Sim, até cometas possuem auroras

Todo mundo sabe o que são as auroras boreal e austral. Estes fenômenos são causados quando partículas de alta energia vindas do Sol dão de cara com a nossa atmosfera superior. Claro, como é de se esperar, não é uma exclusividade da Terra, Em outras partes do sistema solar, Júpiter e alguns dos seus satélites

O que ninguém tinha visto até agora é que cometas também podiam ter auroras

Continuar lendo “Sim, até cometas possuem auroras”

O cometa dando marcha ré

O cometa C / 2020 F3 (também chamado de NEOWISE) agora é modinha. Tudo mundo quer falar dele. Óbvio, eu vou na modinha também! O vídeo a seguir detalha o cometa NEOWISE visto da Itália subindo sobre o mar Adriático. Se o bando de retardados que acreditam que a Terra é chata feito pizza e não gira ao redor de nada, deve ser interessante ver o NEOWISE dar marcha ré. Eu sei, eu sei, vão falar que é um vídeo ao contrário. Deixemos estes imbecis com seus retardos.

O vídeo em time-lapse combina mais de 240 imagens tiradas em 30 minutos. O cometa é visto subindo através de um primeiro plano de nuvens noctilucentes brilhantes e ondulantes, e diante de um fundo de estrelas distantes. Podia ter colocado uma musiquinha de fundo, né? Bem, vamos ao vídeo, chiquitito, pero cumplidor.

Continuar lendo “O cometa dando marcha ré”

Cometas rasantes passeando pelo Espaço

Os cometas rasantes Kreutz são uma família de cometas rasantes, caracterizados por órbitas que os colocam extremamente próximos do Sol no periélio. Acredita-se que sejam os fragmentos de um grande cometa que partiu-se vários séculos atrás e tem o nome do astrônomo alemão Heinrich Kreutz, que foi o primeiro a demonstrar que eles eram relacionados.

Alguns destes corpos celestes têm apenas alguns metros, e têm sido observados pela sonda Soho, desde o seu lançamento, em 1995.

Continuar lendo “Cometas rasantes passeando pelo Espaço”

O caso do astrônomo que viu um OVNI, mas era uma nave espacial

Muitos de vocês devem imaginar que grandes descobertas científicas no campo da Astronomia é feita em imensos laboratórios, telescópios avançadíssimos ou com um monte de Zé Mané que nem sabe geografia de Ensino Fundamental e critica a “ciência gringa” enquanto faz o seu trabalho (cof… cof…) com os dados do Hubble. Você estaria certo, exceto pela última parte, mas não é só isso. Alguns astrônomos amadores já descobriram cometas e até uma galáxia. Legal, né? Imagine quando eu disser para você que um astrônomo amador estava de boas fazendo suas observações até que viu um OVNI.

Mas como assim? Bom, se é um objeto, se ele voa (ou “voa”) e não se consegue identificar, é um OVNI, pois não? Era um batedor de Nosso Senhor Ashtar Sheran? Aliens voltando para saber quantas andam as pirâmides? Quidiabéissu?

Continuar lendo “O caso do astrônomo que viu um OVNI, mas era uma nave espacial”

Mude a posição do herói que chega todo ano, fruto de uma chuva de ouro¹

Ó Perseu, filho de Dânae e Zeus, Senhor do Olimpo. Forte e poderoso, valente e destemido. Aquele que enfrentou a górgona chamada Medusa, aquele que brandiu a espada decepando-lhe, sem lhe olhar nos olhos, matando o monstro e cavalgou Pégaso. Ó Perseu, vindo ao mundo graças a uma chuva dourada de Zeus sobre Dânae, que a fecundou e ela condenada foi pelo pai Acrísio. Ó Perseu, guerreiro que as musas cantam, que os poetas declamam, por quem Andrômeda se apaixona. Elevado ao céu foi e de tempos em tempos visita a humanidade!

No último dia 12, veio mais um espetáculo anual. A chuva e meteoros Perseidas. A origem desses meteoros é bem, mas bem longe daqui, na constelação de Perseu, a 1475 anos-luz. Os meteoros que fazem um espetáculo magnífico no céu, formados por pequenos fragmentos de meteoróides expulsos do Cometa Swift-Tuttle e continuam a seguir a órbita deste cometa à medida que se dispersam lentamente.

Continuar lendo “Mude a posição do herói que chega todo ano, fruto de uma chuva de ouro¹”

Cometa fidamãe quase passa o cerol em todo mundo na Terra há 12 mil anos

Imagine-se você, num dia qualquer, sem maiores preocupações além de não morrer de fome, doenças ou algum predador da mega-fauna vir te pegar. Bem, a sua sorte é que os dinossauros foram pro saco muitos milhões de anos antes, então, você está lá na sua patética vidinha com expectativa de vida de uns 18 anos, e aos 14 já estava pedindo pra morrer. Você estava pensando onde iria arrumar a próxima raiz com sabor horrível para poder comer, antes que Gronk, aquele fidamãe, roubasse sua comida. De repente, um barulho ensurdecedor! Bolas de fogo cruzam os céus e caem bem longe de você, a terra treme e algum tempo depois vem outro som mais ensurdecedor ainda. Imensas labaredas irrompem, tudo ao seu redor está em chamas… gigantescas chamas. O lance é sair correndo o mais rápido possível, pois hoje Darwin não está de bom humor e vai selecionar geral.

Continuar lendo “Cometa fidamãe quase passa o cerol em todo mundo na Terra há 12 mil anos”

Grandes Nomes da Ciência: Maria Mitchell

Sons de passos. Um farfalhar de tecido. A senhora entra empertigada, com o torso bem moldado pelo espartilho, com uma blusa branca com babados descendo pela gola, abotoada de acordo comas normas de decoro e um vestido que assentava bem em sua cintura, como era costume de sua época. A audiência em silêncio, o movimento da cabeça faz ondular os cachos brancos que emolduram algo prodigioso. Não a beleza, que outrora tivera, mas o mais importante era o que tinha naquela cabeça.

Amigos, que cabeça essa senhora tem! Os olhos afiados, a fala calma e pausada, com a segurança de quem sabe o que está a falar. Por mais que a sociedade de sua época propusesse coisas absurdas como a incapacidade de mulheres terem em termos intelectuais frente aos homens, todos os homens em sua audiência, e algumas mulheres ficam em silêncio quando esta senhora começa a falar de planetas, órbitas, cometas e toda a sorte de corpos astronômicos.

Esta é a aula da senhora… correção, da doutora Maria Mitchell, a primeira astrônoma profissional dos EUA.

Continuar lendo “Grandes Nomes da Ciência: Maria Mitchell”

De outro mundo, nossa filha acordou, e mandou dizer que está bem

A engenhosidade humana é algo sem precedentes. A mola mestra que nos fez descer de árvores e subir aos Céus. Dane-se o especismo citado pelos vegans. Marmotas não constroem foguetes, sondas ou um velocípede. A única coisa que marmotas fazem de mais extraordinário é comentar no YouTube. A cada dia fazemos feitos notáveis, como mandar uma sonda viajar pelo Espaço sideral por anos a fio, de forma que uma sonda pousasse num cometa feio e sujo, mas brilhante ao seu jeito. Lá, a sonda deixou sua sonda-da-sonda, ou sonda-filha como eu chamo.

Nas frias condições, longe do Sol, nosso amigo Sol, a filha dormiu seu sono de beleza, mas hoje acordou e mandou recado que está viva e bem. Qual pai não ficaria orgulhoso?

Continuar lendo “De outro mundo, nossa filha acordou, e mandou dizer que está bem”

O caso do cometa que tirou um fino de Marte

Em 19 de outubro, um cometa passou riscando a atmosfera de Marte. Sim, Marte tem atmosfera, mesmo que seja ínfima se comparada com a nossa e ridícula se comparada com a de Vênus. O que antes muito mal teríamos notícia, hoje temos muitos dados coletados graças à nossa moderna tecnologia de exploração espacial (que daqui a uns dez anos poderão ser construídas com qualquer kit de Lego).

Continuar lendo “O caso do cometa que tirou um fino de Marte”

Descoberto um cemitério de cometas

Cometas sempre impressionam. Eles não são como planetas, ali, redondinhos (sim, eu sei) e parados (também sei). Aquelas maravilhas caminhantes pelo frio éter interplanetário sempre cativaram as pessoas, apesar de serem bolas de neve sujas, formados por gases, água e poeira, tendo sua cauda formada quando se aproximam do Sol e tudo começa a derreter e ser iluminado.

Vemos os cometas indo e vindo, mas não onde é sua morada final. Nem sabíamos direito onde eles terminavam seus dias, mas um grupo de pesquisadores encontraram um lugarzinho calmo e tranquilo onde finalmente cometas podem descansar em paz… ou quase isso.

Continuar lendo “Descoberto um cemitério de cometas”