Altos índices de amoníaco jogado no ambiente afeta ciclo do nitrogênio

Alimentar milhões e milhões de pessoas não é fácil. Claro, vocês pensam que é um caso simplesmente de plantar mais umas alface, umas couve, uns tomatinhos na faixa. É compreensível, ainda mais vindo de gente que mora em apartamentinho e nunca plantou um feijãozinho no algodão molhado. Agricultura é bem mais complicado que isso, ainda mais levando em conta que qualquer atividade humana gera impacto ambiental.

Agricultura em larga escala não é brincadeira de criança e estamos falando não só de defensivos agrícolas, mas de adubos, também, pois caso você não tenha entendido: suas perdas terão que ser mínimas, ou o tomate chegará a ser mais caro que os insanos preços que vemos hoje em dia. E essa adubação cobra um preço caro, pois não existe agricultura grátis.

Yi Li é doutorando da Universidade do Arizona, mas não tem página própria. Ele estuda a quantas andam o impacto de amônia no ciclo do nitrogênio do meio ambiente. Para tanto, ele trabalha em conjunto com o dr. Jeffrey Collett, professor e chefe do Departamento de Ciências Atmosféricas da Universidade Estadual do Colorado, e mais o pessoal da Agência de Proteção Ambiental.

Yi Li sabe que é sempre bom ter um químico perto de si, e o dr. Collett é engenheiro químico (com ele a oração e a paz), com doutorado em Engenharia Ambiental. Diferente das pessoas comuns, um químico que se preze sabe que tudo é química, e todos os compostos lançados no ambiente reagirão de alguma forma, qualquer hora dessas. Isso vale também para compostos amoniacais, os quais também afetam o ambiente, principalmente o ciclo do nitrogênio

Se você matou as aulas de Química, compostos amoniacais são derivados da amônia (NH3), que é um gás que, em solução aquosa, forma o hidróxido de amônia (NH4OH). Sais amoníacos são sais obtidos neutralizando este hidróxido de amônio, e um dos principais sais usados como fertilizantes era o nitrato de amônio (NH4NO3), que fornecia uma bela carga de nitrogênio para a plantinha crescer feliz.

Naturalmente, a Natureza tem o ciclo do nitrogênio, em que animais e plantas morrem e o nitrogênio de suas proteínas acaba voltando para o solo, com o qual a plantinha vai se alimentar, crescer feliz e servir de alimento para herbívoros, que usará este nitrogênio, em que alguns desses herbívoros alimentarão carnívoros e onívoros (nós, inclusive), expelindo de volta parte desse nitrogênio sob a forma de excreta, seja urina ou fezes ou nós mesmos depois que morrermos.

Mas precisamos de jogar mais nitrogênio no solo por causa de processos de adubação. Não apenas isso, ainda temos processos industriais. Apesar de nitrogênio ser um gás inerte, devemos lembrar que não existe impacto zero. Não vai apenas nitrogênio (o gás) para a atmosfera, e sim compostos nitrogenados. Isso acaba afetando o solo, acidificando-o, óxidos nitrogenados indo para a atmosfera e oceanos… estamos rodeados de nitrogênio e nas piores formas possíveis dele.

A bem da verdade, só a forma de molécula diatômica de nitrogênio, enquanto substância simples, é inerte. O restante é uma forma da Química mandar tudo para as favas,e  a culpa é sua, do seu modo de vida e da sua dieta. Se você continuasse como um ridículo caçador coletor, com a bunda suja e expectativa de vida de uns 20 anos, nada disso teria acontecido. Tudo culpa sua!

Collett e seus serviçais analisaram dados e perceberam uma mudança lenta, mas definitiva, da deposição de nitrogênio reativo da atmosfera para a biosfera, e isso continua a causar sérios impactos nos ecossistemas.

Estamos acostumados a ficarmos preocupados com a liberação de gases de efeito estufa, mas esquecem que óxidos de nitrogênio oriundos principalmente da queima de combustíveis fósseis são tão danosos quanto CO2, metano e enxofre. Claro, é lindo nós querermos que isso pare, mas ir a pé para o trabalho nem sempre é uma alternativa e não, bicicleta para mim é extremamente impraticável, como para 99% da população. A verdade é essa. Se não for de carro e/ou moto, irão de busão, mesmo. Metrô sequer passa próximo da minha casa e do meu local de trabalho. restou-me carro ou ônibus.

E lembrando que em muitos países a geração de energia elétrica é por meio de usinas termelétricas. Seu carrinho elétrico 100% ecológico está matando pandinhas da Amazônia mesmo assim.

Derivados de amônia combinam-se com coisinhas lindas suspensas na atmosfera, como óxidos ácidos (ninguém mandou não prestar atenção nas aulas de Química do Ensino Médio), e sabemos que uma base mais um óxido ácido dá um sal, e, nesse caso, teremos nitratos, cloretos e sulfatos de amônio. Acredite, nada disso é muito legal se arrastado pelas chuvas, fazendo o equilíbrio químico nos solos irem para a vala, pois de nada engenheiros dimensionarem quanto nitrogênio vai pro solo, se com uma chuva joga-se mais ainda nitrogênio, desbalanceando quimicamente tudo ali.

O estudo foi publicado no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences e é um alerta para quando você se achar o binzão e disser “Eu odeio Química, Química é coisa de maluco”. Não se preocupe, você pode odiá-la o quanto quiser. Ela ainda estará lá para melhorar a sua vida ou ferrá-la de vez.

A escolha é toda sua.

2 comentários em “Altos índices de amoníaco jogado no ambiente afeta ciclo do nitrogênio

  1. “Apesar de nitrogênio ser um gás inerte.”

    O gás nitrogênio não reage com nenhuma outra substância em condições diferentes de temperatura, pressão, etc?

    “Não vai apenas nitrogênio (o gás) para a atmosfera, e sim compostos nitrogenados.”

    Quais compostos nitrogenados?

    “perceberam uma mudança lenta, mas definitiva, da deposição de nitrogênio reativo da atmosfera para a biosfera.”

    Por que o nitrogênio reativo que é depositado na biosfera não pode voltar para a atmosfera?

    “e sabemos que uma base mais um óxido ácido dá um sal.”

    Uma substância básica que reage com um óxido ácido em condições diferentes de temperatura, pressão, etc, sempre resulta em um sal?

Deixe uma resposta para Bueno Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s