Cometa fidamãe quase passa o cerol em todo mundo na Terra há 12 mil anos

Dieta à base de frango cru ligada a paralisia em cães
O ranço contra um carro voador e um Homem das Estrelas

Imagine-se você, num dia qualquer, sem maiores preocupações além de não morrer de fome, doenças ou algum predador da mega-fauna vir te pegar. Bem, a sua sorte é que os dinossauros foram pro saco muitos milhões de anos antes, então, você está lá na sua patética vidinha com expectativa de vida de uns 18 anos, e aos 14 já estava pedindo pra morrer. Você estava pensando onde iria arrumar a próxima raiz com sabor horrível para poder comer, antes que Gronk, aquele fidamãe, roubasse sua comida. De repente, um barulho ensurdecedor! Bolas de fogo cruzam os céus e caem bem longe de você, a terra treme e algum tempo depois vem outro som mais ensurdecedor ainda. Imensas labaredas irrompem, tudo ao seu redor está em chamas… gigantescas chamas. O lance é sair correndo o mais rápido possível, pois hoje Darwin não está de bom humor e vai selecionar geral.

A catástrofe aconteceu há 12 800 anos. O planeta já estava saindo de outra Era Glacial, as calotas polares tinham recuado, daí Ilúvatar resolveu brincar de bilhar cósmico e mandou a bola 7 pra caçapa do canto. Infelizmente, ele era péssimo na sinuca e mandou a bola pra fora da mesa, indo cair aqui na Terra.

Os incêndios tomaram dimensões colossais, o impacto fez poeira e cinzas dominarem a atmosfera, junto com a fumaça do fogo, o qual fazia o Inferno ser mais convidativo. Nada de luz solar e as plantas iam passar maus bocados dali em diante. Em contraste com o incêndio a temperatura global começou a cair de novo, mesmo porque, como dito, o incêndio era local, mas as cinzas, terra e detritos tinham ido bem alto na atmosfera. As correntes oceânicas mudaram totalmente, o que fez o sistema térmico do planeta ir para as cucuias. Esta miniatura de Era do Gelo durou mais de mil anos.

Os seres humanos que haviam nesta época mal escaparam com vida e são eles os nossos tatatatataravós. Parte da megafauna foi exterminada aí, o restante da megafauna foi graciosamente passada desta para melhor com auxílio dos próprios humanos e pouco tempo depois já tinha gente xingando muito no Twitter.

O dr. Adrian Melott é professor emérito de Física, Astronomia e Cosmologia da Universidade do Kansas. Junto com vários pesquisadores, num esforço conjunto, Melott reuniu uma montoeira de dados e informações, análises, vestígios, evidências e estudos sobre o que tem acontecido no planeta Terra, com um passado lindo e calmo, como qualquer projetista inteligente seria capaz de fazer.

Este estudo incrível levou em conta um volume de dados que vai de registros fósseis até marcadores geoquímicos e isotópicos de mais de 170 lugares diferentes, apontando que o grande algoz foi um cometão do mal de quase 100 km de diâmetro, que só não extinguiu de vez a vida no planeta dada a característica dos cometas de não serem inteiramente rocha sólida, mas uma bolona de neve gigantesca, com algum núcleo de rocha, mas nada muito pronunciado. Se fosse um pedregulhão como o que caiu no México e mandou os dinossauros pra vala, não estaríamos aqui para contar esta história.

Seria legal poder ler mais sobre isso, né? Eu também acho. Infelizmente, a publicação saiu pela Journal of Geology, e estão cobrando 10 dólares para você poder ler. Depois reclamam do Sci-Hub

Dieta à base de frango cru ligada a paralisia em cães
O ranço contra um carro voador e um Homem das Estrelas

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!