Frutose ferra com seu cérebro, mas Ômega-3 vem te ajudar

Diz-se que a mão que afaga é a mesma que apedreja Indo por este caminho, a comidinha show de bola com a qual nos deliciamos pode ferrar a nossa saúde, e nem precisa, necessariamente, ser comida de fast food. Um dos problemas que muitos de nós ignora é que genes em nosso cérebro podem ser alterados por causa das deliciosas iguarias que tanto amamos. Um exemplo disso é a frutose, que além de ser convertida em gordura, ainda pode fazer umas mutações nos nossos genes, e nem é para algo legal como controlar o tempo, mas sim para ganharmos de presentes uma bela gama de doenças.

Mas somos um planejamento inteligentes. Lembrem-se disso!

A drª Qingying Meng trabalha no Laboratório de Fisiologia e Biologia Integrativa da Universidade da Califórnia, Los Angeles, também conhecida como UCLA. Ela estuda como alimentos interferem em nosso genoma. E depois que mudou o genoma, pode desistir daquele lance de atirar rajadas de plasma pelos olhos. No máximo, vai conseguir um câncer.

Não só isso, desde diabetes até Alzheimer (sempre tem que mencionar Alzheimer), passando por doenças cardiovasculares, TDAH e outras zicas de nosso corpo, tudo parece que começa com genes no seu cérebro sendo alterados de uma forma ou outra. Ficou legal? Calma que vai piorar.

A pesquisa da drª Meng, a Impiedosa descobriu que centenas desses genes marotos podem ser danificados por frutose. Sim, frutose, o açúcar da fruta. Um dos trocentos tipos de açúcares, mas por algum motivo as pessoas só pensam naquele de colocar no café.

A frutose é largamente encontrada em cereais, vegetais e no mel, apesar deste ter bem maior quantidade de glicose, um outro açúcar, bem similar à frutose, já que tem o mesmo número de átomos de carbono, oxigênio e hidrogênio, mas se você pensa que são a mesma coisa, errou feio, errou rude. Química não funciona do jeito que você quer.

A frutose ainda tem o péssimo hábito de ser metabolizada e transformada em gordura, enquanto que a glicose, em maior quantidade, produzir glicogênio no fígado, um açúcar que serve de reserva energética (embora a glicose também produzir gordura, mas não como a frutose). A frutose também é encontrada está em mais alimentos para bebês e em frutas, embora as fibras das frutas façam o teor de absorção de frutose diminuir substancialmente. Não só isso, as vitaminas que as frutas contém, além de outras substâncias, compensam tranquilamente o teor de frutose que tem lá. Agora, se você é daqueles que adora um xarope de milho, ferrou. Xaropes de milho tem uma bela concentração de frutose, e isso vale praquelas coberturas de panquecas que são muito apreciadas em outros países. O Brasil, sendo a terra da média com pão e manteiga, consome muito pouco no café da manhã.

Isso os que ainda têm condições de tomar café da manhã, ou mesmo tomar um simples cafézinho e ir pro trabalho.

Mas, calma, não priemos cânico! Meng e seus colaboradores descobriram que o Diabo não é tão feio quanto se pinta. A pesquisa apontou que o ácido graxo ômega-3 consegue reverter as alterações nocivas produzidas pela frutose. É praticamente um super-herói. Tem até nome de grupo de super-heróis.

– HEEEEEEEELP! Dr. Frutose está destruindo tudo aqui!
– Aqui é a equipe Ômega-3! Estamos indo em seu socorro!
– Obrigado, capitão Ômega!

Infelizmente, o cérebro não produz ômega-3 em quantidades satisfatórias. Logo, é preciso ingerir alimentos contendo ômega-3, de forma que possa a judar a fortalecer as sinapses no cérebro e melhorar a aprendizagem e memória.

Para testar os efeitos da frutose e do ômega-3, os pesquisadores treinaram ratos para escapar de um labirinto, e, em seguida, dividiram-los em três grupos. Para as seis semanas seguintes, um grupo de ratos bebeu água com uma quantidade de frutose que seria aproximadamente equivalente a uma pessoa que bebe um litro de refrigerante por dia. O segundo grupo recebeu água com frutose e uma dieta rica em ômega-3. O terceiro recebeu água sem frutose e sem ômega-3.

Após seis semanas, os ratos foram colocados de novo no labirinto, e os roedores que tinham se entupido de frutose com ômega-3 eram mais rápidos na hora de fugir do local que os demais, sendo os do grupo da frutose pura bem mais lentos, o que implicou que se encher de frutose prejudica a memória

Claro, você segui fielmente o sloagan daqui e quer saber mais. Bem, a pesquisa foi publicada no periódico EBioMedicine, uma publicação conjunta entre os periódicos Cell e The Lancet. Gostou, né? Ótimo, porque você poderá ler a publicação digrátis em *.pdf AQUI.

6 comentários em “Frutose ferra com seu cérebro, mas Ômega-3 vem te ajudar

  1. É mais uma triste notícia para as salsinhas veganas. Que mais uma vez ficarão tristinhas por tomar na cara outra confirmação de que dieta boa, é dieta balanceada. Com carneeeeeee!

    1. E o que tem uma coisa a ver com a outra? Quem come carne não come fruta? Quem come fruta não come carne? E o que é dieta balanceada? Uma só para todas as pessoas? Ser cético e científico significa não generalizar para não incorrer em erros grosseiros de análise (ou de falta dela).

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s