Cientistas colocam o bicho-pau na mesa para fazer robôs melhores

Muitas vezes as pessoas confundem camuflagem com mimetização. Camuflagem é quando seu padrão de cores se mistura com a do ambiente, como leões em plena savana africana. Já a mimetização é quando o animal mimetiza, isto é, imita algo ao seu redor, como aranhas que se parecem com formigas, como a Myrmarachne plataleoides. Mas o clássico mesmo é o chamado bicho-pau, um artrópode insecta da ordem Phasmatodea. Ele tem este nome por ser parecido com um graveto, não necessariamente um pau, dada as dimensões. E por isso é chamado de stick insect. Esta gracinha chega até a 18 cm e nessa altura você está fazendo mil e uma piadinhas a respeito do bicho. Quando parar com a infantilidade, eu continuo.

Cientistas adoram o bicho-pau (inclusive), pois ele tem uns segredinhos que podem ser bem úteis. Um desses segredinhos é como o bicho-pau anda. Saber como ele move suas longas pernas e mantém-se em perfeito equilíbrio pode ajudar a vencer desafios em termos de engenharia e robótica.

O dr. Chris J. Dallman é pesquisador do Departamento de Cibernética Biológicas do Centro de Excelência em Interação Cognitiva e Tecnologia, que é vinculada ao Departamento de Neurobiologia e Comportamento dentro da Faculdade de Biologia da Universidade de Bielefeld, na Alemanha. Se bobear, eles montam isso tudo num único nome. O interesse principal de Dallman com relação ao bicho-pau é que ele pode dar as capacidades do bicho-pau a Hector, o robô insetão, sobre quem nós falamos aqui em 2014.

A Natureza teve 3 bilhões de anos para entender que os terrenos n]ao são lisinhos e asfaltados. Logo, por simples tentativa e erro, ao longo de trocentas gerações, artrópodes se tornaram um exemplo de design vencedor. Maluquice seria se inventassem algo diferente, mas vai saber.

O que chamou a atenção de Dallman é como o bicho-pau anda, de uma forma um tanto quanto diferente de outros insetos. Suas patas dianteiras não são lá bem usadas para suporte de seu peso (estamos falando de força, e não massa) e locomoção, mas como sensores táteis. Essas patas vão tateando e sentindo o terreno, de forma que as 4 patas restantes façam o serviço. Mas não é só isso.

As pernas do meio e as traseiras suportam o peso do inseto na mesma junta que estava é responsável pela propulsão. Ela levanta e manda o bicho pra frente. O ponto principal do estudo de Dallmann é saber como o minúsculo cérebro do bicho-pau comanda tudo isso, já que depende de feedback das patas que agem como sensores de terreno, e depois manda o comando para as outras patas restantes. E você aí achando que é mole, mas olhe o tamanho do cérebro do bicho! Não, a resposta não está apenas no cérebro, mas no conjunto de nervos e músculos ligados em cada um dos membros.

Quer videozinho, né? Sim, eu sei que você quer. O The New York Times fez um.

Herr doktor Dallmann está interessado na morfologia e neurociência do bicho-pau, mas a ideia dele de pesquisa não é a biologia per se, e sim construir robôs que terão utilidade para movimentação em lugares difíceis, desde busca e reconhecimento em áreas de conflito armado ou ate mesmo encontrar pessoas feridas em escombros em caso de desabamentos. A pesquisa foi publicada no periódico Proceedings of Royal Society B.

4 comentários em “Cientistas colocam o bicho-pau na mesa para fazer robôs melhores

  1. Interessante como geralmente o melhor caminho para ser criar um robô adaptado ao ambiente é mimetizar um animal. Muito legal esse tipo de pesquisa.

    1. Temos um designer estúpido que já selecionou naturalmente os melhores projetos, e temos um histórico quase completo de projetos ultrapassados nos quais podemos dar aquele upgrade!

      Tudo isso graças à gambiarra mais bacana do universo: nosso cérebro!

  2. André, nesse caso do bicho-pau eu confundiria camuflagem com mimética. O exemplo mais clássico de mimética que lembro dos tempos de escola é o da borboleta vice-rei que imita a monarca. Eu sempre tinha entendido que mimética era quando eram imitados outros animais ou algo do tipo. Acho que nessa parte meus livros de biologia não foram muito claros.

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s