Ozônio é nova modinha. Darwin se lambe todo

A falta de assunto na semana levou os jornais a se lembrarem dos tratamentos esquisitos, como a ozonoterapia, por exemplo. A ozonoterapia é uma terapia que emprega gás ozônio, uma variedade alotrópica do oxigênio, apresentando três átomos do referido elemento em sua molécula, ou seja, sua fórmula é O3.

O problema do ozônio é que ele é um gás muito oxidante e corrosivo, e estas propriedades eram empregadas para tratar problemas na pele, só que virou festa e querem usar para tudo, inclusive enfiar no ânus com brados retumbantes, imagino. Continuar lendo “Ozônio é nova modinha. Darwin se lambe todo”

Procurou espetada, ganhou um buraco

Existe gente burra, muito burra, extremamente burra e quem acredita na Tradicional Medicina Chinesa do escambau a quatro. Indo direto ao assunto, uma dona resolveu acabar com suas dores no pescoço. Onde ela foi? Num ortopedista? Não. Num clínico geral? Claro que não. Fisioterapeuta? Óbvio que não. Ela foi num massoterapeuta que recomendou acupuntura. Como ela estava com dor no pescoço, o acupunturista achou que tinha que meter as agulhas nas costas. Sim, faz sentido, né? Deve fazer, não sei. Continuar lendo “Procurou espetada, ganhou um buraco”

No Irã, divisão pré-crime já fica de olho se a mulher engravida. Vai que queira abortar!

Texas Irã podem andar de mãozinhas dadas. Não tanto por causa da religião, mas por ambos detestarem abortos. Mas há algumas diferenças. Primeiro, no Texas o aborto é proibido mas não tem pena de morte (ainda), enquanto no Irã não é tão bonzinho assim. Em segundo lugar, no Texas esperam acontecer primeiro para depois processar. No Irã, a “Justiça” é um pouquinho mais rápida e denunciam mulheres grávidas antes de qualquer coisa, já para prevenir que elas sequer tenham a ideia de fazer um aborto.

Sabendo que há coisas que só o Fundamentalismo religioso pode proporcionar, esta é a sua SEXTA INSANA! Continuar lendo “No Irã, divisão pré-crime já fica de olho se a mulher engravida. Vai que queira abortar!”

EU! EU! EU! O xamã pegou COVID!

Eu confesso: não sou uma pessoa pura de coração. Chocante, não é, mesmo? Eu adoro, amo de paixão, fico vibrando de alegria quando algum miserável se da mal, naquele sentimento que, em alemão, se escreve Chádesefodeu (ou algo assim).

O que me deixou afim? Foi saber que um xamã que recomendava água benta para tratar COVID acabou sendo vítima do coronga. Eu fico muito triste com uma notícia dessa.

Continuar lendo “EU! EU! EU! O xamã pegou COVID!”

O crime perfeito na ponta de uma agulha

O corpo lívido, sem vida, estava submerso na água serena numa casa às escuras e só a luz trêmula do banheiro banhava de uma luz amarelada o que ocorrera. Seu corpo nu e belo, alvo mesmo quando era viva, não veria a luz do sol novamente, mas em contrapartida não indicava sinais de violência. Uma morte em paz, sem dor ou desespero… ou assim parecia. Sapatos engraxados adentraram o banheiro, sujando-o. Outra pessoa, com o pijama encharcado, mostrara a cena. O homem do sapato engraxado parou em frente à cena; sim, ela está morta, senhor. Outros sapatos chegaram, analisaram criticamente o que estavam vendo. Não havia sinais de crime, mas algo não parecia certo perante aquela visão que poderia ser vista como uma foto artística, mas era um acontecimento bizarro por causa dos detalhes que pareciam não se encaixar.

Eram 23 horas e 30 minutos do que parecia ser uma noite calma do dia 3 de maio do ano de nosso Senhor de 1957. Elizabeth Barlow então desprovida da luz de seus olhos, jazia morta em Bradford, Yorkshire, no Reino Unido. E ninguém sabia como… ou por quê. Se era um crime, era um crime perfeito. Continuar lendo “O crime perfeito na ponta de uma agulha”

Professor babaca achou que COVID era besteira e acabou se contaminando. Darwin que cuide

Eu acho que as pessoas têm o direito inalienável de serem estúpidas, burras e desinformadas. O problema é quando gente com formação age como alguém burro, estúpido e desinformado. Um perfeito exemplo deste tipo de idiota é Abderrahmane Fadil, um imbecil que trabalha na Inglaterra como professor. Ele não acreditava no COVID, se achava o tal, com peito de aço. O problema? Este energúmeno não é professor de Sociologia, mas de Ciências. Continuar lendo “Professor babaca achou que COVID era besteira e acabou se contaminando. Darwin que cuide”