Morreu uma guerreira, morreu uma heroína, morreu uma mãe

Boston Dynamics apronta mais uma de suas monstruosidades
Em Balneário Camburiú, tem cego que não se enxerga

Contam os Antigos que no início havia apenas Obatalá, o Senhor dos Céus, e Odudua, a Senhora da Terra. E esses se casaram e dessa união nasceram Aganju, que a ele foi designado ser o orixá dos vulcões e desertos, e Iemanjá, senhora dos mares e oceanos. E conta-se também que Aganju e Iemanjá se casaram, e tiveram um filho, Orungan. Orungan, como em qualquer tragédia, apaixona-se pela própria mãe e, aproveitando a ausência do pai, deitou-se com ela. Desta união, que muitos dirão ser incestuosa, mas orixás não prendem à moral humana, nasceram quinze orixás, e a cada um foi atribuído uma função. Uma orixá recebeu o nome de Oyá, deusa do rio Niger, senhora das tempestades, que com sua alfanje e cauda de animal entra em campo de batalha. E Oyá recebe um título de Xangô, seu amor: Iansã, “Senhora do Céu Rosado”. Oyá é guerreira, Oyá não recua. Oyá não teme o inimigo. Oyá corre para enfrentar o seu destino.

Assim como Oyá, África teve uma guerreira. Salomé Karwah, a guerreira imortal, sobreviveu a tudo, menos a uma simples gravidez.

E tudo começa na África. Bem, tudo mesmo, já que a Humanidade despontou de lá e fez toda a sua migração, dominando todos os cantos do planeta. Mas esta é uma história longa e foquemos essa mulher cuja história eu passei a admirar.

Salomé Karwah nasceu na Libéria. Você não sabe onde é a Libéria. A República da Libéria é uma república presidencialista localizada na África Ocidental que faz fronteira ao norte com a Serra Leoa e Guiné, a leste com a Costa do Marfim e a sul e oeste com o Oceano Atlântico, com uma população menor que a cidade do Rio de Janeiro, tendo cerca de 4.299.944 habitantes, espalhados por 111.369 km2. Sim, eu vi na CIA’s World Fact Book, porque eu mesmo já tinha ouvido falar dessa tristeza de país e não sabia picas sobre ele.

Salomé conheceu a pobreza, a miséria e a devastação de um lugar assolado pelo Ebola, aquela coisinha linda oriunda de um projeto inteligente. Ela perdeu seus pais, irmãos, tias, tios, primos e sobrinha no surto de Ebola que varreu seu país de origem em agosto de 2014. Ela contraiu Ebola enquanto cuidava de seu pai infectado. “Como uma doença de outro planeta”, foi como ela descreveu a dor. Mas Salomé Karwah não só sobreviveu à doença. A Libéria é um daqueles rincões pobres desesperançados que viveu duas guerras civis. Para controlar o que? Eu realmente não sei, mas no jogo pelo poder não se tem esse tipo de noção. É como o Megamente querer dominar o mundo, consegue e não sabe o que fazer em seguida.

Sobrevivendo aos horrores das guerras, Salomé continuou. Ela ajudou vizinhos doentes e voltou para a unidade de tratamento em Monrovia, capital do país;. Salomé era uma sobrevivente em vários campos de batalha, junto com sua irmã, Josephine Manley, e seu noivo, James Harris, com quem se casaria mais tarde.

Decidida a ajudar os outros, em outubro de 2014, Salomé Karwah escreveu no The Guardian sobre suas experiências como sobrevivente e seu trabalho como conselheira de saúde mental em um centro de tratamento de Ebola administrado pelos Médicos Sem Fronteiras fora de Monrovia. Junto com outros profissionais de saúde, Salomé foi agraciada com a capa da Time Magazine com o título de Personalidade do Ano, em 2014, junto com mais três heróis que lutaram contra o vírus Ebola (leiam o artigo que a editora Nancy Gibbs escreveu para justificar a escolha).


Dr Kent Brantly, efermeira Salome Karwa, Foday Gallah, motorista de ambulância e Ella Watson-Stryker, promotora de saúde. Obrigado!

Mas a Guerreira Imortal encontrou seu algoz. Não foi a guerra ou a peste. Foi algo que é tão velho quanto a Humanidade e que fez várias vítimas. Na verdade, foram duas coisas: o parto e a ignorância.

A Libéria tem muitas preocupações, mas parece que saúde pública não é uma delas, principalmente quando se sabe que lá só se gasta cerca de 50 dólares por pessoa para a saúde pública. Você acha que o SUS é ruim? Sim, você tem toda razão. O SUS é ruim, a Libéria é catastrófico. Clínicas rurais são o que mais a população depende, só que não há médicos suficientes e condições higiênicas menos ainda. Remédios? Pode esquecer! Iluminação? Lampião, mesmo, pois não tem eletricidade e nem água encanada. Nem mesmo Sheithan, o Execrável, pensaria em algo pior que isso.

Mães dividem leitos aos pares,e por “leito” entende-se um colchão atirado no chão. Não é o tipo de lugar que uma criança venha ao mundo, mas eu não sou um deus bom e misericordioso para impedir isso. Nada de estetoscópio. Nada de ultra-som. O mais tecnológico que há nesses lugares é um cone pro profissional (nem sempre com formação) como no tempo de nossas bisavós.

Salomé não foi para esse lugar, e sim para um grande hospital, mas dele não saiu viva. Ainda assim, ela somou mais uma à estatística que de cada 28 mulheres que vão dar à luz, uma morre por complicações no parto, mas no caso dela houve mais uns pequenos grandes agravantes: ninguém queria chegar perto.

Salomé deu à luz um menino saudável que recebeu o nome Solomon, em 17 de fevereiro último, e apenas alguns dias depois de dar à luz, Karwah recebeu alta para ir pra casa com seu filho. Isso violou qualquer protocolo, pois o certo era permanecer no hospital por mais sete dias, sendo ambos monitorados para ver se existem complicações. E existiram complicações.

Poucas horas depois de voltar para casa, Salomé Karwah, a guerreira que enfrentou a morte várias vezes, começou a ter uma série de convulsões. Seu marido e sua irmã a levaram de volta ao hospital, mas ninguém a tocava. Sua boca espumava e tinha violentas convulsões. Ninguém da equipe médica quis atender. Eles sabiam que ela era uma sobrevivente do Ebola, e nenhuma daquelas toscas almas quis entrar em contato com seus fluidos. Sequer chegaram perto. Ninguém lhe deu uma injeção sequer ou aspirina. A guerreira imortal, que cuidou de várias pessoas doentes sem questionar quem eram morreu no dia seguinte, dia 21 de fevereiro de 2017, aos 28 anos.

Não há cantos, batuques ou venerações. Ela morreu como muitas outras: sem carinho, sem cuidado, num país falido que existe porque existe, frente a deuses indiferentes às agruras humanas, cuja única desculpa é não existirem.

Salomé Karwah morreu e não ficou moral ou ensinamento. Mais mulheres estão morrendo hoje e pelo mesmo motivo, talvez não tão infame pelo fato dela ter ajudado muitas pessoas sem ter recebido ajuda quando necessitou.

Morreu uma guerreira, morreu uma enfermeira, morreu uma heroína, morreu uma pessoa. Tudo ao mesmo tempo. Tudo será esquecido daqui a um tempo. E nós devemos lamentar por isso.

Enquanto isso, em outro país tosco, povoado por uma população tosca também, as pessoas têm ataques por alguém estar de pano amarrado na cabeça, pois é propriedade africana. Não sei ao certo, mas acho que as liberianas trocariam aquela merda de pano por um copo de água limpa e luz elétrica. Talvez um sistema de saúde um pouco melhor.

Só acho.

Eu trato meus pacientes como se fossem meus filhos. Eu falo com eles sobre minhas próprias experiências. Eu lhes conto a minha história para inspirá-los e deixá-los saber que eles também podem sobreviver
– Salomé Karwah

Descanse em paz, Salomé. A vida não lhe foi grata, mas eu sou pelo tanto de pessoas que você ajudou, pois você mostrou que até mesmo no Inferno há Esperança.


Fonte: Guardian

Boston Dynamics apronta mais uma de suas monstruosidades
Em Balneário Camburiú, tem cego que não se enxerga

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • Julio Cesar Ferranti

    Só uma correção André, Você colocou a data de falecimento como 21 de janeiro de2017.

    Pryderi respondeu:

    Ops

  • Rodolfo da Silva Carvalho

    Texto fantástico!

  • NestorBendo

    Dr., no parágrafo em que o senhor fala do cone, acabou citando ele duas vezes, a segunda de forma estranha.

    No mais, texto impecável.