Uma foto que deixaria o Monstro do Pântano com orgulho

Fotografia é a arte de escrever com luz. Literalmente isso. Algumas reações químicas só acontecem quando recebem quantidade de energia adequada, a chamada “energia de ativação”. Alguns processos podem diminuir esta energia de ativação; são chamados “processos catalíticos” e as substâncias usadas para isso são chamadas “catalisadores”.

Reações químicas que necessitam de luz para ocorrerem são chamadas “reações fotoquímicas”, dois exemplos disso são a própria fotografia e a fotossíntese.

Que tal se tentássemos juntar as duas coisas? Bem, um cara conseguiu.

Continuar lendo “Uma foto que deixaria o Monstro do Pântano com orgulho”

Uma foto que deixaria o Monstro do Pântano com orgulho

Fotografia é a arte de escrever com luz. Literalmente isso. Algumas reações químicas só acontecem quando recebem quantidade de energia adequada, a chamada “energia de ativação”. Alguns processos podem diminuir esta energia de ativação; são chamados “processos catalíticos” e as substâncias usadas para isso são chamadas “catalisadores”.

Reações químicas que necessitam de luz para ocorrerem são chamadas “reações fotoquímicas”, dois exemplos disso são a própria fotografia e a fotossíntese.

Que tal se tentássemos juntar as duas coisas? Bem, um cara conseguiu.

Continuar lendo “Uma foto que deixaria o Monstro do Pântano com orgulho”

Os nuvens brilhantes que pairam sobre o negrume da terra

Eu gosto de nuvens. De todos os tipos! Como simples vapor d’água condensado em altitudes superiores podem ser fantásticas? Assumindo diferentes formas, é claro. Elas nunca são as mesmas, nunca parecem iguais, mesmo quando estão enquadradas no mesmo tipo. O vento, a umidade, o fluxo de ar ascendente, o ângulo da luz que bate nelas… tudo faz com que cada nuvem seja mágica, única.

Uma das nuvens que eu mais gosto são as nuvens noctilucentes. São nuvens interessantes, pois enquanto está de noite aqui em baixo, ainda é dia lá em cima por efeitos de geometria e óptica.

Continuar lendo “Os nuvens brilhantes que pairam sobre o negrume da terra”

Uma brilhante história sobre os óculos

Acabei de me sentar para escrever. Bem, eu não conseguia ler direito o que aparecia na tela. Tive que pegar meus óculos, pois, eu fui premiado com miopia, hipermetropia e astigmatismo, já que meus olhos são fruto de um maravilhoso design de um projetista inteligente. Esses meus óculos são ótimos e eu os adoro. Suas lentes de resina inquebrável ficam escuros mediante presença de radiação ultravioleta, e sua camada anti-reflexiva ajuda a não ver a minha cara refletida na face interior da lente, o que dificultaria ver algo em ambientes claros. A armação é leve, com hastes bem firmes e resistentes (ainda não comprei uma armação de titânio, mas esta quebra bem o galho). Entretanto, o que eu tenho empoleirado sobre meu nariz funciona da mesma maneira que os óculos que meu pai usa, que meus avós usavam, que os anteriores a eles usavam. Que muitos dos antigos usavam.

Ajeitem suas lentes de leitura, para mais um Livro dos Porquês, que envolverá muita História e sobre assuntos que você não faz ideia que possam estar relacionados (e talvez nem estejam, mas aqui a vontade e o pensamento é o poder. Estou acordando suas mentes para o grande saber!)


ÍNDICE


Os segredos escondidos numa antiga armadura do século XVI

É muito legal ver filmes tipo capa-e-espada, com cavaleiros usando suas reluzentes armaduras, elmos, luvas, espadas, maças e cavalos (que também tinham suas próprias armaduras). Apesar desta visão romanceada, ela… bem, não direi que é falsa, pois não era, mas muito rara de acontecer. Estas armaduras eram muito caras e só nobres e ricaços poderiam pagar por elas, já que eram feitas sob medida e demorava um bocado de tempo e custava uma fortuna, e só nobres tinham as duas (mas nem todos, também). Quanto mais “rica” a armadura, com pintura, desenhos, enfeites e entalhes, mais ricaço ainda era o cavaleiro. Para guerra normal, a peãozada ia protegido com… bem, na verdade se fossem com um escudo de madeira estavam com sorte. E, claro, o nobre não ia na frente. Isso do rei em sua armadura brilhante, montado num cavalo branco, indo na frente liderando é coisa de filme, também.

Sim, cavaleiros negros existiam, porque existiam armaduras negras. Havia de todas as cores que o cliente quisesse (e pudesse) pagar. Algumas chegariam ao preço de um jatinho particular, mas hoje você pode comprar por uns 1000 dólares, que convertendo pra real, com frete e impostos, dá o valor de um jatinho particular.

Algumas dessas armaduras tinham lindos tons de azul, preto e dourado, mas isso remete a um pequeno problema: como os armeiros dos séculos entre XV e XVII conseguiam isso? Magia? Nah, algo um pouquinho mais engenhoso que isso!

Continuar lendo “Os segredos escondidos numa antiga armadura do século XVI”

A Missão LISA Pathfinder

LISA é acrônimo de Laser Interferometer Space Antenna. A missão do LISA Pathfinder é testar as tecnologias necessárias para servir de detector de ondas gravitacionais. Ele colocará duas massas de teste em uma queda gravitacional quase perfeita e controlará e medirá seu movimento com precisão sem precedentes.

O LISA Pathfinder está usando a tecnologia mais recente para minimizar as forças extras nas massas de teste e para fazer medições. Os sensores inerciais, o sistema de metrologia a laser, o sistema de controle sem arrasto e um sistema de micro-propulsão ultra-preciso tornam esta missão altamente incomum. É uma missão da Agência Espacial Europeia com participação da NASA.

Continuar lendo “A Missão LISA Pathfinder”

O fenômeno da Superlua explicado pela óptica

O fenômeno da Superlua ocorre quando o nosso satélite se situa a não mais de 10% do seu ponto mais próximo da Terra no percurso da sua órbita (o perigeu). Isso faz com que ela tenha um tamanho aparente no céu entre 10-14% do que costuma aparentar. Algumas pessoas tentam ver diferença, mas quando levamos em conta as dimensões aparentes, é querer muito ver algo imenso.

Mas como as fotos mostram a Lua tão imensa? Como eu vejo a Lua no horizonte parecer maior do que quando a olho no céu?

Continuar lendo “O fenômeno da Superlua explicado pela óptica”

O camarão que se comunica com corzinhas que não vemos

O camarão mantis também é chamado de “lacraia-do-mar”, sendo um crustáceo coloridão que vive no mar e é classificados na sub-classe Hoplocarida, ordem Stomatopoda. Existindo cerca de 400 espécies, caracterizadas principalmente pela morfologia de sua segunda pata torácica, que é modificada em apêndice subquelado, lembrando uma pata de louva-a-deus. Sim, li na Wikipédia. Me processe.

Duas coisas que eu queria saber sobre o mantis: 1) É gostoso? ; 2) Que história é essa de ele se comunicar entre os seus com mensagens cifradas?

Continuar lendo “O camarão que se comunica com corzinhas que não vemos”

Pesquisa estuda nova lâmpada incandescente com maior eficiência de luminosidade

Lâmpada incandescente é uma droga. Gasta muita energia e esquenta pra danar. Aliás, esquenta muito exatamente porque 95% da energia que consome se dissipa sob a forma de calor.

No Brasil, está proibida a venda de lâmpadas incandescentes com potência superior a 40W, mas uma pesquisa promete uma nova lâmpada que aproveita o calor que emite, reabsorvendo-o e usado para gerar mais luz.

Nesse vídeo, falamos um pouco sobre coo as lâmpadas funcionam, e sobre a pesquisa do dr. Ivan Celanovic que pesquisa lâmpadas incandescentes que sejam mais eficientes em produzir luminosidade.

Continuar lendo “Pesquisa estuda nova lâmpada incandescente com maior eficiência de luminosidade”

Endoscópio show de bola para dar uma olhada bem fundo na sua “alma”

Ninguém gosta de endoscopia. Quer dizer, fora aqueles que querem sempre uma segunda opinião. Curiosamente, exame de toque retal é mais tabu que uma mangueirona com luzinha na ponta dando um passeio pelo seu intestino. De qualquer forma, tabu ou não, não é nada muito confortável; já que o médico precisa posicionar direito a camerazinha mágica.

Para diminuir este desconforto deter algo examinando os meandros do seu eu interior, pesquisadores estão desenvolvendo uma sonda endoscópica que conta com recursos de foco ajustável, proporcionando um exame mais eficaz e menos doloroso possível.

Continuar lendo “Endoscópio show de bola para dar uma olhada bem fundo na sua “alma””