A incrível usina termoquímica de Enceladus

Páscoa da Apropriação Cultural
Desenhando um exoplaneta

Opa, novas informações divulgadas sobre as descobertas da sonda Cassini a respeito do satélite Enceladus e do Hubble a respeito de Europa, o satélite de Júpiter, não o continente. Muitos já estão especulando sobre a possibilidade de haver vida ou, pelo menos, condições capazes de sustentar o surgimento de qualquer ser vivo, ainda que tosco. Serio mesmo que isso foi o que descobriram?

Dica: Não.

Ou sim, se você der uma bela volta nas conclusões, mas o que foi descoberto?

Os pesquisadores da missão Cassini publicaram um artigo no periódico Science mostrando o que foi captado em 2015. Sim, 2015. Primeiro os dados precisam ser coletados, analisados, registrados, carimbados se quiser voar. Depois que se publica, ara não escreverem um monte de besteiras. Em essência o que foi descoberto foram belas quantidades de hidrogênio molecular, ou seja, hidrogênio gasoso como conhecemos, sob a forma de H2.

Claro, esse hidrogênio não apareceu lá porque Jesus quis. A melhor explicação é que há grandes quantidades de água líquida, que sofrendo os efeitos gravitacionais de Saturno, acaba gerando energia hidrotermal, isto é, a água fica bem quente e as moléculas de água se dissociam. Essa energia térmica, especula-se (prestem atenção nessa parte) que seres vivos poderiam usá-la para manter seus sistemas vitais e desenvolvimento. Ter hidrogênio não é prova que tem seres vivos, nem que a atividade hidrotermal proporcionou o aparecimento de vida. O que foi dito é que seres vivos poderiam viver lá. Só isso, nada mais.

Lá também foi encontrado metano, água e nitrogênio. A combinação de tudo isso poderia dar origem ao surgimento de vida, nem que fosse moléculas se replicando. Mas se eu encontrar bauxita em Marte não implica que teremos uma fábrica de alumínio.

Ainda de acordo com os pesquisadores, a presença de hidrogênio é importante, pois seres vivos poderiam usá-lo para obter energia, combinando o hidrogênio com dióxido de carbono dissolvido na água. Foi assim na Terra. Eu penso que seria legal soltarmos umas bactérias lá para ver no que dá. Uma pena que nossa longevidade é limitada para nos arrependermos disso, pois poderia carretar no Alien ou, pior ainda, comentaristas de YouTube.

Acho que mais importante do que esperar que tenha vida lá ou que possa ser possível ter vida lá é entender a complexa dinâmica planetária, mesmo num mundo que mais parecia ser Hoth, estranho, desolado e frio, quando possui uma verdadeira usina termoquímica em seu interior.

Páscoa da Apropriação Cultural
Desenhando um exoplaneta

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • cloverfield

    ATENÇÃO: O que você vai ler é a opinão imbecil de alguém que não entende bulhufas de bioquímica.

    Se houver vida em Encéladus, o leque de possibilidades de encontrar em outros lugares fica imenso.

    Imagino que nesse cenário podemos imaginar que é mais fácil achar vida simples por todos os cantos do universo, que seria limitada pelo ambiente em que elas vivem… já vida mais evoluida e inteligente seria extremamente rara.

    Pryderi respondeu:

    Perfeito. e mesmo vida simples é algo muito difícil.

    cloverfield respondeu:

    A grande beleza da vida é exatamente a raridade.
    Sonho com o dia em que nós vamos descobrir que não estamos sós na vastidão do universo.

  • Pergunta de um completo e total ignorante em química. Lá vai: Temperatura muito alta pode fazer a água se dissociar em hidrogênio e oxigênio?

    Pryderi respondeu:

    É o que está no texto