Os segredos da prata como remédio milenar desvendados

Há milênios, sabe-se que o uso de prata ajuda no combate a infecções, mesmo antes de se saber o que era bactérias, filhas de mães de moral duvidosa ou micróbios que ficam atrasando o trabalho. A prata metálica era conhecida pelos caldeus em 4.000 AEC, e era o terceiro metal conhecido mais usado pelos antigos, depois de ouro e cobre. Ao longo desses milênios, a prata tem sido usada para inúmeras condições médicas.

A prata foi usada como recipientes para líquidos, moedas, aparas, folhas, suturas, soluções e sob a forma de colóides. Colóides elétricos de prata, por exemplo, tornaram-se o principal suporte da terapia antimicrobiana no início do século XX, até a introdução de antibióticos no início da década de 1940. O que não se sabia até então é: por que ela tem ação antimicrobiana.

O dr. Yong Wang é professor-assistente de Física da Faculdade de Artes e Ciências da Universidade do Arkansas. Ele não quer saber como começou ou como vai terminar. Só quer saber como a prata consegue ser o que é e mandar micróbios pra vala. Para tanto, ele e seu pessoal resolveram observar a dinâmica das proteínas das bactérias vivas no nível molecular.

Para examinar isso, os pesquisadores usaram microscopia de localização fotoativada para rastreamento de partículas únicas. Esta técnica é utilizada para sondar as posições espaciais e as trajetórias do movimento de proteínas, sendo uma das principais técnicas para estudar as funções biológicas em nível molecular em ambientes fisiologicamente relevantes.

A equipe de Wang observou e rastreou uma proteína específica encontrada na bactéria E. coli ao longo do tempo. Os pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir que os íons de prata aceleraram a dinâmica da proteína, ao contrário do que eles pensavam que aconteceria. Os íons Ag+ estavam fazendo com que as cadeias de DNA emparelhadas se separassem e a ligação entre a proteína e o DNA se enfraquecesse. Ao se desmantelar esta ligação, o metabolismo da bactéria ai para as cucuias e assim a gente se livra da lazarenta.

Tá, e o que se faz com isso?

Simples. Se você sabe como se dá a ação exterminadora de bactérias por íons prata, pode-se desenvolver outros remédios que ajam e modo semelhantes, pouco importando se você sabe como começou, mas tendo certeza e como vai terminar.

A pesquisa foi publicada no periódico Applied and Environmental Microbiology

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s