Inaugurada usina solar flutuante em lago de hidrelétrica. E você achando vantagem

Júpiter pode se tornar uma estrela um dia? (vídeo)
Uso de cannabis aumenta o risco de internação hospitalar

O Brasil é um lugar que tecnologia é levada a sério. Amamos WhatsApp e Candy Crush. O problema é que não conseguimos fazer o que a Alemanha Nazista fez na década de 1940 e a URSS fez na década de 1950 (e não estou falando de extermínio de pessoas. Neste quesito, somos muito bons, obrigado).

Mas nem tudo está perdido (está, mas tentam nos iludir assim mesmo). Nós agora desenvolvemos a primeira usina solar flutuando em lago de hidrelétrica. Que maravilha. Estou com os olhos marejados com tanta tecnologia. Agora sim resolvemos nossos problemas (e você já me conhece o suficiente para saber o que vem por aí).

O site Ambiente Energia fez uma belíssima matéria (belissimamente superficial) sobre esta usina solar. Vejam só:

Eu aprovei. Bem grande, capaz de gerar 1,21 GW em questão de minutos. Certo? Bem, aí temos o fator “Realidade” trazido pelo site Agência Brasil.


Essa bosta é menor que a área do meu banheiro!

Só uma mente completamente estúpida viu alguma vantagem nessa mesa aí. Muitas casas possuem painéis solares com uma área maior. Imaginem, ao invés de colocar sobre o lago de uma usina hidrelétrica colocarmos sobre casas num bairro residencial, dando desconto na conta de energia elétrica dos moradores dessas casas. Difícil? Não no Tennessee, em que empresas pagam para pessoas ajudarem a gerar eletricidade, simplesmente instalando painéis solares. Mas no braso-capitalismo ocorreria o contrário. Iriam alugar os painéis solares para as pessoas e aumentar a conta de luz delas.

Como? Você acha difícil? Mas foi justamente isso o que fizeram com a conta de água de um sujeito que otimizou a economia de água em casa. Take a look.

Daí é capaz de alguém que matou as aulas de Biologia perguntar por que não cobrir toda a superfície da hidrelétrica com painéis solares. Sim, claro, uma excelente ideia. Os seres vivos que moram naquelas águas que se danem! O gradiente de calor gerado que se dane. O microclima indo de vez pro cacete também é irrelevante. A ação da água sobre as placas também é desprezível.

Se a gente deixar de levar em conta estes e mais um monte de detalhes, sim, é uma excelente ideia, que só perde em genialidade para invadir a Rússia no inverno.

Júpiter pode se tornar uma estrela um dia? (vídeo)
Uso de cannabis aumenta o risco de internação hospitalar

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!