Historiadora descobre que brasileiro inventou a Matemática

Homo erectus foi pra vala por ser preguiçoso, disse pesquisador (palavras dele)
Empresa espertona inventa combustível do nada e engana jornaleiro idiota

Eu já aprendi muito de muito, e todo dia aprendo mais ainda. Gosto de ler, ouvir rádio (é um podcast que funciona offline. Pergunte ao seu avô) e assisto TV quando tem algo que preste (faz uns mais 80 anos que não vejo nada, mas beleza). Com o advento da Internet, aprendi muito mais! Uma dessas coisas fantásticas e saber como no século XIII já haviam brasileiros espalhados pelo mundo a fora, espalhando cultura e desenvolvimento, tendo um deles inventado a Matemática.

Como? Você achou isso esquisito, loucura até? Ora, uma historiadora não estaria errada, estaria?

Patrícia Soares é historiadora pela PUC São Paulo, professora da rede pública de ensino, foi professora de história islâmica da Universidade Islâmica do Brasil UNISB em 2002. E escreve às terças-feiras na Carta-Capital, aquela maravilha informativa, com conteúdo incrivelmente maravilhoso, sem o menor maniqueísmo ou que gosta de espalhar mentiras por aí. Carta Capital é o perfeito exemplo de como o jornalismo é atualmente.

No artigo Ciência e religião no islã, Patrícia nos conta de forma tão profunda quanto um pires quebrado como foi a importância da Era de Ouro Árabe na disseminação de cultura, pesquisa e tecnologia. Infelizmente, ela mais se ateve ao que diz o Alcorão naquele modo religioso de contar as coisas, interpretando as suras ao seu bel-prazer, ao invés de falar sobre os livros escritos por eles. Nem todo mundo é André que escreveu Os 1001 anos da esplendorosa ciência islâmica. Isso é para quem pode. Que não pode, fica distorcendo versículo corânico.

Mas no meio do artigo meus olhos brilharam. Fiquei fascinado. Por causa deste trecho aqui:

É, pois é. Descobri que Malba Tahan criou a Matemática. Até então ninguém contava, ninguém media, ninguém fazia nada. O problema é que Malba Tahan é o pseudônimo do professor Júlio César de Melo e Souza. Mas, ainda bem que o texto foi corrigido:

Errata: Este texto originalmente informou que Malba Tahan seria um sábio árabe, quando na verdade trata-se do pseudônimo do escritor brasileiro Júlio César Mello e Souza. O artigo abaixo já foi corrigido.

Que bom saber disso. Vamos ver a correção:

Sim, pois é. Agora ficou explícito que um brasileiro ajudou a dar nome à Matemática. Parabéns Patrícia, parabéns revisores da Carta Capital. Vocês são o máximo, para dizer o mínimo. Mais inteligentes e cultos que vocês, só a merda de um poste.

Uassalã!

Homo erectus foi pra vala por ser preguiçoso, disse pesquisador (palavras dele)
Empresa espertona inventa combustível do nada e engana jornaleiro idiota

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!