Medição de Neutrinos: Vocês estão fazendo errado

Eu tenho um lado sádico (Não! Sério??). Não consigo parar de rir depois de ter lido uma notícia. Eu já tinha criticado  aquela história do neutrino ligeirinho, citando o dr. Ronald van Elburg, onde ele dizia que aquela baboseira de neutrinos viajando mais rápido que a luz estava errada. Ele mesmo criticou o sistema de medição e o mais curioso é que a experiência que comprovou a velocidade warp dos neutrinos (não que velocidade warp seja viajar mais rápido que a luz e sim "dobrar" o Universo) usou os mesmos critérios de medição. Assim não dá, assim não pode (™Cardoso, Fernando Henrique). Agora, depois que todo mundo festejou bastante como Einstein fora aniquilado por cientistas do século XXI, verei um monte de gente com o rabinho entre as pernas fingindo que não viram a notícia que — é, pois é — pelo visto Einstein não estava errado e realmente houve problemas na medição (uma risada com sotaque alemão flui pelo éter, nos assombrando).

Ao que tudo indica, herr doktor Van Elburg estava certo ao dizer que houve problemas de medição com o GPS, Einstein estava certo ao dizer que nada viaja mais rápido que a luz e eu estava certo ao não acreditar no que sai na imprensa logo de saída. É chato estar sempre certo (mentira, não é. Eu adoro!). Então, o que temos para embasar isso?

Direto do site da NPR, vemos que pesquisadores descobriram uma falha na instalação técnica nos detectores de neutrinos. Isso fez com que a medida estimada de sua velocidade fosse errada. Acontece que sendo os neutrinos muito difíceis de serem detectados, cientistas precisam de um grande amontoado deles para poder fazer a medição e plotar os dados de forma a encontrar uma média. Com os detectores trabalhando de forma errada, a medição saiu errada.

Bem, NPR é a sigla para National Public Radio, uma espécie de Rádio MEC dos Estados Unidos. Não é uma publicação indexada e sim um site de notícias. Temos algo mais votado para a área? Sim, temos.

Do blog da Nature, ficamos sabendo que em um comunicado do OPERA que começou a circular ontem, dois problemas possíveis já foram encontrados e ambos estão relacionados com a utilização do  sistema GPS que foi usado para medir o tempo de deslocamento dos neutrinos, além da medição do tempo não ter sido feita corretamente. Lembrando que tem horas que nem meu computador funciona como eu gostaria, algo bem mais preciso fatalmente estará mais sujeito a erros. Tem hora que até meu GPS comete uns engasgos.

Entretanto, é injusto não ouvir a mãe da criança. O que o CERN tem a dizer em seu press release? (versão brasileira Herbert Richers Ceticismo.net)

A colaboração OPERA informou que identificou dois possíveis efeitos que podem ter influenciado sobre a sua medida de tempo dos neutrinos. Estes efeitos requerem mais testes com um feixe de pulso curto. Se for confirmado, um iria aumentar o tamanho do efeito medido, a outra diminuirá. O primeiro efeito possível diz respeito a um oscilador usado para fornecer a marcação de tempo para sincronização via GPS. Ele poderia ter levado a uma superestimação do tempo de viagem do neutrino. A segunda diz respeito ao conector de fibra óptica que traz o sinal externo de GPS para o relógio mestre do OPERA, o que não pode ter funcionado corretamente quando as medidas foram tomadas. Se este for o caso, ele poderia ter levado a uma subestimação do tempo de voo dos neutrinos. A extensão potencial desses dois efeitos está sendo estudado pela colaboração OPERA. Novas medições com pequenos feixes em pulso estão agendadas para maio.

Muito bem, o que significa? Que um dos sistemas poderia ter dado um valor maior para o tempo de voo dos neutrinos. A outra falha daria um valor menor. Então, eles se anulam e mostram o valor certo? Não, pois não se sabe se o valor de acréscimo é o mesmo de decréscimo. O principal problema, como eu falei, está que não se mede UM neutrino viajando pra lá e pra cá. Mede-se vários deles e encontra-se uma estimativa estatística, o que sempre acarretará em erros inevitáveis por vários fatores. 1) Neutrinos não possuem massa e são bem pequenos. Sua detecção é indireta; 2) As velocidades envolvidas, mesmo que sub-luz, são grandes o suficiente e um erro de 0,001% é algo enorme (lembrando que segundo a primeira medição, os neutrinos estariam 60 nanossegundos adiantados, ou seja, 60 bilionésimos de segundo).

O CERN faz o que tem que ser feito: apresentou o problema e estipulou que fará novas medições até termos certeza do que aconteceu. Enquanto isso, se alguém citar a 1ª Lei de Clarke (Quando um cientista distinto e experiente diz que algo é possível, é quase certeza que tem razão. Quando ele diz que algo é impossível, ele está muito provavelmente errado), lembrem-se que tio Albert meteu 1 prêmio Nobel no bolso, então ele deve saber algo de Física.

Mimimi, mas não ganhou o prêmio por causa da Relatividade. César Lattes disse que Einstein era uma fraude e que a Relatividade está errada e que blábláblá.

Favor ir num centro espírita, fale diretamente com Lattes e peça todas as provas documentadas provando que Einstein falou besteira sim?


Fonte: Bad Astronomy

10 comentários em “Medição de Neutrinos: Vocês estão fazendo errado

  1. Sempre me aparece um metido a sabixão falando que desprovaram Einstein e quase sempre é o mesmo que diz que datação por carbono não tem como funcionar… Haja paciência.

    Uma correção: Neutrino não tem carga elétrica. Se eles não tivessem massa, não haveria discussão se Einstein estava errado ou não.

  2. O bom da ciência é que ela não é composta de dogmas. A Teoria da Relatividade resiste a todos os testes de falseabilidade não porque ela foi imposta por um profeta sabe-tudo, mas porque Einstein formulou a melhor teoria para explicar o funcionamento do Universo tal como o conhecemos (até hoje).
    A metodologia utilizada pelo OPERA continha vícios e eles deixaram de realizar uma coisa básica em investigação científica, que é exatamente a crítica dos métodos utilizados na obtenção dos resultados.
    Einstein venceu a parada porque a turma do OPERA não operou direito e pagou o maior mico científico de 2011.

  3. “(…) eu estava certo ao não acreditar no que sai na imprensa logo de saída.”
    Imprensa é imprensa… E o que teve de gente que acreditou de primeira… Até professor de Física (bom, a formação brasileira não é das melhores mesmo).
    Ô gente que acredita em tudo que lê.

  4. O interessante é que a notícia dos neutrinos “velozes e furiosos” circulou por praticamente todos os veículos de informação, mas quando vieram outros cientistas questionando os resultados do experimento, houve um destaque bem menor. Acho que os veículos de informação deveriam ter mais responsabilidade e cobrir o assunto por completo e não só a parte fantástica do mesmo.

    1. Jornal vive de manchetes. Uma manchete do tipo “EINSTEIN ERROU” é muito mais chamativo do que “MEDIÇÃO ERRADA DEU RESULTADOS FALSOS”.

      Pior é “blog de tecnologia” que fez um escarcéu e vendeu até que teríamos velocidade de dobra (que não tem nada a ver com viajar em velocidade da luz), mas não se dignou de acompanhar o desenrolar da coisa. Isso é falta de caráter e fica patente a vontade de apenas gerar visitação e não informar (eu informo mais e gero mais visitação, mas vai explicar isso pros retaradados).

      1. @André, Verdade, jornais não se importam com a informação e sim com o que ela pode render.
        Com o que você disse sobre o “blog de tecnologia” podemos os dois lados da internet, o lado dos que querem compartilhar conhecimento e o dos que querem apenas popularidade, mesmo que isso custe distorcer e esconder informações
        .
        Sobre a velocidade de dobra, alguns conhecidos meus que gostam de ufologia vieram me dizer que a descoberta de partículas mais rápidas que a luz mostra que é possível ter civilizações que viagem a velocidades muito superiores a luz e que, com essa capacidade, estariam nos visitando (Claro que os detentores desta ideia ignoravam a 3ª lei de Newton e as implicações temporais da relatividade especial).
        Agora eu temo que eles digam que existe uma conspiração querendo encobrir a possibilidade de alienígenas viajarem mais rápido que a luz.

        Teve um outro camarada que disse para mim que espíritos podem aparecer em qualquer lugar porque são “feitos” de neutrinos. Depois disso, decidi não discutir com ele!

        1. Espírito de neutrino? Olha, essa é nova. Já vi gente defendendo “aparições” e ectoplasmas mediante a E = mc², onde os espíritos absorviam energia ambiente para gerar matéria e era por isso que os locais ficavam frios, pois o calor era convertido em matéria.

          Daí eu fiz uma conta rápida de quanto calor teria que absorver para gerar um corpo de 20 kg e mostrei o absurdo disso (praticamente, uma era glacial domiciliar). Mesmo assim a criatura não se convenceu, coisa que eu já esperava.

  5. O troll face do Einstein não tem preço e como já aprendi a não confiar muito nessas mídias sempre procurei me informar diretamente aqui.

    O pessoal do Opera acharam que ganhariam um Nobel mas o que conseguiram foi passar vergonha. Mas o pior é que ainda tem gente que não só ainda acham que eles estavam certo como ainda acreditam que a velocidade dos neutrinos medida pode ser muito maior. Aí não dá para discutir…

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s