Vidente espertona mandava mesma carta psicografada para um bando de manés

Estrutura cerebral que regula a emoção é passada de mãe para filha
Como antigos oceanos já regulavam reações químicas orgânicas

Nós queremos nos sentir especiais, achamos que tudo tem a ver conosco. Um exemplo disso é o teste criado por Bertram R. Forer, que em 1948 fez um teste com seus alunos. Ele os submeteu a um teste de personalidade. Era uma folha de papel com uma análise única e individual baseada nos resultados dos testes que estes alunos tinham feito antes. Entretanto, os alunos tinham que ler esta avaliação e avaliar o grau de acerto dessa análise, variando de 0 (muito ruim) a 5 (muito boa). Boa parte dos alunos concordou que a avaliação escrita para cada um deles era bem de acordo com o que eles pensavam de si mesmos. O problema era que o texto era igual para todos. Isso foi chamado Efeito Forer ou Falácia de Validação.

Parece que uma vidente resolveu repetir o teste de Forer e submeteu aos seus clientes cartas idênticas como se tivessem sido psicografadas pelos seus entes queridos. Esses cândidos clientes adoravam, pois estava bem de acordo com o que o ente que tinha partido desta pra melhor teria dito. As cartas eram todas iguais e a vidente estava satisfeita com sua pesquisa científica. Porque eu jamais pensaria que alguém fosse tão escroto assim para fazer isso a sério!

Paula Bairstow é médium com pão e manteiga e atende pelo nome místico de “Lillyanne”. Ela mora no em Leeds, no condado de Yorkshire, na Inglaterra, e já deu consultoria em vários jornais, como o Daily Express, Daily Mail, The Daily Star, The Sun e outros veículos tão reconhecidos em qualidade quanto esses aí. Lillyanne, que tem cara de tia esquisitona, conforta pessoas que perderam pessoas queridas através de cartas psicografadas, mediante alguns caraminguás. Nada muito diferente dos Chico Xavier da vida. Ela tem até website.

Uma de suas clientes foi Karen Brannigan, uma mulher que sofria com o passamento de sua mãe e queria algum conforto. Eu conheço histórias assim, você também conhece. Normalmente, o resultado é sempre o mesmo: a pessoa está sofrendo e gasta o que tem e o que não tem para mitigar este sofrimento. entra em ação os desclassificados de sempre.

Karen, que mora em Cambuslang, Escócia, entrou em contato com tia Lilly e fez o pagamento pelos serviços da médium, recebendo pouco depois uma cartinha psicografada direto do espírito da mãe. Que fofo! Mas Karen achou esquisita aquela carta. Segundo Karen, aquilo não se parecia com algo que a mãe escreveria.

Eu sei como é isso. Teve o caso que eu fui num centro espírita certa vez. Na consulta com o médium, minha avó deu bons conselhos, foi carinhosa e tudo o que uma avó falaria. Ela me contou como estava feliz no outro plano, como ali tinha uma vida tranquila, perto dos pais, avós e outros parentes e pessoas que tanto amou na vida. Fiquei tocado, quase fui às lágrimas. Abracei o médium e fui pra casa. Lá contei pra minha avó, que estava sentada vendo TV na poltrona da sala, o ocorrido e ela riu bastante.

Claro, diferente de mim, Karen procurou a médium a sério, pois ela realmente estava acreditando. Eu fui por falta do que fazer, mesmo, já que sabia que não teria outro resultado (mais um detalhe: minha avó não falava uma palavra em português)

Desconfiada, Karen entrou em contato com uma outra cliente de Lilly, uma tal de Sue, que mora em Gloucestershire, também na Inglaterra, e descobriu a fraude. A carta que tia Lilly mandou para Sue era igualzinha à que foi escrita supostamente pela mãe de Karen. O barraco rolou, Lilly jurou de pés juntinhos que ela é que era a vítima e acusou Karen de chantageá-la, usando seus poderes mediúnicos para evocar um ser das trevas para defendê-la. No caso, um advogado (e bem vivinho da silva).

Eu não preciso ser médium para prever oque irá acontecer. As partes entrarão em um acordo financeiro, Lillyanne continuará oferecendo seus poderes mediúnicos mediante justa quantia, um bando de manés continuarão contratando-a, ela continuará mandando as mesmas cartas (talvez, um pouco diferente das que mandou para Karen e Sue), pessoal pagará feliz da vida, achando que realmente entraram em contato com suas pessoas queridas, outros escroques farão a mesma coisa e a humanidade continuará sem tomar vergonha, dando alegremente seu rico dinheiro para um bando de safados, que só existem porque, segundo P. T. Barnum, nasce um otário a cada minuto.


Fonte: obra mediúnica psicografada por mim, ditada pelos espíritos do Daily Record

Estrutura cerebral que regula a emoção é passada de mãe para filha
Como antigos oceanos já regulavam reações químicas orgânicas

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας