As semelhanças morfológicas entre golfinhos e crocodilos

Poloneses são tão sádicos quanto qualquer um, segundo pesquisa
Como o cheirinho de chuva pode lhe trazer doenças

 

Em Biologia Evolutiva existe uma coisa chamada “Convergência”. São soluções que duas espécies totalmente distintas encontram para um mesmo problema, mesmo quando uma não tem nada a ver com a outra. A morfologia do golfinho e do tubarão é um perfeito exemplo. Elas são bem parecidas, mesmo levando em conta que tubarões são peixes e golfinhos são mamíferos.

O mesmo acontece com crocodilianos (répteis) e baleias (mamíferos). Mesmo que o ancestral comum a ambos tenha 288 milhões de anos, esses dois bichinhos fofos guardam ainda muitas semelhanças, e é função da ciência saber quais são elas e como se desenvolveram.

O dr. Matthew McCurry é pesquisador do Departamento de Anatomia e Biologia do Desenvolvimento da Universidade Monash, na Austrália. Ele não curte esse negócio de coala a parada dele é coisa mais sinistra, como crocodilos malvadões.

McCurry, que não é dono de nenhum fast food na Índia, e seus colaboradores estudam como tanto os crocodilianos quanto as baleias possuem mandíbulas revestidas com dentes cônicos e uma matriz semelhante a um focinho. Rastreando a história evolucionária dos dois, ficou-se observado que ambos adquiriram essa morfologia de forma independente.

Convergência, saca? O problema é que até agora ninguém tinha dado a menor bola do porquê. Então, McMelt, digo, McCurry resolveu dar uma fuçada no focinho de ambos, com o auxílio de um treco chamado “morfometria tridimensional”.

Como você sabe algo de grego, sabe que morfometria significa “medir formas” e tridimensional porque é em 3 dimensões e tudo fica melhor em 3D, exceto filmes, que normalmente ficam escuros e só saem assim para extorquir dinheiro do pessoal. Aliás, o último filme bom em 3D que eu vi foi Mad Max, Rota da Fúria e antes dele o Atividade Paranormal: Dimensão Fantasma. Os filmes da Marvel não parecem ter imersão. Além disso, temos que ver que a tecnologia…

NÃO MUDA A PORRA DO ASSUNTO!

A morfometria 3D analisa e quantifica as diferenças anatômicas entre formas de crânios, de forma que possamos medir o quanto uma caveira é igual à outra. Depois de examinar variações entre 75 mandíbulas e 97 crânios de crocodilianos e baleias dentadas, McCurry e seu pessoal foram capazes de definir alguns detalhes mais específicos desta ocorrência.

As formas da baleia dentada e do crânio crocodiliano possuem dois tipos de morfologia. Uma é morfologia brevirostrina, com crânios curtos e largos, e a outra é a morfologia longirostrina, ou seja, crânios longos e finos. O focinho abafado de um crocodilo-anão é o mesmo de uma orca, com crânios em forma de U. Já botos e gaviais possuem crânios longos, finos e com focinhos retos. A alimentação de presas semelhantes permitiu a evolução de crânios extremamente semelhantes, pois nos zilhões de espécimes que foram aparecendo, este formato foi o mais eficaz, e o processo evolutivo sempre seleciona o que for melhor adaptado.


Os crânios de um golfinho-do-rio-prata, gavial, orca e crocodilo anão. Dimensões modificadas para ter o mesmo comprimento.

Evolução não faz as coisas porque é um capricho. Ela nem faz nada. O longo processo por seleção natural faz com que indivíduos sejam selecionados mediante as necessidades impostas pelo amente. Sobrevive quem puder; e se uma solução pode ser adequada a vários, os processos de tentativa-e-erro fatalmente gerarão receitinhas básicas que servirão para mais de um tipo de ser vivo.

A pesquisa foi publicada na Proceedings of the Royal Society B.

Poloneses são tão sádicos quanto qualquer um, segundo pesquisa
Como o cheirinho de chuva pode lhe trazer doenças

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • Marcello Jacob

    Texto muito bom! Sempre irreverente, divertido e prazeroso de se ler… Parabéns e obrigado por trazer a luz do conhecimento informações como estas, que podem até não servir para muitas coisas mais, além de entretenimento intelectual, mas que para poucos fazem muita diferença!