Papa diz que Ciência precisa da fé para compreender realidade

Francês calcula número pi com 2,7 trilhões de dígitos
Sistema Solar pode ser mais compacto do que se pensava

Taí algo que me surpreende (não muito): Quando o Suco Sumo Pontífice não tem muito o que fazer em casa e resolve ser cada vez mais tolo, falando sempre mais bobagens. Não que eu me espante em ele falar bobagens. O que me espanta é uma bobagem ser sempre maior que a outra.

O Papa Chico Bento XVI afirmou nesta quarta-feira (06/01) que a Ciência não basta para compreender a realidade que só pode ser apreendida através da unidade entre “inteligência e fé, ciência e revelação”, que foram as duas luzes que guiaram os Reis Magos a Belém. Primoroso isso, não? Ainda mais que há certos “probleminhas” teológicos nesse quesito, mostrando que o Imperador Palpatine Ratzinger tem que voltar pra aula de catecismo.

Após a missa da Epifania do Senhor realizada na Basílica de São Pedro, Bentão XVI rezou o Ângelus diante de cerca de 6 mil patetas pessoas na praça do mesmo nome, onde há um enorme presépio. lá, ele reafirmou suas bobagens sobre a necessidade de uma Ciência que não seja “autossuficiente”, aberta a “posteriores revelações e chamadas divinas”. Só havendo um contratempo: Quais revelações? Sim, porque, pelo que sei, Deus é tímido ou péssimo fotógrafo, já que não anda revelando nada ultimamente, se é que revelou algum dia. Será que Javé usa máquina digital?

Bentão caiu na enorme besteira de dizer que os Reis Magos “eram modelos dos autênticos buscadores da verdade” e “sábios”, mas não se envergonharam de pedir instruções aos chefes religiosos da Judeia para chegar a Belém. Além disso, os ditos “Reis Magos”, que observavam os astros e conheciam a história dos povos, “tinham necessidade das indicações dos sacerdotes e dos escribas para saber exatamente o lugar para onde ir”, explicou.

Posso jogar um caldeirão de óleo fervente nisso tudo? Vamos lá, e com respaldo bíblico! NÃO HOUVE 3 Reis Magos. (silêncio no auditório)

Vamos examinar Marcos. Marcos não fala nada do nascimento de Jesus. O Mendigo Palestino cai de para-quedas na história, logo durante o batismo. Sem nascimento, sem Estrela Errante, sem Reis Magos e muito menos a cena da manjedoura. Nadinha de nada. Mal aí!

Em Mateus, temos o relato da genealogia de Jesus a partir de Adão (sim, há outro grave contradição aí, mas fica pra outro dia) até o Jóquei de Jegue, que ocupa os 22 primeiros versículos do primeiro capítulo (estou seguindo a versão Ave Maria, que é a Bíblia Católica). No capítulo 2, Jesus nasce em Belém (não no Pará) e o primeiro versículo diz:

Mateus 2:1 – Tendo, pois, Jesus nascido em Belém de Judá, no tempo do rei Herodes, eis que magos vieram do oriente a Jerusalém.

Magos, e não “Reis Magos”. No texto em grego, lemos

Ματθαιος 2:1 – του δε ιησου γεννηθεντος εν βηθλεεμ της ιουδαιας εν ημεραις ηρωδου του βασιλεως ιδου μαγοι απο ανατολων παρεγενοντο εις ιεροσολυμα

É, fala em magos, mesmo. O probleminha é que “mago”, em grego, não significa apenas alguém que faz magia (magia? Mas isso não é proibido por Deus numa das 613 Leis Mosaicas?). Pode ser simplesmente uma pessoa sábia. Acontece que o trecho de Mateus não fala que eram reis, não disse que eram cientistas (mas ok, vou considerar uma pessoa sábia como cientista,já que estudo era coisa de poucos, mesmo) e muito menos a quantidade. fala que eram magos, mas não quantos eram e – pior ainda! – não se sabe QUEM eram e DE ONDE eram. A coisa tá ficando feia.

Lucas começa seu evangelho com um blábláblá imenso, parecendo livro do Sidney Sheldon. No capitulo 2, José, o Santo Corno, vai com Maria de Nazaré pra Belém (tá, ok. Nazaré não existia nessa época e a história do censo é fajuta, mas isso não é o importante agora). Chegando lá, maria deu a luz. O blábláblá continua com os pastores indo e vindo. Apareceu um exército celeste e coisa e tal. Depois de 8 dias, o morel cortou um naco do pinto de Jesus fora (tem uma igreja que venera a relíquia do Santo Prepúcio), mas nada de reis, magos ou Reis Magos.

Vejamos João, o evangelho mais rebuscado literariamente, com um poema no início bem legal. Como literatura é ótimo, como demonstração da verdade… bem, ninguém é perfeito. A bem da verdade, João também não fala nada do nascimento milagroso de Jesus, onde Maria foi fecundada pelo Espermatozóide Santo. Assim, só nos resta o único relato dos Reis Magos no Evangelho segundo Mateus.

A Catedral de Colônia abriga os ossos dos supostos 3 Reis Magos. Eles ficam dentro de um santuário de ouro e talvez sejam as únicas relíquias restantes de pessoas que realmente tenham conhecido Jesus, mas como pode-se ter certeza que estes eram os tais Reis Magos? Não tem como. São os famosos dogmas. Não é porque os ossos são antigos que poderemos dizer que são os 3 patetas Reis Magos. E se foram 4, 5 ou mesmo 20 magos? A única pista seria a quantidade dos presentes ofertados (ouro, incenso e mirra), mas será que isso é suficiente para atestar que eram apenas 3? Ou, mais plausível, não passa de mais uma besteirada dogmática, onde relíquias são inventadas para defender um mito. E. P. Sanders descreve as histórias da natividade como “os mais claros casos de invenção nos Evangelhos” (Sanders, E. P. – The Historical Figure of Jesus , 1993, p.85). São Beda, o Venerável (673-735), no seu tratado “Excerpta et Colletanea“, é quem dá nome aos bois, digo, aos magos. De onde ele tirou essa informação? Ninguém sabe. Deve ter recebido algum e-mail celestial.

Isso posto, fica claro a enorme BESTEIRA que o Papão falou. Os Reis Magos não existiram nem na Bíblia! Quem são eles para servir de modelo? Segundo Bentinho, “eram homens de ciência em um sentido amplo, que observavam o cosmos e o consideravam praticamente como um grande livro cheio de sinais e mensagens de Deus para o homem”. Baseado EM QUE ele afirma isso? Deve ter recebido e-mail celestial também.

Os Reis Magos não são exemplo de nada e sim, a Ciência é autossuficiente, pois não precisa de dogmas escrotos para dizer como ela deve agir ou quais resultados ela deve tomar. Dizer que cientistas precisam estar abertos a posteriores revelações (houve alguma antes?) e chamadas divinas, falar que não devem se envergonhar em pedir instruções, é o cúmulo da arrogância e prepotência (Pecado Capital, Papa. Vais pro Inferno, e lá Nulla Est Redemptio). A ICAR está científicamente morta. Não possui mais poderes para interferir na Ciência. Não podem mais esconder dados, informações ou condenar cientistas à fogueira. Este é apenas um golpe desesperado de um apego a um bote que naufraga no mar do conhecimento, cujas águas começaram a inundar o mundo a partir do Iluminismo.

Fique com seus Reis Magos, Papa, para quando você precisar de auxílio médico ou tomar os remedinhos. Dispa-se da Ciência e ande num carro aberto, sem proteção nenhuma, afinal, você é o Vigário de Cristo e enviado de Deus para arregimentar e ser o Bom Pastor de ovelhas desgarradas. Topa, Papa? Não, claro que não. Hipócritas são covardes por natureza.


Fonte: G1

Francês calcula número pi com 2,7 trilhões de dígitos
Sistema Solar pode ser mais compacto do que se pensava

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας