Charlatão promete curar autismo com urina

E o que ia acontecer aconteceu
Adolescentes psicopatas queriam matar crianças, beber o sangue e comer a carne delas

Vamos começar com algumas verdades. Primeiro de tudo: ninguém gosta de estar doente. Ninguém sequer quer ter um resfriado, quanto mais uma doença mais séria. Em segundo lugar: ninguém gosta de ver um ente querido doente. Não é facilmente aceitável, não é nada fácil ter que aceitar que um filho seu tenha uma doença incurável. A Medicina nos deu a cura de muitas coisas, mas não pra tudo. Ela tem limitações, e daí chega uns desclassificados dizendo que tem a cura para aquilo que a ciência não tem cura. As pessoas, no desespero, aceitam, tentam de tudo. Pacientes e familiares acabam caindo na mão de desclassificados, como um vagabundo que alegou que pode curar autismo com… mijo.

Josep Pàmies Brief é um agricultor tosco da Espanha que inventou que deveria divulgar os incríveis efeitos terapêuticos da estévia (aquele adoçante natural que a Coca-Cola tentou colocar no mercado, mas só deu algo com gosto ruim), maconha e o tal do MMS para curar várias doenças. Este ridículo é anti-vacina e se opõe à criação e comercialização de alimentos transgênicos.

Ah, sim! Ele também afirma que o HIV e a hepatite C não existem.

O Departamento de Saúde da Catalunha meteu-lhe uma multa de 30.000 euros por ele vender em seu site misturinha de plantas para o tratamento de câncer e leucemia (mais tarde, esta multa foi reduzida para 18 mil euros), e outra multa de 90.000 euros pela a venda de MMS para o autismo.

Esse MMS é o chamado Suplemento Milagroso Mineral, uma mistura de vinagre e clorito de sódio, que juntos formam dióxido de cloro que, assim dizem os retardados que defendem esta merda, pode curar várias doenças, como autismo e câncer. Não, você não encontrará periódicos defendendo esta insânia, mas isso porque a Big Pharma impede. A mesma Big Pharma que permite que o SUS aqui distribua medicamentos de graça e o Governo Brasileiro tenha instituído a Lei dos Genéricos e toda hora quebra a patente de medicamentos caros.

Um dos seguidores deste desclassificado é outro pulha chamado Gregorio J. Placeres, um porto-riquenho que se apresenta como químico, mas tenho sérias dúvidas quanto a isso. Ele defende essa merda de MMS. Segundo este escroto, a cura do autismo é possível, começando por um diagnóstico que pode ser feito pelos próprios pais da criança por meio de pergunta simples.

Sim, isso mesmo! Enquanto profissionais especializados demoram meses para determinar a condição da criança (autismo não é uma doença, é um espectro que envolve diversas doenças genéticas que afetam o comportamento e o desenvolvimento), com 10 minutos você mesmo pode dizer o que seu filho tem. Daí passa a grana pro criminoso do Placeres e VIOLÀ! O tratamento pode ser desde ervas naturais, passando por sementes, mel, canela, damasco e a merda do MMS do inferno!

Mas calma! Calma que piora!

Placeres ainda tem um outro tratamento muito efetivo contra o autismo: urina. Sim, mijo! Mijo parece ser a salvação da lavoura e do autismo. Mas não mije nas suas plantas.

A “terapia” consiste em cinco gotas de urina da criança (ou do pai, irmão ou um parente do mesmo sexo because reasons) em cada orelha logo pela manhã. A urina teria anticorpos e uréia, os quais não deixam os estreptococos crescerem, o que causa mau comportamento em crianças e os ajuda a perder as obsessões que têm com suas coisas.

A única coisa que ele acertou é que urina tem ureia.

Tudo isso é contado em grupos fechados do Facebook e WhatsApp. Alguns jornalistas (falei jornalista, não jornaleiro que noticia quem está pegando quem nas festas) se infiltraram nesses grupos e o que descobriram foi uma espécie de seita.

Claro, a principal forma que aceitem as bobagens que você fala sem nenhuma evidência científica é tratar aquilo como uma religião. Você não é contestado. Se alguém contesta, você é execrado, xingado, vilipendiado. Tipo quando eu e vários divulgadores científicos denunciamos aquela insânia da fosfoetanolamina. Apelam pro emocional e pra informações desconexas, como o autismo ser causado por vacinas, metais pesados e parasitas. Claro, 5 minutos de Google desmistificaria isso, mas as pessoas não estão mais no mundo dos sites. Estão no mundo dos grupos de redes sociais diversas. Ninguém questiona, aceitando tudo o que é dito. Motivo? Quem entra nesses grupos já tem uma simpatia pelo tema, já acredita naquilo e/ou está desesperado. Se não acredita, passa a acreditar.

O pensamento crítico não é tolerado. Você não pode pedir provas. Têm que aceitar e ficar calado, como nas piores teocracias. O desespero faz com que as pessoas precisem acreditar que aquela cura mágica é de verdade. Como eu falei antes, ninguém gosta de ter familiar doente. Ainda mais quando é doença incurável. A pessoa PRECISA que haja uma cura e depositará seu coração e seu dinheiro no primeiro que lhe disser as palavras mágicas “eu tenho a cura e ela é simples”.

Esse tipo de grupo se alastra como uma praga, e não adianta ensinar o certo. Isso vai de encontro ao desejo de acreditar, pois o mundo é uma grande conspiração. Mesmo você apontando que 80% dos casos de câncer são curáveis, não adianta. A Big Pharma precisa de pessoas doentes. Você aponta que o Governo quebra patentes, não aceitam LÁ LÁ LÁ LÁ LÁ, Big Pharma. E isso abre portas para estes criminosos vendendo mijo para curar pessoas.

Não, educação não mudará isso., o apelo dramático será sempre maior que o conhecimento racional e fundamentado em 2 mil anos de ciência médica. A ignorância é uma bênção. Mesmo que o familiar morra, não funcionou por culpa dos outros, não por causa de um tratamento mentiroso. Ninguém vai querer admitir que foi manipulado ou mesmo burro de acreditar em qualquer um sem nenhuma prova. E mesmo assim este lixo será expandido, pois, vai que na próxima vez funcione…?


Fontes:

E o que ia acontecer aconteceu
Adolescentes psicopatas queriam matar crianças, beber o sangue e comer a carne delas

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!