Identificada substância-chave na expressão de genes do autismo

Need for Speed para cirurgiões. Eu quero brincar com um!
Jornaleirismo importante: Qual signo rolha-de-poço engorda mais facilmente?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, cerca de 1 em 160 crianças estão dentro do transtorno do espectro autista. Esse espectro é amplo, isto é, autismo não é uma única doença ou transtorno, mas vários, com diferentes graus, referindo-se a uma gama de condições caracterizadas por algum grau de comportamento social prejudicado, comunicação e linguagem, e uma faixa estreita de interesses e atividades que são únicas para o indivíduo e realizadas repetidamente.

Pesquisas já demonstraram que não apenas um, mas vários genes estão envolvidos. Assim fica difícil pesquisar uma cura ou sequer um tratamento. A saída é ver o que é o principal desencadeador do transtorno. E tudo parece estar no difuso mundo das proteínas e suas sínteses.

O dr. Jose Javier Lucas é pesquisador do Conselho Nacional de Pesquisa da Espanha e do Centro de Pesquisa Biomédica em Doenças Neurodegenerativas. Junto com o dr. Raúl Méndez, do Instituto de Pesquisa em Biomedicina de Barcelona, Lucas descobriu que a proteína CPEB4, uma proteína ligante de RNA.

Esta lindinha é uma molécula que regula a síntese de outras proteínas, e em casos de autismo, o funcionamento da CPEB4 normalmente está prejudicado. Os cientistas observaram que os defeitos no CPEB4 levam à desregulação na expressão da maioria desses 200 genes que acabam envolvidos na ocorrência do autismo, em maior ou menor grau.

Os pesquisadores estudaram as alterações na expressão de proteínas em ratos com atividade da CPEB4 alterada. Nisso, foram observadas mudanças que incluíram a maioria dos genes que predispõem os indivíduos aos transtornos do espectro do autista.

Assim, entendendo como ocorre as expressões dos genes relacionados com o autismo, bem como todo o mecanismo bioquímico por trás disso, fica mais fácil a pesquisa e desenvolvimento de medicamentos para, senão curar, diminuir os efeitos do autismo.

A pesquisa foi publicada na Nature. E não, nada de acesso gratuito. No soup for ya.

Need for Speed para cirurgiões. Eu quero brincar com um!
Jornaleirismo importante: Qual signo rolha-de-poço engorda mais facilmente?

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!