Cachaça indiana manda um monte pra vala

Em fins da década de 1990, foi muito noticiado que uma aguardente – daquelas que passarinho não bebe – causou a morte de 35 pessoas em dez cidades do sudoeste da Bahia. Amostras analisadas mostraram que elas continham entre 2,85% a 24,84% de metanol. Sabem quanto deveria ter? Zero!

Claro, você pensa que só em rincões de Deus me livre, povoado com gente extremamente estúpida aconteceria isso. Bem, isso aconteceu num rincão de Shiva me livre na Índia e… bem, aconteceu num rincão de Shiva me livre na Índia.

O caso aconteceu em distrito de Botad e da cidade de Ahmedabad, no estado de Gujarat. Curiosamente, não foi em Uttar Pradesh dessa vez; pelo menos, por enquanto. De qualquer forma pelo menos 42 pessoas foram dar uma voltinha nos diversos círculos cármicos enquanto mais de 100 ainda estão hospitalizados. Isso porque mandaram para dentro alguma beberagem feita num fundão de quintal, achando que iam sextar de boas.

Claro, a bebida não é industrializada, mas sim “artesanal” (no mal sentido), já que, em Gujarat, é proibida a venda, fabricação, distribuição e consumo de bebidas alcoólicas. Não, nem um golezinho daquela que matou o guarda. Também não pode ser pego com copo na mão, e dizer que estava oferecendo para Indra e suas apsaras vai dar muito ruim.

Bem, ruim deu de qualquer jeito, e as autoridades estão bem boladas com isso. Diversos órgãos governamentais estão investigando de onde veio a manguaça e alertando para aqueles que beberam a Vishnu Louca corram pros centros médicos caso tenham consumido álcool nos últimos dias.

Sim, vão muito. Aham!

Um dos investigados teria vendido solvente industrial para pequenos contrabandistas que faziam suas beberagens localmente. Como chegaram no metanol, eu não sei, mas eu imagino como.

Quando se calcula quanto de fermento você vai usar para… bem, fermentar o açúcares e produzir álcool, um químico de verdade leva muita coisa em conta, principalmente temperatura. O motivo é que açúcares passam por fermentação alcoólica produzindo álcoois (obviamente). Só que álcool, como você notou pelo plural, é mais de um, pois é uma classe de substâncias, mas você só quer o etanol.

Então, você separa os álcoois de cadeia grande e um álcool de cadeia pequena, que é justamente o metanol, porque metanol é altamente tóxico. Claro, quando algo é industrial, com supervisão de químicos (com eles a oração e a paz). Feito na base do contrabando, num fundão de quintal, claro que só podia dar merda, e agora, vão correr atrás do prejuízo, e quem vendeu/comprou vai é ficar na moita.

Podem ter certeza: vai aparecer mais gente morrendo. Alguns nem vão divulgar, claro, mas para se ter uma ideia, em fevereiro de 2019, pelo menos 154 pessoas morreram e mais de 200 foram hospitalizadas após beberem manguaça batizada com metanol em Assam. Podem contar que os números não serão inferiores.


Fonte: CNN

6 comentários em “Cachaça indiana manda um monte pra vala

  1. Eu lembro de uma história de cachaça envenenada quando eu era criança (final dos anos 80, começo dos anos 90) e como eu morria de medo daquilo. Eu não sei o que a minha cabecinha inocente achava que era cachaça, mas se tava envenenada podia me pegar. Anyway. Eu não parei pra pensar que a beberagem não precisa estar necessariamente envenenada, mas contaminada, pra mandar alguém pra vala. Haja círculo cármico pra esse povaréu.

  2. Agora fiquei preocupado! Meu kefir d´água e meu kombucha podem me matar? André responde aí, #dicadeartigo

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s