Pesquisadores que não dão aula criticam ensino de Ciência nas escolas

A Academia Brasileira de Ciências, a ABC (eu sempre sinto vontade de rir) faz 100 anos, daí alguns de seus integrantes, achando-se muito espertões, criticaram o ensino de ciências nas escolas. Apontam o vestibular como grande inimigo do ensino de Ciência, pois o fator decoreba blábláblá.

Obviamente, o problema é mais complexo do que eles e vocês imaginam.

Eu não vou repetir a reportagem d’O Globo. Lê lá se quiser.

A questão é que é sempre fácil criticar que os professores são mal-formados (são) e que isso é culpa do vestibular (não é). Curiosamente, esses pesquisadores da ABC são também professores-doutores; sendo assim, criticarem má-formação de professores é criticar a si mesmos, mas ninguém pensou nisso.

Aliado a esse fato, temos o câncer da Pedagogia nos colégios, fingindo que lecionam, quando não sabem nem pra eles. Reitero: se eu não posso corrigir erro de português por não ser formado em Letras, pedagogo não pode dar aula de Ciências. Nem de Geografia, Português, História, whatever. Pedagogos sequer deveriam colocar os pézinhos imundos em sala-de-aula.

Em segundo lugar, temos que o conteúdo programático não é estipulado pelo professor que vai lecionar (sim, chocante, eu sei). Sequer é estabelecido por professor especializado na área, ficando a cargo… de quem mesmo? Issooooooo, de pedagogos (mais chocado ainda? Calma que piora). O professor é fiscalizado por coordenadores e orientadores nos colégios. Formados em que? Dica: não é em Ciência (piorou o suficiente? Vamos estragar logo a bosta do seu dia.) Daí temos diretores, mas aí nem vale a pena mencionar, vamos para os inspetores das Coordenadorias Regionais. Muitos com apenas Ensino Médio, com um coordenador regional que se tiver faculdade, será… (me dê um P, me dê um E, me dê um D. MULAS! MULAS!), Com secretários de Educação que no máximo deram aula na Sorbonne. Quero ver ser secretário de Educação, tendo lecionado no Morro do Macaco.

Mas – E-HEY! – o erro está na formação dos professores (você sabe, né? Aqueles caras que não recebem salário se trabalharem em colégio estadual, tendo o 13º do ano passado parcelado em deus-sabe-quantas-vezes).

Não, péra! Não é só isso. Tem o fator vestibular, também. Isso foi uma das críticas do… sociólogo? Sim, sociólogo, aquela “ciência” que existe para formar professor de Sociologia que dirá aos alunos o quanto sociologia é importante, mesmo sem dar nenhum exemplo prático do por que sociologia é importante. Diferente de antropólogos, sociólogo não serve nem pra ir em banheirão pra ver gente chupando-se mutuamente.

Se o sociólogo queridinho fosse mais bem informado, saberia que existe uma coisa chamada ENEM, em que alguém que sequer terminou o Ensino Fundamental poderá conseguir certificado do Ensino Médio. Que tal?

É fácil falar para fazer o ensino mais atrativo, mais interessante, mais adequado ao gosto dos alunos. Eu sei, eu entendo. Tenho até algumas sugestões de forma que o aluno adore ir na sua aula:

1) Deixe jogar no smarthone, tablet, Alienware, PS4 etc.
2) Libere o wi-fi e deixe o pessoal acessar Facebook, WhatsApp. Como? Seu colégio não tem?
3) Compartilhe o 3G do seu celular pros alunos.
4) Deixe-os namorar, trocar saliva, entrar em modo de reprodução ou coisas similares.

Fazendo essas coisas, sua aula será concorridíssima. Porque, queridos, tenho uma coisa a dizer: Os alunos odeiam colégios, odeiam professores e têm ojeriza a qualquer coisa que os tire daquilo que eles querem, e o que eles querem pode ser muitas coisas, mas com certeza não é aprender ciência (ou qualquer outra coisa). Então, Cindy, sai correndo, porque deu meia-noite, a macumba acabou, seu tênis xexelento se perdeu e o príncipe desistiu de você, preferindo a Scarlet Johanson.

No Fundamentalzinho, as crianças até têm curiosidade, mas ela se perde no Fundamental 2, por causa de fator social. Para eles, quem tira 8 é nerd. Se é nerd, é excluído do grupo, e fatalmente ninguém vai querer isso, então deixam o estudo para lá. Mas isso não é só um problema com Ciências, mas em todas as disciplinas. O miserável do aluno tem aula de português desde o primeiro ano, e chega ao ensino médio sem saber nem como se usa Ç direito ou diferenciando “mas” de “mais”, haja vista as atrocidades que escrevem nos facebooks da vida (a regra dos porquês é ininteligível para 98% da população). E aí, pessoal do ABC, a culpa por terem esquecido como se conjuga verbos direito ou as 4 operações (na minha prova, os alunos se enrolaram ao ter que dividir por 5) é de quem, hein? Do vestibular? Olha que não, hein!

Para finalizar, o que mais gostei da reportagem foi a foto usada, que ilustra muito bem a importância que se dá à Ciência, e como o ensino anda realmente o máximo.

Se você é químico, você entendeu.

55 comentários em “Pesquisadores que não dão aula criticam ensino de Ciência nas escolas

          1. Pensei que EPI era obrigatório neses casos. De qualuqer forma, eu não sou Químico. Meu negócio é com coisas que variam com o tempo e espaço.

        1. Bem, André! Não sou químico, mas estou achando esse negócio de chutar o erro divertido! ;-) Então, lá vai o meu chute:
          Se eles estão querendo medir algum volume no Becker (que parece ser graduado), cabe salientar que a porra toda nem nivelada está! (pelo menos, aos meus olhos, o problema está bem claro!)

  1. André soltando mais um mistério para ser solucionado. Não sou químico, e não sei qual é o problema, mas POR FAVOR, não diga qual é o truque. Quero ver até onde vai a treta.
    Quanto aos estudos, eu mesmo não gostava de ir para a aula, porque tirava notas altas em quase todas as matérias e era ridicularizado exatamente por isto. Bem, não era eu que ficava de exame no final do ano.
    Depois, descobri que um histórico escolar de primeira não vale quase nada mo Brasil……

  2. O problema é que eles estão utilizando um funil de decantação para uma mistura homogênea ou uma substância pura.

      1. E depois não entende porque seu ensino não serve para nada… Assim como a ciência messiânica que você quer evangelizar por aí.

    1. E é claro que você vai parar com essa frescura de ficar ofendidinho e vai mostrar onde o post esta equivocado.

    2. E você com certeza não vai expor a sua opinião de porquê o artio é tudo isso! Só reclamar e não contra-argumentar!

  3. Também vou arriscar…
    Tem mais líquidos do que deveria, o do que caberia? Pelo que li, parece que os líquidos não podem preencher 100% do volume do funil de decantação.
    Tenha paciência, sou de TI.

      1. Entendi que eles já separaram o líquido translúcido que está no Becker, possivelmente água, de um líquido de menor densidade, que ficou no funil, não?

  4. Ok, vou arriscar as oitenta chibatadas e ser colocado no cavalete, mas, o problema seria o fato de eles não estarem usando luvas?

  5. O problema da foto é simples: 99% das escolas brasileiras simplesmente não possuem laboratório (de qualquer coisa que seja).

    1. Bom, que vc é totalmente ignorante já percebemos em outros comentários. A questão não é o laboratório,pois pode-se dar aula de ciência até numa garagem, coisa que SJW ignorantes como vc não sabem.

      1. Ele é SJW ou só saberia analisar corretamente se fossem miçangas….
        Minhas aulas em lab de química (escola pública) no segundo grau era obrigatório ter uma pia anexa na bancada para caso de acidentes além do chuveiro para emergências mas o campo da foto tá restrito na mesa, então chuto que, se não é a falta de ePI tem a ver com o tipo de material usado.

  6. Vou arriscar dois palpites:

    Seria o fato dos alunos estarem dando atenção ao experimento?
    Ou tem relação com aquele cubo (de açúcar?) ao lado do funil de separação?

  7. Este idiota segurando a torneira desse jeito vai acabar arrancando-a, e cagando todo mundo em volta. A mão tem que “abraçar”, envolvendo a torneira pelo lado oposto

    1. Putz!… Agora que falou, lembro disso ter sido passado no colégio! Acho que na graduação não se ativeram muito a esses procedimentos, que eu me lembre.

    2. Pô André, agora você estragou a brincadeira…
      Deve ter ficado puto com o tanto de gente que chutou uma resposta sem acertar…

  8. A bióloga aqui vai chutar, mas é tão bobo q não deve ser isso q tá errado na foto: a “torneirinha” nesta posição está fechada, e eles parecem estar esperando algo cair dali…

  9. Logo na frente da mão do garoto que está controlando a válvula do funil de separação. Por um curto instante pensei que eles poderiam estar tentando separar açúcar, água e óleo com o funil de separação. Mas nem eu estava apostando muito nessa hipótese, pois dá para separar o açúcar da água depois desse processo por outros meios.

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s