pseudoUniversidade terá encontro de criacionismo

A atmosfera de um planeta parecido com Netuno, só que não tão parecido
Quanto é um ano marciano?

Nada pior que criaburricionista. Não por causa da sua crença ridícula, desdenhada até por criança de 6 anos, sobre cobras falantes, chuvaradas loucas, mundos chatos feito pizza e um ser mágico que é capaz de muitas proezas, menos enfrentar carros de ferro. O problema desse pessoal é que precisam entubar sua religião nos outros. São tão covardes que precisam, têm a necessidade patológica, de disfarçar sua religião em algo que eles pensam ser ciência, digo, que eles querem que você pense ser ciência (eles mesmos sabem que não é).

A Universidade Mackenzie, que nos deu incríveis pesquisas como… como… sei lá, está com uma parceria do Instituto Discovery (o antro fundamentalista, não o canal de documentários) para abrir um núcleo de “estudos” que contesta Teoria da Evolução e tem como objetivo promover os estudos de fé, ciência e sociedade, mas fé no cristianismo fundamentalista da Terra Jovem. Hinduísmo é coisa do Diabo!

Criando-se mais uma loucura em pseudocentros acadêmicos, esta é a sua SEXTA INSANA!

Eu nem preciso comentar muito, já que quem conhece a Mackenzie e suas insânias já não fica impressionado com mais nada. Quando Unicamp, USP e todas as universidades públicas já abrigaram essa ralé, vemos que desde pseudociência até cultos evangélicos mascarados é algo comum no país que odeia ciência.

Tendo aquele velho lenga-lenga “temos provas contra a Evolução”, que é sempre o mais do mesmo em qualquer sitezinho fundamentalista retardado (desculpem o megapleonasmo), com o número de artigos publicados inferior à quantidade de jantares que eu tive com Sua Majestade Elisabeth II da Inglaterra, a única coisa que eu espero que irão apresentar na Mackenzie não será nada além de “Olhe a florzinha. Deus Existe. Contribuam com nossa pesquisa”.

Mas, como eu falei, no país que odeia ciência, em que universidades disponibilizam cursos de astrologia, homeopata, cromoterapia etc. Quando centros de pesquisas têm verbas cortadas, mas continuam fazendo convênios com a Fundação Cacique Cobra Coral, não há mais nada que seja estranho acontecer envolvendo religião. Afinal, crente vota e é por isso que temos aquele câncer chamado bancada evangélica.


Fonte: Exame

A atmosfera de um planeta parecido com Netuno, só que não tão parecido
Quanto é um ano marciano?

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • Se USP, UNICAMP e outras universidades públicas não estivessem na várzea que estão, ainda dava para dizer aquela frase que eles dizem para quem estuda no Mackenzie, que diz que “só burro paga”.

    Lucas Monteiro respondeu:

    Mackenzie é outro que entra nessa onda de várzea, ela está impregnada por ideologias religiosas desde sua fundação (por exemplo, bolsas que são dadas de graça a filhos de pastor de Igreja Batista), não me espanta muito sobre o que este artigo falou,e só haverá mais noticias como esta.
    É ridiculo o que as Universidades do Brasil estão fazendo, não estão formando profissionais capacitados, mas sim pessoas analfabéticas que tem uma merda de papel como diploma, que não representa nenhum conhecimento de verdade.

  • Claudio Roberto Cussuol

    Certa vez eu peguei um panfleto numa universidade aqui do Espírito Santo (faz muito tempo). Era sobre “Cursos para a Comunidade”, uma espécie de prestação de serviço social. Comecei a ver a lista de cursos e achei legal ter coisas como “manicure”, “cabeleireiro”, “culinária”, muita coisa útil para quem precisa trabalhar.

    Eis que, no meio da lista, tinha um curso sobre ANJOS. Tava na moda, naquela época.
    Aí eu fiquei pensando:
    O que, raios, habilitaria alguém para ministrar um curso desses?
    Ter feito o curso?
    Mas o que habilitou o professor de quem fez o curso?
    E assim recursivamente….

    Pryderi respondeu:

    Não é diferente de palestrante que nunca pousou as patinhas numa sala de aula ser convidado a ensinar professores como fazer seus trabalhos

    Paulo Sousa respondeu:

    O que também é válido para pedagogos, que nunca pisaram numa sala de aula e vem te dizer como você deve lecionar.

    Pryderi respondeu:

    Foi o que eu disse.