Rabinos ultra-ortodoxos querem proibir Internet em Israel

Nem todo mundo está preparado para novas tecnologias, como a roda e a escrita por exemplo. Quando é algo um pouco mais recente como liberdade de opinião e possibilidade de externar seus pensamentos, danou-se! Que o digam os rabinos ultra-ortodoxos daquele cantinho empoeirado do mundo chamado Israel, onde os baby-sitters de cabras decidiram que acessar a Internet não é coisa que YHWH permitiria nos áureos tempos de Moisés, e se fosse realmente necessário, José não teria visões, receberia as informações por e-mail.

Isto posto, os perclaros rabinos estão revoltadíssimos com as modernidades do ciberespaço, a fronteira final, e resolveram que a Internet não é Kosher e querem boicotá-la Esta é a 3ª edição da sua SEXTA INSANA.

Rabinos ultra-ortodoxos israelenses não gostaram nada de ver seus seguidores acessando a Internet. Eles afirmam que ela é feia, boba, chata e está cheia de “ódio”, além de levar as pessoas pro mau caminho. Mas apesar dos esforços, o número de israelenses ultra-ortodoxos online cresce com rapidez e os sites se proliferam, conforme notícia trazida pelo O Globo.

Os toscos desocupados andam pra lá e pra cá com cartazes, conclamando as pessoas a não usarem a Internet, além de disponibilizar um número de telefone para que denúncias relacionadas sejam feitas. Uma espécie de 0-800-DENUNCIE-SEU-VIZINHO. Alguns caras de uniforme com relâmpagos prateados na gola estariam orgulhosos.

A única coisa que eu não entendo, é por que cismaram com a Grande Rede. Proliferação de ódio? Separatismo? Eles por um acaso leram o que tem lá na Torah? Ah, mas isso é o deus DELES metendo a porrada nos OUTROS. Obviamente, aquele festival de sandices nunca ocorreu, claro. É apenas uma questão do que o pessoal tocadores de shofar QUERIAM que acontecesse. Bem, não aconteceu, o que demonstra que 1) YHWH cagou e andou pra eles. 2) YHWH é tão real quanto a Mula-Sem-Cabeça.

Israelenses seculares – que possuem neurônios amais e não vivem como na Era do Ferro – se orgulham do fato de o seu país estar na vanguarda da tecnologia de internet. Mas os babacas ortodoxos sempre se esforçaram para formarem uma comunidade à parte, preservando seu ridículo meio atrasado de vida.

“Nós consideramos que ela seja muito perigosa (a internet)”, disse Yitzhak Goldknopf, um rabino ultra-ortodoxo e “educador” em Jerusalém. Um grupo ultra-ortodoxo anunciou a seus seguidores que se eles tiverem internet em casa, um “instrumento de impureza”, seus filhos serão excluídos do sistema educacional do grupo. Afinal, crente de qualquer religião não pode JAMAIS aceitar que você tenha vontade própria. Pensou, já era.

É uma pena que os olhos desses idiotas estejam tão embotados para ver a verdade: A religião judaica ortodoxa está com os dias contados. Os judeus mesmo, como um todo, não são contados na casa dos milhões e sim dos milhares. Em breve, em termos históricos, a religião judaica acabará se tornando apenas uma lembrança e uma linha curiosa na História das Religiões.

Então, senhores rabinos, se eu fosse os senhores, eu aproveitava a Rede pra divulgar seus ridículos pensamentos. Pois, daquio a um tempo, ninguém mais sequer lembrará que vocês existiram um dia.

11 comentários em “Rabinos ultra-ortodoxos querem proibir Internet em Israel

  1. Com notícias assim fico imaginado quando a terra for ameaçada por uma catástrofe em que exumará tudo da face da terra. Por enquanto que muitos vão buscar se salvar viajando para outro planeta em espaço-naves star trek, outros muitos ficaram na terra imaginando ser a volta de javé ou jesus, ou esse tal de YHWH, é que serão salvos da catástrofe. O pior que vai morrer crianças, crianças de colo que nem escolha irão ter. Mas isso vale pra qualquer tipo de catástrofe.

    “Yitzhak Goldknopf” [?]

    Quando eu digo algo engraçado aos meus amigos no msn, eles se expressam desse jeito aí, tipo: sadfsokdfokso doksadgokoksdf …

    Durante esse tempo todo eu não sabia que na verdade eles estavam digitando nomes israelenses. :neutral: O falta de atenção!

    1. Um polonês foi no oftalmologista. O médico manda ele ler o quadro à sua frente:

      – ASFOTLKSOWVSK

      – Muito bom, o senhor conseguiu ler o quadro.

      – Ler o quadro? Mas se eu conheço este cara…

      1. É um probleminha que eu ainda não resolvi, com relação a caracteres especiais. Para isso, eu uso este site que dá a codificação: http://rishida.net/scripts/uniview/conversion.php

        Cole as letras em hebraico no campo “Characters” e clique em “convert”. No campo “Decimal NCRs” estará a codificação. Clique em “Show ASCII” para dar uma limpada e pronto. Veja o exemplo abaixo:

        א בראשית ברא אלהים את השמים ואת הארץ

        1. @André, legal a ferramenta. Pois é, eu não sabia que não interpretaria unicode, senão teria posto como referência decimal direto.
          Algo que faz falta é possibilidade de revisão, como lá no ateusdobrasil.

          1. Estaremos vendo se entramos em contato com a divisão tecno-nerd do Ceticismo.net, afim de suprir esta deficiência.

            Ceticismo.net agradece a sua participação, que é muito importante para nós. ;)

  2. Gostaria de aproveitar o gancho deste artigo para fazer uma sugestão. Tive a oportunidade de assistir na TV a uma reação cristã – especificamente evangélica – à possível aprovação da APL-122, ligada aos direitos dos homossexuais. Refleti um pouco sobre o caso, mas faltou-me uma melhor definição do conteúdo do projeto de lei. Mas, no geral, tive uma forte sensação de que a vindicação evangélica não passava de reacionarismo, um apelo a que a família não perdesse um tanto de seu autoritarismo e dominação. Não conheço o histórico do assunto, e não sei na verdade se já esteve em pauta anteriormente. Se é tema novo, sugiro um artigo a respeito; se for novo, peço alguma indicação de artigo a respeito, se houver.
    Obrigado.

    1. Sinceramente, eu acho exagero leis que defendam homossexuais, pois a própria Constituição protege (HA-HA-HA) as pessoas, dando-lhes liberdades, desde que não se viole leis.

      Em compensação, se há uma lei que proíba qq tipo de discriminação, a coisa resume-se numa única palavra: CUMPRA-SE.

  3. Ironia. Os judeus ultra-ortodoxos são contra a existência do estado de Israel,inclusive estiveram no Irã apoioando o presidente maluco iraniano. Se não reconhece o Estado de Israel como querem que ele proiba alguma coisa?
    Quanto a andar para lá e para cá com cartazes, seria muito mais eficiente fazer a campanha na internet.
    Se ele não acessam a internet como podem saber que ela é isso ou aquilo?

    1. @Milton V., bem, ou muito me engano, ou não existe uma unanimidade entre os judeus ultra-ortodoxos sobre o estado de Israel. Ademais, essa de que estiveram no Irã não me parece plausível a primeira vista, se pudesse indicar onde leu tal notícia me seria interessante.

      Sobre essa de quererem proibir a internet, isso não é assim tão assustador para quem tem parentes em uma “Deus é Amor” da vida, que proíbe as mulheres de se depilarem, e dizem que a TV é coisa do demônio.

      É por isso que eu prefiro ir para o inferno. :twisted: Lá estarão as mulheres depiladas, e teremos TV e internet para nos ocupar pela eternidade.

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s