Sudanesas são chicoteadas por usarem calças

Olá, senhoras e senhores. É uma satisfação tê-los aqui novamente. Eu sou André, seu anfitrião (não, não sou aquele Anfitrião). Hoje é sexta-feira e, como não podíamos falhar com nossos visitantes, é dia de examinarmos mais uma das loucuras do mundo religioso. Com vocês: SEXTA INSANA!

A loucura religiosa de hoje vem Sudão, um lugar onde Judas não perdeu as botas, porque já tava até descalço (consegue ser mais longe que Ipuaçu). Um lugar aprazível, vivendo sob uma ditadura não muito aprazível, sob as ordens de Omar Hassan al-Bashir. Um lugar maravilhoso, vivendo sob uma teocracia tosca e ridícula, como é característica de todas as teocracias, principalmente as que vivem sob a Sharia – o código de leis islâmicas. Esta aberração infelizmente ativa no século XXI foi responsável por condenar um grupo de mulheres a receber chicotadas. Motivo: Elas andaram de calças em público.

A ridícula lei dos Camelinhos de Alá condenou um grupo de mulheres sudanesas a serem presas e receber chicotadas como punição por usar calças em público na capital, Cartum, segundo a jornalista Lubna Ahmed al-Hussein (na foto), que por sinal foi presa junto com o grupo.

Al-Hussein afirmou que foi condenada a 40 chicotadas, após ter sido detida junto com outras 12 mulheres que usavam calças e blusas num restaurante da cidade; segundo a jornalista, em notícia veiculada pela BBC Brasil, várias mulheres do grupo admitiram serem culpadas da acusação de se vestir “de forma indecente” e receberam dez chicotadas imediatamente; mesmo porque, sabiam que se declarassem inocentes, seriam consideradas culpadas de qualquer forma e levariam 40 chibatadas ao invés de 10. Porrada por porrada, melhor levar menos.

O sudão é uma republiqueta vagabunda e sanguinária, comandada por um psicótico com mandado de prisão expedido pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) da ONU contra ele. Bashir foi acusado de crimes de guerra e crimes contra a humanidade na região de Darfur, no oeste do Sudão, na primeira ordem de prisão contra um governante em exercício que a corte emitiu desde que foi criada, em 2002. Isso mostra o tipo de sujeito que ele é, além de mostrar que um paizinho mequetrefe que tem um ditador mais mequetrefe ainda não podia ser algo que se deva esperar por decência em termos de Direitos humanos.

A jornalista ainda afirmou que um grupo de entre 20 e 30 policiais entrou de repente em um dos restaurantes mais populares de Cartum e “escolheu apenas garotas que usavam calças. Éramos cerca de 12 ou 13”. Ainda segundo Al-Hussein: “Na delegacia eles libertaram aquelas que usavam calças mais largas ou cujas blusas foram consideradas longas o bastante. Na delegacia encontramos outras garotas do sul (do país), aguardando julgamento, elas eram cristãs e três delas tinham menos de 18 anos.”

Uma vergonha, como podem ver. Nada, mas NADA justifica uma atrocidade arbitrária como essa. Se bem que qualquer arbitrariedade é algo atroz. Por causa disso, as jovens foram sentenciadas sumariamente a 10 chicotadas, cuja sentença foi executada imediatamente. Juiz? Advogados? Júri? Isso não existe em países que ainda vivem na barbárie!

Lubna afirmou que muitas se declararam culpadas apenas para “acabar logo com isso”, mas outras – incluindo ela – escolheram chamar seus advogados e esperar o julgamento. Por certo, ela sabia que poderia virar o jogo por ser jornalista e gritar por ordem naque pocilga.

Segundo as leis daquilo que chamam de país, sudaneses que não são muçulmanos não são obrigados a seguir a lei islâmica mesmo na capital ou no norte do país, onde predomina o islamismo. Mas, dentro da cadeia, quem vaio ajudar? O Chapolim Colorado? Depois da primeira porrada, o cara confessa até o que não fez. Taí os Anos de Chumbo aqui no Brasil que não me deixam mentir.

Lubna Ahmed al-Hussein é uma jornalista sudanesa conhecida por suas críticas ao governo do país, assim como Wajeha Al-Huwaider faz ao comprar briga em nome das mulheres da Arábia Saudita. Duas flores no deserto da estupidez humana. Lubna é autora de uma coluna semanal para jornais do país, chamada Kalam Rijal, que, na tradução literal significa “Conversa de Homem”, uma referência satírica a uma expressão parecida em árabe coloquial, que se refere ao que as mulheres falam como algo risível e não confiável.

A jornalista disse à BBC que contratou um advogado que conseguiu enviar o processo contra ela de volta à promotoria. E também afirmou que imprimiu centenas de convites para o julgamento para que o povo sudanês possa ver o que acontece com as mulheres.

Antes de comparecer à corte, al-Hussein afirmou que o problema que ela enfrenta é também o problema de centenas de mulheres que são chicoteadas todos os dias devido às roupas que usam. A jornalista escreveu que estas mulheres saem dos julgamentos com um sentimento de vergonha e toda a família da mulher é tratada como pária. Se alguém deveria ter vergonha nisso é exatamente o povo sudanês que aceita aquele estúpido iletrado que senta seu glorioso rabo islâmico numa cadeira e se acha em condições de determinar quem pode vestir o que.

Alguns de vocês pode perguntar sobre o motivo dos EUA não se meterem a machos lá e derrubarem o governo. A resposta é simples: A China! Sim, a China importa petróleo do Sudão e, em troca, fornece armamento para aqueles trogloditas com cérebro de ameba retardada. A mesma China que solicitou que o mandado de prisão do TPI fosse cancelado, alegando que isso causaria transtornos em Darfur, um buraco pior ainda, no extremo oeste do Sudão, que vive uma guerra civil, onde a ala islâmica é apoiada pelo Sudão. A China, feliz da vida, fornece armas para os dois e briga na ONU para que não se metam lá.

Como os “cérebros” dentro do Pentágono sabem contar, sabem muito bem que não seria legal pros EUA entrar numa briga com a China, dada ao exército do pessoal amarelo. Enquanto isso, as loucuras ordenadas e mantidas por um regime ditatorial teocrático, introduzido pelo ex-presidente Jaffar Al Numeri há cerca de 30 anos, cria problemas com tudo e com todos, especialmente na região sul do Sudão, que é cristã.

Em suma, isso tudo ilustra o “bem” que as religiões trazem ao se misturarem com política e se imiscuem no governo. Isso mostra o quanto o fanatismo religioso é um verdadeiro câncer social, impondo leis ridículas e costumes ultrapassados, datando de mais de mil anos, defendidas por pessoas com um grau de escolaridade que eu seria capaz de apontar em qualquer bueiro de esgoto.

É graças a mulheres corajosas como Lubna Ahmed al-Hussein e Wajeha Al-Huwaider que podemos ter alguma esperança, apesar que talvez essa seja o nosso problema: ter esperanças, ao invés de darmos um basta nisso hoje, com todas as nossas forças!

5 comentários em “Sudanesas são chicoteadas por usarem calças

  1. Sinceramente, estava esperando algo sobrea mulher do Kaká, que quer abrir uma filial da “Renascer” em Madri.

    Mas fui surpreendido. Parabéns pessoal :)

    1. @Rodrigo,

      Olá!

      Aproveitando a sexta-feira insana do André. (rs)

      Está na praça do quem dá mais o Projeto Neemias da Reconstrução – Igreja Renascer em Cristo Sede, é a edificação do Senhor G-zuis. (rs)
      Olha só, parece até cartão de crédito:

      Carnê Bronze de R$ 15,00 a R$ 100,00
      Carnê Prata de R$ 100,00 a R$ 500,00
      Carnê Ouro de R$ 500,00 a R$ 1.000,00
      Carnê Diamante a cima de R$ 1.000,00 ( esse é por conta do Kaká)

      Com certeza não vai faltar trouxa para coloborar, é como dizem: enquanto tiver cavalo São Jorge não anda a pé.
      Os donos da igreja vão amar um super faturamento, a propósito, será que esse desabamento não foi obra do Senhor?

      Esse é o link, mas se você não tiver paciência para ver tamanha cara de pau, é só adiantar até o finalzinho.

  2. E depois ainda vejo as pessoas falando do “preconceito” da ONU de não se dar bem com países de governos teocráticos.

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s