Ejeções de Massa Coronal de uma forma como você nunca viu… EM 3D!!!

Impressoras imprimindo estetoscópios causam boa impressão
Mulheres são mais agressivas com outras mulheres, diz pesquisa sobre algo que todo mundo já sabe

O Sol parece tranquilinho (apesar dos muitos milhares e milhões de graus de temperatura, e uma gravidade altíssima em seu interior, oque faz criar novos elementos). Essa aparência é só isso: aparência. O Sol está sempre em atividade, às vezes mais intensa, à vezes, menos intensa. Uma dessas atividades hardcore é a ejeção de massa coronal, que são erupções de plasma hiperaquecido (mesmo para os padrões de um plasma, que é gás ionizado a alta temperatura) de forma abrupta e são cuspidas para fora da coroa solar. Estas ejeções são levadas pelo Espaço, e ajudam a formar o Vento Solar (mas não exclusivamente), e isso pode ser muito legal de se observar, ou muito ruim pois pode afetar nossos satélites, podendo até dar o azar de fritar alguns milhões de dólares em equipamento em órbita.

Agora, pesquisadores da NASA utilizaram a combinação de dados de três satélites para produzir um robusto mapeamento de uma ejeção de massa coronal, modelando em 3D o que está acontecendo lá no Sol.

O dr. Ryun-Young Kwon é pesquisador especializado em Física Solar na Universidade George Mason em Fairfax, Virgínia, e trabalha também no Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, já que os boletos nunca param de chegar.

Ryun e seus colaboradores retiraram observações de duas erupções diferentes de três sondas: o Observatório Solar e Heliosférico da ESA / NASA e os Observatórios de Relações Terrestres Solares da NASA. Em março de 2011, houve uma ejeção de massa coronal daquelas, com o Sol meio emputecido naquela data. Em fevereiro de 2014, houve outra ejeção massiva.

Ryun e seu pessoal jogaram todos os dados no computador e criaram modelos computacionais para entender o que estavam vendo. Os modelos em 3D ajudaram a entender o formado, intensidade e extensão da ejeção.

O curioso é que, isoladamente, as observações de cada nave espacial não dariam a imensa gama de dados coletados, pois não basta ter dados, eles têm que ser cruzados com outros dados de forma a se ter um panorama geral do que estava acontecendo. Assim, o todo não é apenas a soma das partes, é muito mais.

Aqui embaixo uma animação do que aconteceu, direto dos computadores da NASA

Obviamente, você quer ler a publicação, certo? Ela foi publicada no Journal of Space Weather and Space Climate e está com acesso aberto. Divirtam-se!

Impressoras imprimindo estetoscópios causam boa impressão
Mulheres são mais agressivas com outras mulheres, diz pesquisa sobre algo que todo mundo já sabe

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!