As ferramentas da Idade da Pedra que fizeram o mundo de hoje

Nem sempre fomos todos idiotas. Nós tínhamos mais habilidades, o conhecimento global era facilmente compreendido por todos e tudo o que podemos entender por Ciência e Tecnologia da época era de fácil assimilação por toda a população. Isso até merece um "U-AU!", mas isso só dura até quando sabemos que a população humana era medida em ordens de milhar e não em bilhões de pessoas.

Há muitos anos, o saber era pouco, assim como poucos eram os seres humanos. É fácil que todos dominassem todo o conhecimento corrente, já que havia pouco, muito pouco, o que se saber. Mas o que se sabia naquela época ajudou a mudar a pré-história, pois iria se tornar História. E quando examinamos ferramentas neolíticas, curiosamente, vemos que algo no passado volta para nos ensinar mais sobre nós mesmos e nossos próprios processos de manufatura.

Uso de tecnologia ferramental começou desde que alguns de nossos avós usaram um pedaço de osso para abater animais, onde todos eles eram animais não-humanos, já que não havia humanos ainda. De qualquer forma, não é preciso ser humano para usar ferramentas. [1] [2] [3] [4] [5] [6] [7]

Compreendendo como nossos tatatatataravós usavam ferramentas, bem como nossos primos mais próximos, temos um vislumbre de como chegamos até aqui (a qualidade desse "aqui" é irrelevante). Nossa sociedade se moldou mediante nosso desenvolvimento tecnológico desde que Ubonka usou uma pedrinha com ponta para esburacar outra pedra para fazer um colar e ficar style. Tentando reconstruir todo este proc esso, arqueólogos da Universidade de Bradford procuram medir as estruturas da superfície de réplicas de ferramentas de pedra antes e depois do uso, de forma a entender como eles eram feitos e os processos de manufatura envolvidos.

O dr. Richard Leach é homônimo de um microscopista e fotógrafo amador que inventou uma nova geleia para fixação de imagens fotográficas, bem como é homônimo de um tocador de trombone. Claro que isso nada tem a ver com ferramentas do período neolítico, então digamos apenas que o bom doutor ganhou seu título e especializou-se em metrologia de superfícies e é um dos principais pesquisadores do NPL, o National Physical Laboratpory, na Inglaterra. Seu trabalho com ferramentas neolíticas se baseia no mapeamento da estrutura dessas ferramentas e de réplicas das mesmas, de forma a estudar como eram feitas e usadas.

De acordo com Leach, as medidas das superfícies de cada ferramenta usando um microscópio confocal para criar um mapa de sua estrutura de superfície. Medições ópticas criam construções 3D de cada superfície gravada sem fisicamente entrar em contato com a superfície.

As medições feitas pelo NPL em cada instrumento antes, durante e após as experiências de desgaste, revelou variações nas superfícies que podem ser utilizados para prever a utilização de ferramentas. Os resultados ofereceram uma visão interessante sobre a amplitude de experimentos futuros necessários para fornecer resultados conclusivos sobre o uso de ferramentas de pedra na pré-história.

O interessante nessa pesquisa foi perceber como as técnicas para a produção de ferramentas iam ficando cada vez mais elaboradas, de forma a obter-se melhor qualidade para se atender à clientela. As ferramentas tinham que ser feitas de forma rápida e isso é praticamente o que fazemos hoje em dia. A única coisa que não se sabe é se quando alguém encomendava um martelão de pedra acabava recebendo um tijolo no lugar, mas creio que nossos ancestrais tinham mais respeito pelo cliente do que atualmente. Eles praticamente deveriam ter certificado ISO 9000 ou alguma besteira atual cheia de números e letrinhas.

Paralelamente, a melhoria do sistema de produção do Neolítico acabava gerando uma outra coisa: melhoria no desenvolvimento cerebral, onde novas técnicas eram desenvolvidas, o que aumentava as ligações sinápticas, promovendo uma evolução cerebral, que acabava acarretando em maior inteligência e incremento na capacidade de criar novas técnicas, métodos etc. Entender como uma "macacada" (sim,eu sei. Olhe as aspas) fez ferramentas é entender como esta "macacada" acabou dando em algo como nós (EU SEI!) e nossos primos. Agora, se você é um inútil incapaz de trocar uma lâmpada, a culpa não é do seu avô e sim dos genes que não passaram dele para você.


Fonte: NPL

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s