Museus de Viena abrem conta no Onlyfans para você ver nudes

Todo mundo sabe que Internet is for porn. Alguns provedores de conteúdo fingem que não é assim, ainda mais os de redes sociais, vivendo um misto de carolice com buscas de ganhar dinheiro, mas sem querer desagradar todo mundo. Isso leva a situações engraçadas e trágicas quando redes como Instagram e Facebook banem contas que colocam fotos explícitas, como a que abre este artigo.

Sim, obras de arte como esculturas e pinturas. O que se faz, então? Ora, parte-se pra repositório de peladezas, ué: o Onlyfans.

Continuar lendo “Museus de Viena abrem conta no Onlyfans para você ver nudes”

Os magníficos modelos anatômicos de marfim

O marfim é um maravilhoso, lindo e fantástico material para se fazer obras de arte e joias. O problema dele: é obtido por meio de presas de elefantes, dentes de hipopótamos e dentes de narvais (aquilo que parece um unicórnio, é um dente). Ele foi o responsável por mandar muitas espécies – principalmente de elefantes – à extinção, e seu comércio é atualmente proibido, salvo para obras de artes antigas, o que abre um precedente pra vagabundo deitar e se esbaldar. No caso do Brasil, em 2017, a Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços aprovou o substitutivo ao Projeto de Lei 7332/17, que proíbe qualquer forma de comércio ou transporte de marfim e de queratina existente nos chifres de animais em extinção. Recebeu parecer favorável e a lei está na dança das cadeiras esperando o que vão decidir, já que está aguardando designação de relator na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

O marfim era usado para uma miríade de peças magníficas, mas não falarei delas de um modo geral e sim de um caso particular. Imaginem que se encomendava peças anatômicas detalhadas feitas de marfim. Mas quando eu falo “detalhadas” eram detalhadas MESMO, com direito a órgãos internos e até bebês no útero da mãe. Continuar lendo “Os magníficos modelos anatômicos de marfim”

Racistas miseráveis pressionam para apagar conquista de mulher negra

Anteontem eu postei sobre o quebra-quebra geral, em que um bando de idiotas – que os russos chamariam de nekulturnyi – resolveram destruir monumentos históricos para apagar o passado. O tipo de coisa que o pior dos racistas daria graças a Deus, de forma que ninguém se lembraria mais das merdas que ele fez. Eu até sugeri alguns monumentos, por sinal. Hoje, chega a notícia que a HBO Max removeu do seu catálogo o filme “E o Vento Levou…”, por motivos que ele tem negros escravos e isso é errado, pois parece que negros são estereotipados como escravos num filme que se passa na Guerra de Secessão.

Continuar lendo “Racistas miseráveis pressionam para apagar conquista de mulher negra”

As Cores do Império Mugal

Império Mugal foi um Estado existente entre 1526 e 1857, que chegou a dominar quase todo o subcontinente indiano. A designação “mugal” parece ter sido apenas atribuída durante o século XIX e deriva de mongol, denotando a ascendência direta de Gengis Khan de seu fundador, Babur.

Sua arte é fina e fui muito apreciada por nomes com  Rembrandt, que se baseou nas cores e trabalhos dos artistas do referido império, cuja técnica ele reproduziu em seus próprios trabalhos. Mas, como eram as cores do império Mugal? Como era a sua arte, em detalhes?

Continuar lendo “As Cores do Império Mugal”

Como eram feitos os daguerreótipos

Você curte a sua máquina fotográfica atual ou usa o celular para registrar fotos. Hoje é na base do clica e tá pronto, mas antes era muito mais trabalhoso. O processo de daguerreotipia era trabalhoso e pros padrões atuais o resultado era péssimo, mas era o que se tinha na época e virou uma febre.

Daguerreótipos foram a forma que nossos tatatataravós encontraram para registrar a si mesmos e seus entes queridos, e só o esforço e trabalheira para preparar eram pensados para registrar momentos muito especiais.

Continuar lendo “Como eram feitos os daguerreótipos”

Uma brilhante história sobre os óculos

Acabei de me sentar para escrever. Bem, eu não conseguia ler direito o que aparecia na tela. Tive que pegar meus óculos, pois, eu fui premiado com miopia, hipermetropia e astigmatismo, já que meus olhos são fruto de um maravilhoso design de um projetista inteligente. Esses meus óculos são ótimos e eu os adoro. Suas lentes de resina inquebrável ficam escuros mediante presença de radiação ultravioleta, e sua camada anti-reflexiva ajuda a não ver a minha cara refletida na face interior da lente, o que dificultaria ver algo em ambientes claros. A armação é leve, com hastes bem firmes e resistentes (ainda não comprei uma armação de titânio, mas esta quebra bem o galho). Entretanto, o que eu tenho empoleirado sobre meu nariz funciona da mesma maneira que os óculos que meu pai usa, que meus avós usavam, que os anteriores a eles usavam. Que muitos dos antigos usavam.

Ajeitem suas lentes de leitura, para mais um Livro dos Porquês, que envolverá muita História e sobre assuntos que você não faz ideia que possam estar relacionados (e talvez nem estejam, mas aqui a vontade e o pensamento é o poder. Estou acordando suas mentes para o grande saber!)


ÍNDICE


Santander irrita o mundo com uma exposição, pois Deus não tá nem aí

O Brasil é um excelente lugar. Um lugar em que há respeito mútuo, liberdade individual e de expressão. O Brasil é formado pelo respeito às diferenças e oferece total liberdade de credo e pensamento. O Brasil é realmente muito bom… ou seria, já que tem um sério problema: brasileiros. Sim, brasileiros; aqueles que acham que têm direitos, mas não deveres, que exigem liberdade e tolerância para com suas opiniões e crenças, mas é incapaz de respeitar qualquer um que não siga suas convicções.

Agora, o problema está com a exposição do Santander Cultural, com o pessoal reclamando q1ue o banco está promovendo homossexualidade, zoofilia, pedofilia e que coloquem purê em cachorro quente. Eu acho que é uma abominação perante os olhos do senhor cachorro quente com purê, mas quem sou eu para mandar no gosto (ou mau-gosto) dos outros? Continuar lendo “Santander irrita o mundo com uma exposição, pois Deus não tá nem aí”

A Arte na Astrofísica

Astrônomos, astrofísicos e outros cientistas não têm o glamour que acham que tem. Foi-se muito o tempo que ficava-se olhando por uma lente os confins do Espaço. Hoje as observações são por meios de sinais, informações em forma de letras e números, gráficos e beeps. Transformar isso em informação visual, principalmente na hora da divulgação científica, é uma tarefa inglória.

Mas assim como Galileu desenhou o que viu e publicou para que as pessoas participassem de suas descobertas, a astrofísica também tem artistas, que além de ter formação em carreira científica, são bons em representar mundos, galáxias e todas as maravilhas do que tem lá fora, mas que nós não podemos ver

Continuar lendo “A Arte na Astrofísica”

As pinturas antigas que apresentam uma cor azul mais antiga ainda

Um dos grandes problemas na produção de corantes é que eles são muito difíceis de se obter. Antes de Perkin (algum dia teremos artigo sobre ele), os corantes eram produzidos praticamente por processo artesanal, valendo-se de produtos naturais. Antes dos corantes sintéticos, valia-se de raízes, frutos, solo e animais para se obter cores, e elas não eram em tão grande variedade. Para os artistas trabalharem, era uma dor de cabeça já na Renascença, agora imagine na Antiguidade!

Ao examinar antigos quadros, especialistas deram de cara com algo inusitado: o azul egípcio. Uma tonalidade de cor que os romanos usavam para controlar os tons de seus quadros e murais. Mas como assim azul egípcio?

Continuar lendo “As pinturas antigas que apresentam uma cor azul mais antiga ainda”

Secadores de cabelo + dinâmica de fluidos = CIÊNCIA! (e arte)

Passaram muito tempo me perguntando como aviões conseguiam voar. Todo mundo achava que era por causa das asas (o que é certo) somados ao princípio de Bernoulli (o que é meio certo). Descrevi o processo AQUI. Aviões voam por pura maravilha, mas não sou especialista neles. Lito, do Aviões e Músicas entende um tantão mais que eu. Aliás, sugiro até o canal dele no Tubo (ele prometeu me dar um 747 de segunda mão se chegar aos 100 mil inscritos).

O ar, este fluido maravilhoso pode fazer muito, como manter um concorde voando ou simplesmente nos manter vivos. Mas com o ar, alguns secadores e criatividade, podemos ver como fluidos funcionam e como podemos fazer arte, que sempre traz um pouco de ciência junto.

Continuar lendo “Secadores de cabelo + dinâmica de fluidos = CIÊNCIA! (e arte)”