Sobre dar o Koo, medievalismo e outras providências

As coisas no Twitter estão estranhas, mas parecem que vão se encaminhar, apesar dos histéricos. Elon Musk descobriu que Twitter era um cabide de emprego, com funças agindo como se aquilo fosse uma repartição pública (nem vou dizer brasileira, pois todas as repartições públicas são iguais). Então surgiu o Koo e todo mundo foi pro Koo e o Koo tá bombando.

Continuar lendo “Sobre dar o Koo, medievalismo e outras providências”

A Verdadeira História da Morte

Quando a Indesejada das gentes chegar
(Não sei se dura ou caroável),
talvez eu tenha medo.
Talvez sorria, ou diga:
— Alô, iniludível!

Manoel Bandeira

Se há uma coisa realmente democrática, essa coisa é a Morte. Ela chega para todos nós, brancos, negros, indígenas, amarelos, inuítes etc. Todo mundo nasce, todo mundo vive um certo tempo, todo mundo morre, e isso é válido para todos os seres vivos. Não por acaso, todas as culturas tiveram e têm sua representação da Morte; entretanto, a mais usual hoje – e que permeia a nossa imaginação – é o Ceifador, usando um manto preto, capuz escondendo o rosto e uma enorme foice, daquelas que é preciso usar duas mãos para se usar. O Ceifador (em inglês, Grim Reaper) tornou-se parte da cultura pop, um ícone reconhecido através o mundo em livros quadrinhos, programas de TV, filmes e jogos como um indefectível símbolo da Morte. Como chegamos nessa figura sinistra, que possui diferentes representações, inclusive fofinhas como a Dona Morte do Maurício de Souza? De onde veio esta figura?

Continue a ler AQUI >>

A verdadeira história dos anjos

Anjos são personagens presentes em muitas mitologias, religiões e culturas. São entidades sobrenaturais com alguma incumbência, tarefa ou recado a ser dado, sendo praticamente, garotos-de-recado, mas não apenas isso. De acordo com as diferentes culturas, eles variam de verdadeiros sicários divinos ou apenas alguém servindo de carteiro, ou ainda estando lá apenas para ser puxa-saco divino. Continuar lendo “A verdadeira história dos anjos”

O Control+Tab dos antigos

Quando eu escrevo artigos, não nem que sejam informações paralelas e adicionais, que não necessariamente farão diferença, mas ajudam em trazer mais subsídios para o melhor entendimento ou simplesmente porque é legal saber mais. No caso dos artigos especiais, eu fico com mais de uma janela dedicada a isso, com trocentas abas. É um trabalhão monumental, além de eu me perder várias vezes, mas no fim tudo dá certo.

Entretanto, fica a dúvida: como os antigos historiadores, eruditos, pesquisadores e cientistas faziam quando precisavam consultar mais de uma obra? Continuar lendo “O Control+Tab dos antigos”

A história da censura carola no cinema e TV parte 3

O PG-13

Até agora, vimos como o cinema e TV caíram nas garras da censura do Código Hays, da mesma maneira que os quadrinhos sofreram com o famigerado Comics Code Authority, que também acabou por influenciar o cinema e a TV. Hoje, como você bem deve saber, a larguíssima maioria dos filmes de super-heróis saem com a classificação PG-13, mas você já se perguntou o que é esse PG-13 e de onde ele veio? Bem, já antecipo que ele veio para controlar as produções de diferentes tipos de filmes, não apenas de super-heróis, mas antes vamos entender como era a classificação do cinema após o fim do Código Hays. Continuar lendo “A história da censura carola no cinema e TV parte 3”

Analisando séries e filmes de super-heróis XXIV

Gotham City: Onde é, quais as suas origens?

Para vocês verem como uma conversa despretensiosa pode desenrolar muito. Eu comentei a cena do filme The Batman em que o Charada detona caminhões com explosivos e rompe os diques de Gotham inundando a cidade, e que isso não faz sentido, porque Gotham não está abaixo da linha do mar.

Mas afinal, Gotham fica onde? É realmente algo como a Holanda? Continuar lendo “Analisando séries e filmes de super-heróis XXIV”

Palavrões em outros idiomas que você nunca viu

Viagens de ônibus da casa pro trabalho e do trabalho pra casa são tediosas. A gente fica lá sentado (quando não fica em pé, rezando pra viagem terminar logo) e a mente vagueia. Alguns ficam no whatsapp, outros no facebook e alguns ficam dormindo mesmo, já que o trajeto é longo. Eu não fico no watzup nem no “feice”. De vez em quando, fico jogando, mas hoje estava com algum pensamento sem noção, como normalmente ficamos quando estamos entediados. Por algum motivo fiquei pensando em palavras.

Sim, o tédio é uma merda. Continuar lendo “Palavrões em outros idiomas que você nunca viu”

Ea-Nasir: o pior comerciante da História

Imaginem um sujeito tosco para negócios e que acha que pode passar incólume. Esse devia ser Ea-Nasir, o sujeito que achou que podia dar o cano nos outros e ficar por isso mesmo. Bem, podemos dizer que ele quase tinha razão.

Só quase. Nanni não ia deixar barato e deixou para a posteridade sua reclamação. Continuar lendo “Ea-Nasir: o pior comerciante da História”

O modelo de ensino tradicional que forjou um império

Quando a gente fala “escola”, imediatamente se pensa em lousa, cadernos, anotações e professor corrigindo tarefa. Bem, não é muito diferente ao longo dos séculos, com alunos escrevendo as tarefas e os professores corrigindo usando TCHARAAAAAAAAAAN tinta vermelha.

Pedagogas chorando copiosamente agora. Continuar lendo “O modelo de ensino tradicional que forjou um império”

Analisando séries e filmes de super-heróis XVII

Justiça que faltou para a Liga, ou Liga Whedonverse

Liga da Justiça é um filme bastante controverso e teve um festival de problemas. De todos os tipos. O filme estava atrasado, o orçamento estourou e a filha do Zack Snyder cometeu suicídio, deixando o cara na pior, compreensivelmente. Vamos falar um pouco sobre os dois filmes, mas antes, o pano de fundo. Continuar lendo “Analisando séries e filmes de super-heróis XVII”