As estrelas pintadas por um astro

Vincent van Gogh era um gênio, apesar das pessoas se lembrarem mais dele em seus períodos de surto, cortando nacos de sua orelha por causa de uma discussão com o neurastênico do Gauguin. Como aconteceu com a maioria dos grandes gênios, ele só foi reconhecido depois de morto. Seu irmão Théo foi quem, por pena, comprava as obras do holandês maníaco-depressivo. Van Gogh, entretanto, via o mundo à sua volta e um dos maiores nomes do impressionismo deixou sua marca através de longínquas fornalhas nucleares, cujo brilho frio chegava até aqui após de milhares de anos viajando pela frio espaço interestelar.

A astronomia forense estuda a mínima expressão artística que envolva estrelas, planetas e outros corpos celestes. É graças a ela que sabemos o que Vincent van Gogh estava pintando. Na obra "A noite estrelada sobre o Ródano" (pintada em 1888), podemos ver nitidamente a constelação da Ursa Maior

Van Gogh adorava Astronomia. Lia assiduamente a revista editada pelo famoso astrônomo Camille Flammarion. Era na ciência que estuda os astros que Van Gogh tomou inspiração para muitas de suas obras. O gênio incompreendido nos deu várias outras obras, entre elas "A Noite Estrelada", a obra mais conhecida do pintor desorelhado.

Que céu é esse? Isso veio da inspiração do artista? Criação do seu processo imaginativo? Ou será que o Holandês cujo pincel voava sobre a tela pintou realmente o que viu? Quem poderá responder isso?

SPECTREMAN!

A CIÊNCIA!

Donald Olson é astrofísico da Universidade Estadual do Texas. Ele tem o hábito de investigar obras de arte do ponto de vista científico, extraindo informações. Usando softwares de modelagem astronômica, e baseando-se nas correspondências com seu irmão, onde o o Holandês Pintor diz ao seu irmão que havia terminado o Noite Estrelada. A data era 19 de junho de 1889. De acordo com a pesquisa de Olson, o software astronômico apontou que na região de Saint-Rémy-de-Provence, lá pelo dia 25 de maio daquele ano, às 4h40m, o céu apresentava-se bem semelhante ao da pintura.

Um outro excelente exemplo é a obra "Casa Branca à Noite", com uma distinta e refulgente estrela brilhante no céu noturno. Seríamos capaz de dizer que estrela era aquela? Sim, seríamos.

Mais uma vez, a pista é a correspondência entre Van Gogh e seu irmão. Gogh diz numa carta de 17 de junho de 1890. Quando Olson consultou o serviço de meteorologia, soube que nos dias anteriores a 17 de junho de 1890 choveu que só uma desgraça. Exceto no dia 16. Entrando com os dados, o programa chapou logo na cara de todo mundo: Vênus, o planeta em eterno TPM.

Talvez você ache que a Estrela D’Alva, a primeira estrela do anoitecer, não brilha tanto assim, mas devemos lembrar que a estúpida poluição luminosa nos impede de ver até a Via Láctea, quanto mais o brilho total que é refletido pela venenosíssima atmosfera do mais quente dos planetas do Sistema Solar.

Mas há algo que eu preciso dizer. Por que eu escolhi este tema para falar hoje? Por causa de uma imagem que eu vi. Uma reconstrução mais "realista" do céu que Vincent Van Gogh provavelmente viu quando estava pintando Noite Estrelada:

É muito bonito. Esta maravilha foi criada por Alex Ruiz. Ele é um ilustrado que pega muitos temas para desenvolver trabalhos paralelos. Neste acima, ele homenageia Van Gogh. Vemos Vincent parado, em frente à tela, contemplando o céu noturno, que dentro de algum tempo seria imortalizado, como o próprio Vincent Van Gogh.

Van Gogh morreu cedo, como vários de sua época. Aos 37 anos, o Holandês cujo pincel Voava fechou os olhos para um mundo que havia fechado os olhos para seu trabalho. Triste, abandonado, mas não totalmente esquecido. Quando um astrônomo pega várias e várias fotos tiradas pelo telescópio espacial Hubble e recria um quadro seu, você pode sorrir placidamente na imensidão inaudível do Universo. O que antes era um homem, um artista, um gênio, agora são átomos espalhados pelo planeta Terra, e parte deles voltaram até o Espaço, de onde vieram um dia.

Das estrelas às estrelas, dos átomos aos átomos.

2 comentários em “As estrelas pintadas por um astro

  1. “Das estrelas às estrelas, dos átomos aos átomos.”

    Estes dias estive em Jericoacoara e lembrei de algum artigo seu ou do Cardoso e no terraço de uma pousada me deitei e tentei filtrar com as mãos a poluição visual das luzes da noite por uns 5 minutos, junto com minhas filhas, que ficaram encantadas. Claro, sei que isso é precário, que o ideal seria estar em um observatório e com equipamento para isso.

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s