Um dia numa reunião de pais e mestres

Hora de punir os preconceituosos!
Qual será o futuro do Martelo?

Normalmente, eu presencio reuniões pedagógicas e de pais-e-mestres no lado errado. No mais das vezes, na cadeira penal, onde professores são vítimas de pais enlouquecidos e entregues de bandeja pela coordenação. Hoje foi diferente. Eu, com pai, estava lá para ouvir os professores. Também tive que ouvir outros pais e orientadores. Então, nada mais justo de compartilhar aqui o que eu vi e, assim, entendermos por que a Educação está do jeito que está. Se você me acompanhou pelo Twitter, percebeu um pouco da insanidade em tempo real, inclusive com os trocentos erros de digitação e o corretor ortográfico jogando contra. Mas vamos falar um pouco agora, com as minhas impressões depois do ocorrido.

PRIMEIRA IMPRESSÃO – DESRESPEITO AO TEMPO ALHEIO

Pedagogos têm sérios problemas com cronogramas. Marcaram a reunião para as 14:00, mas só começaram às 14:47. Custa muito começar na hora? Se marcam um determinado horário, você adequa sua vida a esta programação, mas o desrespeito impera até em colégio particular. Sou um homem ocupado, mas o mesmo não parece acontecer com os demais. Ainda tem o fato que fizeram lenga-lenga sobre corpo discente, saberes e outras palhaçadas. BINGO pra você, que achou que iam falar de Paulo Freire.

Eu perguntei candidamente se o colégio defendia luta armada e violência, conforme a Pedagogia do Oprimido. Desconversaram.

SEGUNDA IMPRESSÃO – PAI NÃO QUER SABER SE FILHO ESTUDA

A reclamação inicial é que as notas estavam baixas, mas eu pouco me importei porque as notas da minha filha estavam altas. Ok, teve um 8,0 que eu não gostei. Terei que mandar esta menina estudar mais. Pais querem que os alunos tirem notas boas, mas ao invés de fazerem-nos estudar, reclamam que os professores é que castigam os coitadinhos com notas baixas. Enquanto isso, teve um abismado que o filho dele não sabia nada da matéria e mesmo assim tirou 8. Eu conto pra ele sobre colas e outras trapaças?

Como sempre, o professor é culpado. O professor cria tarefas impossíveis de serem feitas (se ao menos se pudesse estudar nos livros ou usando a Internet…). E um dos que foram vítimas dos pais toscos foi justamente o professor de Ciência. Eu adorei o cara. Sério! O sujeito é tão casca grossa quanto eu. Parece um André da Biologia (pelo que entendi, é esta a formação dele). Quando confrontado porque ele pedira um trabalho sobre origem da vida e vieram com besteiras de criacionismo, ele estufou o peito e sem dourar a pilha mandou "Sou um professor de Ciência! Nunca irei aceitar trabalho falando de Criacionismo". A mãe tentou jogar a carta de outras interpretações. Ele devolveu que a hora que tais interpretações forem consideradas pela comunidade científica como algo além de mitologia, que ele inseriria na ementa da disciplina dele. Eu levantei e aplaudi o cara. SÉRIO!

O prof. Sérgio mostrou que sim, você pode ser rígido, sem medo. Se demitirem o cara eu juro que farei um levante naquele colégio. Não é com professor bonzinho, fingindo ser amigo, que a Educação avançará. Não precisa ser um ogro (apesar de ser divertido, às vezes), mas tem que ter postura séria e firme. Sérgio ainda disse que se os filhos apresentam trabalhos de qualquer jeito, é porque os pais não verificam o que anda sendo feito. Ou, se verificam, preferem não se aborrecer e dizer "está lindo meu filho", para depois continuarem vendo TV.

Encheram o saco da profª de Matemática, mas a distinta dona Mariza disse que não, que em suas provas não era permitido uso de calculadora. Ao ser questionada com a atual babaquice, sobre mundo tecnológico e blábláblá, ela reforçou que ela ensinava Matemática e não simplesmente fazer continhas.

A maioria dos outros professores ficaram naquela postura imbecil, incentivada pela coordenação, de ficar bajulando pai. Eu não quero ser bajulado, quero que minha filha e os filhos de todos os demais aprendam. O colégio tem aula de Filosofia, aquela disciplina utilíssima, cuja serventia é formar professor de Filosofia que tentará lhe convencer que Filosofia serve para algo. A criatura veio com aquele lenga-lenga sobre Aristóteles ser o pai do Método Científico, ao ponto que eu tive que corrigi-la e mencionar que o tosco de Estagira tinha dito que mulheres tinham menos dentes que homens, e lembrei que ele fora casado duas vezes. Assim, se ele é o pai do Método Científico, foi mais um padrasto, pois sequer prestava atenção no mundo ao seu redor.

Eu fui um dos poucos a defender os professores. Mães idiotas protegendo suas floquinhas de neve, porque, coitadinhas, têm tanta coisa pra fazer em casa (eu sei o que, mas são coisas impublicáveis).

O que eu vi hoje é um retrato da Educação brasileira. Poucos professores insistindo em fazer o seu trabalho. Pais querendo mascarar sua péssima atuação, colocando a culpa nos outros. Professores que acabam cedendo às Coordenações, pois precisam manter o emprego e pouquíssimos pais, como eu, que sabem que tudo aquilo está errado e sentem que devem fazer jus ao que está pagando, obrigando seus filhos a estudar.

Um dos pais disse que alguns pais (se dirigia a mim, claro) exigiam demais dos filhos, que ele preferia que o filho dele fosse feliz. De minha parte? Eu falei:

Seu filho pode ficar descansado. Quando minha filha for engenheira e estiver trabalhando num canteiro de obras, ele pode ficar tranquilo. Ela o tratará com respeito.

Hora de punir os preconceituosos!
Qual será o futuro do Martelo?

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • NXTR

    Caro André, em uma palavra:

    Louvável.

    Quando eu crescer, quero ser igual a você.

  • Esse é o lado errado da educação que depende menos dos governos e mais de quem mete – ou deveria meter – a mão na massa.

  • Magno

    “Encheram o saco da profª de Matemática, mas a distinta dona Mariza disse que não, que em suas provas não era permitido uso de calculadora. Ao ser questionada com a atual babaquice, sobre mundo tecnológico e blábláblá, ela reforçou que ela ensinava Matemática e não simplesmente fazer continhas.”

    De sacanagem ela poderia deixar levar uma calculadora (sem acesso à internet) e aplicar uma prova só com coeficientes.

  • NXTR

    Caro André, eu posso estar pedindo por um cagaço, mas, linka a sua série de postagens no Twitter para cá, vai ser legal!

    Administrador André respondeu:

    Já estão aqui, ué. Só resumi.

  • José Rodrigues

    Sobre o último parágrafo: YOU WIN! Ganhou um admirador. Abraço.

  • Leio muitos textos seus porque meu filho te adora. Nem sempre concordo…mas esse aplaudi de pé e ainda gritei bravo!!!! Vc foi perfeito!