CREMESP diz “foda-se você e seu parente no hospital”

Meu pai esteve doente no final do ano passado. Uma série crise renal o fez ficar internado. Seus níveis de eletrólitos não estavam altos. Estavam altos pra caralho! Algo como dez vezes mais do que deveriam estar. Ele ficou internado e eu não pude visita-lo, porque o hospital estava lotado com casos de coronavírus. No máximo, os médicos saíam para falar com os familiares que estavam do lado de fora e que também não podiam visitar seus parentes. A única forma que eu pude falar com ele foi através de vídeo-chamadas feitas pelo celular da equipe médica. Segundo meu pai, foi assim que ele conseguiu suportar os dois meses lá, passando natal e réveillon longe da família.

Por sorte, não moro em São Paulo. Segundo o CREMESP, fazer vídeo-chamada viola o direito à dignidade dos pacientes. A pessoa só fica digna quando fica abandonada num leito de hospital, sem poder falar com ninguém. Ok, né? Continuar lendo “CREMESP diz “foda-se você e seu parente no hospital””

Artigos da Semana 57

Esta semana quase foi perfeita. Infelizmente, nada de feriado aqui no Rio, porque anteciparam tudo, o que não fez diferença antes. A semana só não foi péssima porque sempre podemos contar com alguns visitantes idiotas que coroam a área de comentários com suas diarreias mentais. Com isso, tivemos mais uma edição do Voz dos Alienados, mas não só isso. Teve helicóptero voando em outro planeta e idiotas fazendo o favor de se retirarem do mundo por terem ido caçar onde não deveriam.

Vamos para mais uma série de artigos postados durante a semana!

Continuar lendo “Artigos da Semana 57”

Voz dos Alienados 109

Estavam com crise de abstinência, né? Eu também. Sinto falta quando o bando de malucos não passa por aqui e deixa as suas perfeitas mostras de imbecilidade. Mas eles são ótimos em sempre nos ajudar, escrevendo o monte de insanidades, dignas das mentes mais do que perturbadas.

Bem, chega de palavrório. Vamos à sua série favorita: VOZ DOS ALIENADOS!

Continuar lendo “Voz dos Alienados 109”

Caçador idiota é morto por elefantes na África do Sul. Eu ri, Darwin mais ainda

Ok, todo mundo fez esta piadinha e vou fazer também. Me processe, mas realmente um dia é da caça outro é do caçador. No caso, o dia de se ferrar foi do babaca que teve a “brilhante” ideia de ir caçar escondido  numa reserva e Darwin estendeu o dedinho dizendo “not today”, e o vagabundo acabou pisoteado por uma manada de elefantes.

Continuar lendo “Caçador idiota é morto por elefantes na África do Sul. Eu ri, Darwin mais ainda”

Portland quer manter as normas de distanciamento e uso de máscara. Pessoal chilicou

Em dezembro de 2020, eu tinha escrito que vocês podiam me chamar de paranoico. As vacinas estão um perrengue até hoje, com vários políticos se estapeando para saber quem vacina quem. Eu falei que ia ficar na minha, bem acastelado, além de continuar saindo na rua de máscara. Adorei não pegar resfriado em ônibus lotado. A máscara ajudou bastante e vou continuar com ela.

Já Portland, no Oregon, achou que esta é uma excelente ideia e vai continuar com as medidas restritivas, como distanciamento social e obrigatoriedade de máscara. Sim, pessoal está chilicando. Continuar lendo “Portland quer manter as normas de distanciamento e uso de máscara. Pessoal chilicou”

Artigos da Semana 56

Esta semana está muito legal. Primeiro porque eu ganhei uns dinheiros que alguns de vocês me mandaram (MUITO OBRIGADO!). Em segundo porque comecei mais uma série, dessa vez sobre automação. Não será rápido nem postarei tudo de uma vez. Escreverei quando tiver vontade. Mal aê. Em terceiro, voltei a escrever sobre religião. Dessa vez, sobre a origem da festividade de Corpus Christi. Você curte o feriado, mas quer saber de onde veio? Aqui eu explicarei.

Divirtam-se!

Continuar lendo “Artigos da Semana 56”

Butão só aplica vacina se João Bidu deixar

O Butão é um lugar maneiro. Não, sério, eu realmente acho isso. Lá nos cafundós do Himalaia, a paisagem tem um quê de alienígena e de filme de kung fu com aqueles templos e fortalezas. O Butão tem 763.092 habitantes, ou seja, um bairro do Rio de Janeiro, e conseguiu a proeza de vacinar 93% da população adulta (cerca de 472 mil pessoas, praticamente um condomínio); mas teve um porém: tiveram que esperar que a astrologia batesse.

Hein? Pois é. Continuar lendo “Butão só aplica vacina se João Bidu deixar”

Russos metem bronca porque exorcismo não é bagunça

2020 e 2021 foram anos punk e não vamos ter calmaria tão cedo. Os anos estão tão satânicos, endemoniados, assombrados e amaldiçoados, que só apelando para exorcistas, mas a grana não tá dando pra isso, já que estamos gastando horrores com máscaras e álcool-gel. Enquanto isso, uma comissão teológica da Igreja Ortodoxa Russa está preparando uma nova proposta para regulamentar procedimentos de exorcismo, já que até para ir ao banheiro russos fazem planos. Continuar lendo “Russos metem bronca porque exorcismo não é bagunça”

Desocupados que fingem ter poderes premonitórios sobre o tempo agora em casa, de boas

O que mais aparece em reportagens são matérias criticando o Primeiro Energúmeno por não respeitar a ciência e não dar valor aos cientistas. Claro, estão cobertos de razão ao apontar isso. Realmente, deveríamos ter maior zelo pela Ciência. Acho que isso devia ser tão a regra que os próprios jornais deveriam segui-la. Continuar lendo “Desocupados que fingem ter poderes premonitórios sobre o tempo agora em casa, de boas”

Árvore racista gera climão na escolha de mascote de colégio

Nada é tão maluco que um bando de idiotas metidos a politicamente correto não possa fazer ser mais imbecil. Imaginem uma árvore. Pois, é, uma árvore. Agora diga que a árvore remete ao racismo. Sim, isso mesmo. Um bando de pedagogos débeis mentais (desculpem o pleonasmo) de uma escola de Portland, EUA, ficou com medinho de magoar pessoas. Ficaram protelando uma votação para mudar seu mascote. A imensa preocupação é que escolheram um pinheiro como mascote e pessoal rasgou a roupa e chorou sangue porque pinheiros são racistas… ou algo nesse sentido Continuar lendo “Árvore racista gera climão na escolha de mascote de colégio”