado deles. Vejam o filme e depois me digam se eu não tenho razão.

A animação foi criada pela XVIVO, uma empresa de animação científica, estabelecida em Connecticut. A animação ilustra os mecanismos moleculares que são invisíveis aos nossos pobres e limitados olhos, bem como todos os processos que acionam tais mecanismos, como na atuação dos glóbulos brancos.

Este foi o primeiro de uma série de animações planejada para o Departamento de Biologia Molecular da Universidade de Harvard. “The Inner Life of a Cell” mostra uma riqueza de detalhes que os livros didáticos não são capazes de mostrar em sua plenitude e é fantástico que tenham tido esta magnífica idéia para produzir tamanha beleza, além de instrutiva, onde podemos ver um glóbulo branco responder a um estímulo externo para entrar em ação. Esta animação explora os diferentes ambientes celulares em que essas comunicações têm lugar.

“Fiquei impressionado com a capacidade da equipe XVIVO em transformar toda a informação estrutural e as sequências muito detalhadas dos eventos moleculares que eu montei em um story-board em uma agradável obra de arte visual. Isto foi possível porque a equipe da XVIVO combina talentos artísticos com uma boa compreensão da biologia”, disse o Dr. Alain Viel, Diretor Associado de Pesquisa e Graduação da Universidade de Harvard.

A versão de três minutos desse vídeo ganhou vários prêmios de animação, onde a Ciência mostra-se uma verdadeira obra de arte na mão de pessoas talentosas, sob a orientação de mentes capazes de entender o invisível, de escutar o inaudível e sentir coisas que nenhuma religião seria capaz de traduzir. Não é necessário acreditar que alguma “mão misteriosa” teve algo a ver com isso para apreciar estas imagens e entender seu significado. A beleza disso está no fato de que nada disso foi feito para ser visto, porque os mecanismos naturais não existem para apreciarmos. Se nós apreciamos, foi porque ao longo de nossa história evolutiva, a arte sempre foi um ponto de encontro e unificação entre os hominídeos primitivos.

Seja uma pintura rupestre, seja uma animação rica em detalhes, que ilustram nossos processos metabólicos, aqui está o perfeito exemplo do que a Ciência pode nos oferecer; e, daqui em diante, estudantes verão por si sós o que acontece no corpo em nível microscópico, aumentando seus conhecimentos e usando-os em prol da humanidade.

A mesma humanidade que começou a registrar eventos biológicos em frias paredes de cavernas muitos milênios antes de nós. A trilha sonora é a música “The Man Who Doesn’t Know Nothing” (o homem que não sabia nada) de Michael Elektrich. Um título muito apropriado, e que você poderá baixar AQUI.

2 comentários em “A vida no interior das células

  1. Se ainda houvesse algum criaburricionista deixando comentários aqui.

    Diria sem pestanejar: As Maravilhas da Criação de Deus….

    Infelizmente, tais OGROS, não postam mais, portanto… não temos mais motivos para dar umas boas risadas…

    Sniff… Sniff.. talvez seja melhor assim heheheheh :)

  2. E eu que estava torcendo pra Pixar ganhar o oscar de animação, agora fiquei na duvida.

    Animação espetacular.

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s