Almas puras acham que podem convencer o Governo que pseudociências são feias e não devem estar no SUS

Como NÃO ameaçar um descrente
Pesquisadoras concordam com suas tias e mostram que maternidade é mais importante que produção científica

Eu gosto de ver certas almas puras. Elas acham que podem dar as mãos, cantar musiquinha lindinha e <PLINK> tudo fica maravilhoso. Ai-Ai! Aí, o que faz o André? Vem com aquela coisa chata chamada REALIDADE e a esfrega na cara de todo mundo. Imaginem que montaram um Instituto visando combater a pseudociência e fazer com que o SUS pare de ofertar tratamentos “alternativos”, como Toque Terapêutico, dança holística, homeopatia e outras bobagens. É um motivo nobre, uma causa justa e um glorioso tempo perdido. Mas quem sou eu para acabar com o sonho fofo das pessoas?

Eu sou André e estou aqui para fazer você tomar vergonha na puta da cara e ver o mundo como ele é, seu imbecil!

Natalia Pasternak é bióloga com doutorado em genética molecular e pesquisadora associada no Instituto de Ciência Biomédicas da USP. Ela é uma das fundadoras do Instituto Questão de Ciência (IQC), que será lançado nesta quinta-feira, dia 22/11. A ambiciosa meta do ICQ, digo, IQC (o-ho!) será questionar o SUS por ter adotado pseudociências, como florais, aromaterapia, dança circular, reiki e ozonioterapia. Aquilo que eu já noticiei antes. No país que odeia Ciência, isso não impressiona. Sabem o que esse questionamento vai dar? Em nada. Motivo?

O Ministério da Saúde, em 2006, implantou a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC). Em resumo é “não temos como ter médicos e equipamentos para tratar das pessoas. Vamos inventar umas bobagens curandeirísticas e chutar pra frente. Chegaram a questionar em 2011 esse PNPIC, e o parecer do CFM foi (PDF):

Com base em vários pareceres dos Regionais de Medicina (CRM-CE 32/08, CRM-PR 1.874/07, CRM-BA 36/08) e do Conselho Federal de Medicina (CFM 1.499/80, 1.999/12, 2.005/12), a prática da chamada medicina alternativa, sob as mais diferentes denominações, não tem respaldo quer na literatura médica mundial quer na comunidade científica acreditada, não existindo comprovação de sua eficácia/segurança, podendo constituir-se em dano irreparável e permanente para patologias, exigindo pronta e correta intervenção.

A prática da medicina alternativa constitui ilícito penal tipificado no artigo 284 do Código Penal. A proibição de tais práticas tidas como medicina alternativa, que possam ser caracterizadas por exercício ilegal e charlatanismo, foge da alçada dos Conselhos de Medicina, cabendo à Vigilância Sanitária e à Polícia tomar as devidas medidas preconizadas pela lei. (tradução: caguei. Vocês que são brancos que se entendam)

Em resposta ao consulente, tais práticas, com exceção da ACUPUNTURA, especialidade reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina e de acordo com “ato médico stricto sensu”, não são consideradas práticas médicas.

Da mesma forma que a Acupuntura, a pseudociência sem nenhuma comprovação, Homeopatia, a ciência de dar água pura para o paciente, também é especialidade médica reconhecida pelo CFM. Aí, o ICQ, digo, IQC (o-ho!) acha que vai convencer o SUS a não dar atenção a isso porque, por favorzinho? Alguém vai ter muitas decepções.

Um monte de gente está apoiando o ICQ, digo, IQC (o-ho!), como o Drauzio Varella e o Paulo Saldiva, diretor do Instituto de Estudos Avançados da USP, cuja faculdade de Medicina tem um departamento de Homeopatia. Quero ver se ele chega lá na reitoria da USP e fala que isso é pseudociência e tem mais que parar com esta merda. Vai fazer? MAS ÓBVIO QUE NÃO! Mais fácil se juntar ao ICQ, digo, IQC (o-ho!) e dar a impressão que vai mudar alguma coisa. Lamento, mas a verdade é essa.

Ah, sim, o ICQ, digo, IQC (o-ho!) vai ter um Observatório da Pseudociência, um serviço público e gratuito de fact-checking científico, que obviamente ninguém vai acessar. Será tipo uma espécie de E-Farsas piorado, que vai analisar declarações de autoridades, celebridades, figuras públicas, anúncios publicitários e conteúdos jornalísticos. Para que? Nada. É só para dizerem “olha, gente. Isso é mentira, tá?”, num país com gente que acredita que vaconas causam autismo e a Terra é chata feito pizza. Bem, boa sorte. Espero que tudo seja de graça (aham, sim), pois será gato de dinheiro mais inútil que pagar para fazer dança holística para curar sabe Hades o quê.

Não so isso, o ICQ, digo, IQC (o-ho!) ainda pretende fazer o que chamaram de “ativismo institucional”, por meio de manifestações em fóruns públicos (tais como audiências públicas, comissões parlamentares, ações judiciais, etc.) cobrando o respeito à evidência científica em todos os processos públicos ou estatais de tomada de decisão. Provavelmente, vai rolar alguma petição no Avaaz, também.

Boa sorte a todos vocês, manés que acharam isso uma boa ideia, continuando na ignorância que quem redige e aprova leis é o Legislativo (deputados e senadores). E não, eles não vão mudar, pois homeopatia fatura bilhões de dólares no mundo tudo e ninguém quer desagradar a população ignorante, pois isso seria perder votos. E não esqueçam: Brasil dá comendas para rezadeiras. Continuem achando que mudarão algo.


Fonte: O Globo

Como NÃO ameaçar um descrente
Pesquisadoras concordam com suas tias e mostram que maternidade é mais importante que produção científica

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας