Professor real no cenário virtual

Dar aula em tempos de coronga está uma aventura, ainda mais se for no brasil, com as escolas voltando a funcionar e teremos lindas criancinhas corongadas compartilhando o melhor de si. Alguns lugares acharam que não valia o risco, mas também pensaram que seria de boa medida que o professor gravasse as suas aulas nas salas, propriamente ditas. Obviamente, nem todo lugar é retardado como o Brasil, então, procuraram uma solução pro professor estar na sala de aula sem realmente estar na sala de aula.

Continuar lendo “Professor real no cenário virtual”

Pesquisa aponta por que professor rala peito da educação em tempos de COVID-19

Com a pandemia e o Coronga à solta, um grupo que tem sido impactado é os professores. Alguns imbecis, idiotas e acéfalos que fazem muito, mas não mais que traduzir trabalho dos outros acham que é OK liberar os colégios no meio de uma pandemia, e só não o fazem porque professor tem sindicato. Sim, aquele sindicato que nunca consegue um dissídio que seja minimamente próximo da inflação (oficial. A inflação real a gente nem menciona mais).

Isso está acarretando vários professores largando o trabalho (lá fora. Aqui, pessoal está mendigando emprego). A pergunta é: por quê? É o que uma pesquisa procura responder e entender as razões pelas quais os professores deixam a profissão em tempos de COVID-19.

Continuar lendo “Pesquisa aponta por que professor rala peito da educação em tempos de COVID-19”

Austrália diz que pessoal de Humanas não serve nem para arrumar emprego

O governo da Austrália anunciou nesta sexta-feira que vai dobrar as taxas de cursos de Humanas. Isso causou um alvoroço e pessoal até largou o bong para reclamar. O motivo que o governo Canguru deu foi que, de repente, os alunos se interessem por coisa que preste e que seja mais útil e relevantes para o mercado de trabalho, como os cursos de STEM, sem o A. meter o “A” é coisa de pedagogo.

Claro, o pessoal de Humanas teve um chilique com isso. Até deixaram as lanchonetes onde trabalham para irem protestar.

Continuar lendo “Austrália diz que pessoal de Humanas não serve nem para arrumar emprego”

Rondônia acha que adolescente não pode ler livros. Vão distribuir rótulo de shampoo?

Aquele que não aprende História corre o risco de repeti-la!

Bem, está se repetindo. Em 2010, o Conselho de Educação veio com uma de proibir o uso de livro de Monteiro Lobato em colégios. Os motivos é que ele era racista, preconceituoso e coisas afins. Pegaram como exemplo que o livro chama Tia Nastácia de negra. Acho que era para chamar de “moreninha”. Mas isso já era de outro autor. Para um pesquisador da USP, Monteiro Lobato era racista. Sim, ele era. Shakespeare também era. Vamos cancelar o Mercador de Veneza?

Bem, tanto bateram que começou um barata-voa para tirar das escolas livros “malvadinhos”. O problema é que o vento que venta lá, venta cá. E chegou a vez de Rondônia de proibir o uso de alguns livros tido como muito errados.

Continuar lendo “Rondônia acha que adolescente não pode ler livros. Vão distribuir rótulo de shampoo?”

E saiu o PISA desse ano. Nem vou falar nada no título

O Brasil tem talento pro fracasso em vários setores, mas o educacional é a cereja do bolo de merda. Ano após ano, as métricas educacionais são sempre uma vergonha, e sempre dizem “no próximo ano, no próximo ano…” e o próximo ano nunca que vem. Ou vem, com mais vergonha alheia. Estou falando isso e vocês sabem o motivo: o PISA, aquele exame bianual que se especializou em mostrar o lixo educacional que é o Brasil, um imenso atoleiro de vergonha e ridículo que evidencia o caos que reina nos colégios e em políticas inexistentes voltadas para Educação.

Continuar lendo “E saiu o PISA desse ano. Nem vou falar nada no título”

Professor que não é professor ganha prêmio, mas foi exonerado do cargo por ter diploma falso

Nada mais inútil que esses prêmios de “Professor do Ano” ou “Professor Nota Mil” ou bobagens neste sentido. Motivo? Normalmente, quem ganha é alguém tosco que nem se compara com um pobre desgraçado com 70 alunos em sala de aula numa escola pública dentro de favela. Em 2017, uma tia ganhou prêmio por dar aula de língua indígena para 15 criancinhas no interior de Rondônia. Grandes merdas! E os outros premiados não são lá essas coisas também. Sim, eu escrevi sobre.

Esses prêmios de educadores do mundo todo premiam muita coisa, não quem realmente está se ferrando para ensinar, não raro em locais que não querem professor (e isso já partindo dos alunos). A que isso leva? A um zé ruela que ganhou prêmios (plural) como melhor professor, sendo que toda sua documentação era falsa, pois não tinha formação nenhuma.

Continuar lendo “Professor que não é professor ganha prêmio, mas foi exonerado do cargo por ter diploma falso”

MEC escolheu secretária criacionista, mas teve final feliz

MEC é formado por políticos idiotas e indicações imbecis. Há dois meses, os retardados do MEC escolheram uma secretária, que seria a número 2; só que 02 falou a burrada que tudo que é ensinado no colégio vem de Deus, pois Deus criou a História e Geografia. Claro, isso pegou muito mal na época.

Não, não ficam tão alarmados. Temos final feliz. E sim, eu sei que este vídeo saiu tem um bocado de tempo e estou postando aqui agora. A vida tem dessas coisas!

Continuar lendo “MEC escolheu secretária criacionista, mas teve final feliz”

Pesquisa mostra que todo mundo já sabe: Brasileiro dá mais valor à religião do que à cultura

Uma pesquisa da ONG OXFAM Brasil, que mais parece nome de remédio contra flatulência, fez uma pesquisa que resultou numa coisa que todo mundo já sabe: Brasileiro dá mais valor para religião do que para coisas sem importância como estudo e trabalho. No país que odeia ciência e contratam índios mágicos que dizem controlar o tempo e usa cartas psicografadas como provas em tribunais, não sei por que alguém acharia isso inusitado.

Continuar lendo “Pesquisa mostra que todo mundo já sabe: Brasileiro dá mais valor à religião do que à cultura”

Homeschooling, educação em casa e cabides de emprego

Pessoal tá caindo de pau porque a coordenadora da nova secretaria que cuida de alfabetização do MEC, Maria Eduarda Manso Mostaço, não é pedagoga (desculpem a m[á palavra) e sim advogada. Ela defende o homeschooling, quando pais sem ter o que fazer se propõe a ensinar seus filhos em casa por medinho de doutrinação, como se aluno prestasse atenção em algo.

Eu estou tranquilo, já que não fará a menor diferença. Eu até já tinha escrito sobre ela em janeiro. O motivo mesmo está no vídeo a seguir.

Continuar lendo “Homeschooling, educação em casa e cabides de emprego”

Inútil que não entende de educação nomeada para secretaria no MEC. Curiosamente não é pedagoga

Tá todo mundo tendo ataque porque a guria que foi nomeada coordenadora-geral de formação de professores da recém-criada Secretaria de Alfabetização do MEC é formada em Direito, com um TCC tosco sobre homeschooling, e é exatamente sobre ser defensora de dar aula para as crianças em casa que ela ganhou este cargo. Eu sinceramente não vi nenhum problema quanto a isso, quando até agora colocavam pedagogas, que entendem tanto de Educação quanto astrólogo entende de nebulosas espirais.

Continuar lendo “Inútil que não entende de educação nomeada para secretaria no MEC. Curiosamente não é pedagoga”