A Grande Revolução Tecnológica que não revoluciona

Novas pistas sobre migrações humanas nas Américas
Bactérias sem senso de camaradagem produzem substâncias antibacterianas

Eu adoro revoluções tecnológicas. Pensem no quanto elas mudaram o mundo. Poderei relacionar várias, como a pedra lascada. Dali tivemos ferramentas melhores, armas para nos protegermos, caça etc. Que grande mudança! Outra tecnologia excelente: o arado. Uma quebra total de paradigma. Outro exemplo? As máquinas simples, os teares automatizados e a computação (estou falando de Charles Babbage). Só que as pessoas não entendem o significado de revolução tecnológica. Acham que só porque fizeram um aplicativo, UAU, fizeram uma imensa mudança.

Essa notícia da BBC me chamou a atenção pela manchete. O menino de 14 anos que está à frente da revolução tecnológica pretendida pelo Facebook. Sim, eu já sabia que vinha um monte de besteiras. Não me senti enganado, pois, foi exatamente o que veio.

A grande quebra de paradigmas e a imensa revolução tecnológica é um app tipo chatbot para perguntar se o moleque fez o dever de casa. Maneiríssimo, não?

Primeiro, isso é tarefa de pais. Segundo, essa merda de chatbot nem e novidade. Na década de 1960 já existia. Era o ELIZA. O script DOCTOR simulava uma consulta com um psicoterapeuta.

Isso tem CINQUENTA ANOS!

A IMENSA revolução que o moleque criou foi um bot que funciona assim: Você compartilha o horário escolar com o bot, e ele envia mensagens ao final de cada aula pelo Facebook Messenger para perguntar se há dever de casa.

Entendeu? Ao final da aula do professor o bot pergunta se tem dever de casa. Tiupo, o corno do aluno ACABOU a aula e precisa de um bot para lhe perguntar, quando basta o pequeno puto (é português lusitano, gente) anotar na porra do caderno, no celular whatever.

Ainda seguindo o exemplo dado pela BBC,

“Você tem dever de casa de matemática?”, me perguntou por mensagem o bot.

“Sim”, respondi.

“Seu professor precisa relaxar um pouco com o dever de casa”, respondeu, acrescentando: “qual dever de casa você tem?”.

“Mais álgebra 🙁 “, escrevi.

“Ok, entendido”.

O bot só faltou completar “caguei”. Mas, afinal, o que significa “Seu professor precisa relaxar um pouco com o dever de casa”?

Por meio desse sistema, pude incluir facilmente “álgebra” num calendário semanal. Assim, posso acessá-lo a qualquer momento para checar o que falta fazer.

Logo que completei a tarefa, avisei ao Christopher Bot, e ele me felicitou, eliminando automaticamente a tarefa da lista de coisas pendentes. E o melhor é que na época das férias, o bot não incomoda.

Não era mais fácil que, assim que o professor passou a data do dever, o alunão tecnológico colocasse na sua agenda (de papel, do celular não importa)? O aluno precisa que IMEDIATAMENTE o bot fale para fazer isso? Onde fica os pais nessa? Vendo Netflix em casa?

Mas Christopher Bot mostra o potencial de produzir um serviço que tira a necessidade do estudante de acessar outra ferramenta para lembrar o que é preciso fazer. E interage de uma forma que diminui (ligeiramente) a tarefa inevitável.

“Hey, Cortana. Me lembre, quando chegar em casa, que eu tenho dever de Matemática”

Cadernos de anotações, agendas, agendas eletrônicas, calculadoras, relógios com agendas, celulares, smartphones etc. Tudo isso para um mesmo processo. Mas OHHHH, o bot vai salvar o mundo. Claro, Zuckaberg está adorando, pois é para deslanchar mais o seu Facebook Messenger. Revolução tecnológica? RÁ! Nem chega perto, pois uma revolução científica, como Kuhn costumava dizer, era uma quebra de paradigmas (não é coisa de Humanas. Kuhn era físico!). uuma revolução que é apenas mais do mesmo é apenas punheta intelectual. Nada de novo no front, queridos.

Que tal uma revolução familiar, com pais e mães perguntando se no dia seguinte tem prova e que é para largar a porra do Facebook e ir estudar?

Acho que Zucka não quer muito isso, mas não consigo imaginar o motivo, não é mesmo?

Novas pistas sobre migrações humanas nas Américas
Bactérias sem senso de camaradagem produzem substâncias antibacterianas

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!