Crente chato fica bolado pois sua monografia foi tida como vagabunda (ou quase isso)

Advogados são criaturas que fugiram do mundo de Qward, no universo de anti-matéria. Advogados vivem num mundinho próprio, onde as leis que usam são aquelas que suas mentes acham que valem, como no caso do 2 + 2*. Eles são tão bitolados que se dizem "estudantes de Direito", apesar do contra-senso. Quando se coloca o fator religioso, então, temos a insanidade beirando níveis épicos, como o caso de um estudante de advocacia (que nunca fará nada direito na vida) resolveu entregar um TCC sobre como Jesus é um cara maneiro e é importante para os presos.

Sorte nossa que ainda há gente sensata neste mundo a ponto de usar esta maravilha como fralda de cachorro.

Tudo começa quando um estudante entregou um trabalho de conclusão de curso, onde uma monografia versava sobre "o impacto dos ensinamentos de Jesus Cristo na ressocialização de delinquentes". Segundo a defesa do preclaro acadêmico, o referido buscava "uma análise científica diferente do que comumente se faz”. Tradução: Ciência, my ass, motherfuckers! O cara achou que podia bancar o exegeta da linha do Josh MacDowell e adaptar o mundo à sua religiãozinha.

Bem, a instituição não gostou muito e o orientador mandou o Zé Ruela refazer várias vezes. Imaginem a sonora MERDA que aquilo estava. Senão, vejamos, Qual seria o impacto dos ensinamentos de Jesus? Odiar os pais (Lucas 14:26), não se preocupar com a paz e sim trazer guerras (Mateus 10:34), roubar jumentos dos outros (Mateus 21:02), não se importar que batam em escravos (Jesus apoiava a escravidão, hun?), desde que não o mate (Lucas 12:47-48), não era asseado (Lucas 11:37) etc. Ele não trabalhava, respondia com falta de educação, filava bóia na casa dos outros e não se importava que gastassem perfumes caríssimos com ele ao invés de dar o dinheiro para os pobres. Qual pai iria querer um crápula desses como exemplo para seus filhos?

O pobre orientador que teve a infelicidade de ler esta porcaria de monografia (mas que eu ADORARIA poder ler, nem que fosse para colocar na Voz dos Alienados) considerou que alguns dos objetivos descritos no projeto não eram adequados para uma monografia. O sujeitinho nem cogitou a ideia de falar sobre cultos religiosos nas prisões ou a pregação evangélica nas penitenciárias. O Zé Ruela queria era fazer sua apologética de meia-tigela, que ficou muito trisitinho com a notícia, resolveu se enforcar num pé de alface, não antes sem entrar com um processo alegando aquele velho blábláblá de liberdade religiosa e como ele é um mártir do Senhor blábláblá. Ele ficou "desestruturado psicologicamente"… no meu tempo isso era chamado de frescura e era resolvido com chinelo. Mas, se crentosco não fosse, vil metal não requeriria. O estudantezinho pediu indenização por danos morais, além de ter o projeto aprovado e receber o título de especialista em direito penal ou poder submeter outro projeto".

Mandei um email para o meu jurisconsulto, no endereço cicero@senatvs.gov.rom. Seu parecer foi de Babaquices est., com o brocardo in bunatvs, nihil dinhas?

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais negou provimento a recurso e a instituição declarou que:

O autor parece crer na possibilidade de se fazer ciência por meio da religião, mas, com todo o respeito, essa visão é equivocada. A leitura da monografia mostra que ele foi intransigente ao extremo na imposição de um tema religioso nos projetos de pesquisa apresentados.

Eu pago um chopp para quem escreveu isso!

O aluno é tão retardado e seu fanatismo religioso é tão estúpido que seu complexo de inferioridade não consegue deixá-lo ver que ninguém o impede de rezar pra Jesus, arriar um ebó, se vestir de pomba-gira, ser sodomizado por Quetzalcoatl, se deixar sacrificar por Ormus Mazda e coisas afins, mas com complexinho de mártir (daquele mártir vagabundo, pois não tem coragem de entrar numa cova com leões) não fica fácil e daí o mimimi todo.

Jesus na cadeia. Olha, disso ele entendia, já que viu Moisés nascer quadrado no pouco tempo que estava na solitária. No final, foi pro pau-de-arara e o mundo não ficou melhor com seu eudeusamento, pois as maiores guerras,m contendas, brigas, assassínios, saques, latrocínios e selvageria foram feitos em seu nome, e ele nem aí. Se bem que entidades inexistentes não podem impedir nada, mesmo.

Para finalizar, 5 minutos de terror: esta criaturinha tem título de eleitor e escolhe presidentes. Agora, durmam com um barulho desse.

PS. Se você perguntar a um engenheiro quanto é 2 + 2, ele responderá: "4". Se perguntar a um economista, ele responderá "depende". Se você perguntar a um advogado quanto é 2 + 2 , ele dirá "quanto você quer que dê?"


Fonte: Conjur, via @eloimarques

16 comentários em “Crente chato fica bolado pois sua monografia foi tida como vagabunda (ou quase isso)

  1. Sou do Rio Grande do Sul e precisei de uma procuração de um senhor que tenho negócios, ele de Goias. Em uma cidadezinha do interior de Goias ele foi ao Cartório, fez a procuração e me enviou. Ela já começou assim: “No décimo sétimo dia do mês de julho, 2012 dias após o nascimento do nosso Senhor Jesus Cristo…”. E terminou com ” Jesus Nazareno nos abençoe”.
    Oficial do cartório, e agora, advogado santarrão…francamente!!
    Fanatismo. Essa é a palavra.

    1. 2012 dias após o nascimento do nosso Senhor Jesus Cristo

      Usando a cronologia oficial (25/12/0001), vemos que o 2012º dia foi em 29/06/2007.

      1. @André, ERRO MEU. Leia-se anos, não dias. “Aos 2012 anos após o nascimento do Nosso Senhor Jesus Cristo”.
        Mesmo porque, a data de 2012 dias após o nascimento, seria por volta do meio do ano de 0006.

      2. @André, 2007? não seria 0007?

        Alias, sei que não existiu ano zero, mas jesus não teria nascido em 25/12/0000, e em 2001 fez 1 ano, morrendo no ano 33? Contando a partir de 01 ele morreria em 34, certo?

        1. Não existe ano zero, filho. Ninguém conta a partir do zero. Olhe pros seus dedos e comece contando a té dez.

          Vamos ver se você descobre o porquê. ;)

      3. @André, o Excel é burro, não entende ano 0…
        Alias, como você usou o Excel, ele considerou um calendário Gregoriano, não um Juliano, em uso na época citada por você. Será que não faria alguma diferença neste caso?

          1. @André, VOCÊ escreveu 2007. Logo, você usou Excel, e você não reparou que ele converteu “00” para “2000”. Ele foi malandro, e você não percebeu. Ou percebeu, e deu uma de João-sem-braço, e ignorou o seu erro…

            Além disso, o Excel começa a contar em 01/jan/1900. Ele não reconhece nenhuma data anterior a isso (inclusive, se você converter 01/jan/1900 para formato numérico, ele vai retornar 1. Se você converter 41319 para formato data, vai retornar 14/fev/2013. Se você tentar “0” (zero), o Excel vai retornar 0/jan/1900 – uma data inexistente. Se você tentar converter números negativos, ele vai retornar um monte de “#”, e se você tentar colocar datas menores de 1 de janeiro de 1900, ele vai encarar como qualquer coisa menos data.

            E o Excel também está limitado a 31 de dezembro de 9.999 (como se eu estivesse vivo ou interessado em algo que porventura possa vir a ocorrer até lá, mas tudo bem.)

            E como avisei anteriormente, o Excel trabalha em formato gregoriano. Na época do nascimento de Cristo, o calendário utilizado era Juliano, que nesta época tinha anos bissextos de 3 em 3 anos, e não de 4 em 4 (eles pisaram na bola na hora de considerar a frequência de repetição). Isso só foi corrigido em 8EC.

            Logo, se considerarmos que o Calendário Juliano começou em 46AEC, o primeiro ano bissexto foi em 44AEC, depois 41AEC, e sucessivamente, chegando a anos bissextos em 2AEC, 2EC, 5 EC e 8EC.

            Usando somente o Excel, você considerou apenas um ano bissexto em 4EC, o que estaria errado, pois ocorreram dois anos bissextos. Sendo assim, a conta de 2012 dias a partir do suposto nascimento de Cristo terminaria em 28 de junho de 7EC, e não em 29.

            Porém, na Wikipedia em português fala que não houve anos bissextos entre 12AEC e 3EC (mas carece de fontes), portanto pode ser que você esteja certo, desde que 3EC ou 4EC não tenham sido bissextos.

            Ou seja. o Excel não é mais inteligente que eu.

            Por fim, onde foi que eu disse que existe ano zero? Vamos começar pelo seu argumento infantil que começamos a contar do 1 (afinal, crianças contam assim).

            Isso funcionaria para números naturais (inteiros positivos), mas a partir do momento que você considera a existência de números negativos (ou seja, anos negativos ou anos AEC), o zero passa a fazer parte do conjunto de números inteiros, e por consequência, dos números racionais. Como o ano pode ser fracionado em dias, podemos considerar que ele faz parte do conjunto de números racionais, logo, seria de total sentido que houvesse um ano zero.

            O ano zero só não existe porque o conceito de número zero era inexistente para os romanos, e também para os ocidentais até aproximadamente os séculos IX ou X, quando os algarismos indo-arábico começaram a ser disseminados no mundo ocidental cristão. Como a conversão da contagem de “ab urbecondita” (a partir da fundação de Roma) para “anno domini” (a partir do nascimento de Cristo) ocorreu em 525EC / 1278AUC, isso foi antes da “descoberta” do zero pelos ocidentais, logo eles ignoraram o ano zero, já que “zero”era um conceito inexistente para eles – tanto que não existe “zero” em algarismos romanos.

          2. VOCÊ escreveu 2007. Logo, você usou Excel, e você não reparou que ele converteu “00? para “2000?.

            Chama-se “erro de digitação”. O tipo de coisas que uma pessoa inteligente perceberia.

            Ele foi malandro, e você não percebeu. Ou percebeu, e deu uma de João-sem-braço, e ignorou o seu erro…

            Ou vc é burro por não perceber que eu tinha digitado errado.

            Além disso, o Excel começa a contar em 01/jan/1900.

            Eu sei. Adaptei a data mantendo a relação com os anos bissextos. POR ISSO, eu tinha digitado errado. Eu pensei que estava falando com alguém que entendesse de matemática. My bad.

            E o Excel também está limitado a 31 de dezembro de 9.999 (como se eu estivesse vivo ou interessado em algo que porventura possa vir a ocorrer até lá, mas tudo bem.)

            Bom saber que o interior do parênteses mostra seu grau de paunocuzismo.

            E como avisei anteriormente, o Excel trabalha em formato gregoriano. Na época do nascimento de Cristo, o calendário utilizado era Juliano, que nesta época tinha anos bissextos de 3 em 3 anos, e não de 4 em 4 (eles pisaram na bola na hora de considerar a frequência de repetição). Isso só foi corrigido em 8EC.

            SO WHAT? Jesus era judeu e seguia o calendário judaico. E ainda assim não faz diferença, pois não existe ano zero.

            Logo, se considerarmos(…)

            Você pode considerar o que quiser. Não existe ano zero. O que vc falou foi:

            , sei que não existiu ano zero, mas jesus não teria nascido em 25/12/0000, e em 2001 fez 1 ano, morrendo no ano 33? Contando a partir de 01 ele morreria em 34, certo?

            Consegue perceber seu erro, ou devo avisar sua professorinha do primário?

            Usando somente o Excel, você considerou apenas um ano bissexto em 4EC, o que estaria errado

            Isso não significa que exista ano zero, SUA BESTA. Só falando assim com pessoas que não sabem nada de matemática de pré-primário.

            pois ocorreram dois anos bissextos. Sendo assim, a conta de 2012 dias a partir do suposto nascimento de Cristo terminaria em 28 de junho de 7EC, e não em 29.

            Isso tudo porque eu disse que não havia ano zero.

            Porém, na Wikipedia em português fala que não houve anos bissextos entre 12AEC e 3EC

            Pesquisador de wikipédia. HAHAHAHAHAHAHAHAH Só podia, mesmo.

            Ou seja. o Excel não é mais inteligente que eu.

            Ele sabe fazer somas melhor que você. Ano 0 –> Jesus morre com 33 anos. Nasce no ano 1 –> morre com 34. GÊNIO!

            Por fim, onde foi que eu disse que existe ano zero? Vamos começar pelo seu argumento infantil que começamos a contar do 1 (afinal, crianças contam assim).

            Vamos começar pela citação acima. Segundo, o zero, caro apedeuta matemático, não simboliza nada além de um conjunto vazio. 0 não é algarismo, é um símbolo para numeração posicional. Por isso, 2, em binário, se escreve 10 (lê-se um-zero). Agora, tenta escrever 5040 em hexadecimal. :)

            Adição do zero veio muito mais tarde. Pegue a numeração egípcia e veja se o zero está lá. Procure entre os babilônios, astecas, hititas e até mesmo na numeração romana, que não servia para muito mais que numerar documentos e servir para títulos. Você não sabe nem aritmética subsolo vai querer discutir numeração posicional também?

            Isso funcionaria para números naturais (inteiros positivos), mas a partir do momento que você considera a existência de números negativos (ou seja, anos negativos ou anos AEC)

            Não existem números negativos, filhota. Eles dependem de um marco. Não existe temperatura –273 ºC. Existe Zero Kelvin. Vou te dar a última e definitiva lição: NÚMEROS NÃO EXISTEM. Só no papel. Mas isso é demais para a sua cabeça.

            o zero passa a fazer parte do conjunto de números inteiros, e por consequência, dos números racionais.

            Como algo que exprime inexistência faz parte de um conjunto? Tomemos um conjunto de canetas azuis. Neste conjunto somente temos entidades que representam canetas azuis. Logo, tenho neste conjunto uma entidade que representa canetas não-azuis. Sendo assim, eu tenho um conjunto que não é exclusivo para e somente canetas azuis. Vc não entende nada de sistema numérico, não sabe aritmética básica, não entende de teoria de conjuntos e muito menos lógica.

            E não entende de datas, também.

            Como o ano pode ser fracionado em dias, podemos considerar que ele faz parte do conjunto de números racionais, logo, seria de total sentido que houvesse um ano zero.

            Como um ano que não existe pode ser fracionado, mulinha? Pegue um prato vazio. Tome o bolo que não está lá e divida em 50 pedaços. Eu DESAFIO vc fazer este teste. Tenta aí pegar uma calculadora, digite “0” (zero) e divida por 55678486512123132312034556. Diz pro titio o resultado, sim?

            O ano zero só não existe porque o conceito de número zero era inexistente para os romanos, e também para os ocidentais até aproximadamente os séculos IX ou X, quando os algarismos indo-arábico começaram a ser disseminados no mundo ocidental cristão.

            O zero também não estava presente na matemática árabe, bebê.

            Como a conversão da contagem de “ab urbecondita(…)

            Conhecimento de wikipédia, claro.

            tanto que não existe “zero” em algarismos romanos.

            Isso tudo para provar uma coisa que eu disse vários comentários atrás. Ai, ai, essas crianças…

  2. Essa é apenas mais uma prova das carências educacionais que “nossos” futuros profissionais desenvolvem, ao longo de anos, frequentando escolas tão somente interessadas em dinheiro, privado ou público, quanto às inúmeras denominações religiosas; o pior é que, no caso de alguns dos profissionais, as resultantes deste disparate, são a liberdade (como no caso deste aspirante à advogado) ou a morte, no caso dos profissionais da saúde (ou não!)

  3. “Na perícia ficou provado que o projeto não tinha um marco teórico pertinente nem atendia aos objetivos traçados”.

    Sabe quantas vezes já falei isso pro alunos?

  4. Chama-se “erro de digitação”. O tipo de coisas que uma pessoa inteligente perceberia.

    Ou vc é burro por não perceber que eu tinha digitado errado.

    Percebi, e na realidade chama-se “erro de Ctrl-C / Ctrl-V”. Eu percebi. Só que você A-DO-R-A pegar no pé de que faz este tipo de erro… Pimenta nos olhos dos outros é refresco, né?

    Eu sei. Adaptei a data mantendo a relação com os anos bissextos. POR ISSO, eu tinha digitado errado. Eu pensei que estava falando com alguém que entendesse de matemática. My bad.

    Realmente your bad. Manteve uma associação com números bissextos que estava errada, de acordo com minha pesquisa. OK, não usei fontes indexadas, mas aparentemente ela está certa, já que você não refutou isso como normalmente faz quando alguém aqui escreve uma bobagem homérica.

    Bom saber que o interior do parênteses mostra seu grau de paunocuzismo.

    E temos mais um pouco da agressão gratuita que tanto te caracteriza.

    SO WHAT? Jesus era judeu e seguia o calendário judaico. E ainda assim não faz diferença, pois não existe ano zero.
    SO WHAT que a discussão foi se 2012 dias depois do nascimento de Cristo era em 28 ou 29 de junho de 2012. Naca a ver se Jesus era judeu e seguia o calendário judaico. E em nenhum momento eu disse que existiu ano zero.

    Você pode considerar o que quiser. Não existe ano zero.

    Você pode me apontar, por favor, onde eu escrevi que existiu ano zero?

    O que vc falou foi:

    sei que não existiu ano zero, mas jesus não teria nascido em 25/12/0000, e em 2001 fez 1 ano, morrendo no ano 33? Contando a partir de 01 ele morreria em 34, certo?

    Consegue perceber seu erro, ou devo avisar sua professorinha do primário?

    E você consegue perceber seu erro, de me confundir com o JC Ferranti, ou não? Sua professorinha de primário não te ensinou que HÉLIO e diferente de JCFERRANTI?

    Isso não significa que exista ano zero, SUA BESTA. Só falando assim com pessoas que não sabem nada de matemática de pré-primário.

    E eu pergunto novamente, SUA SAPIÊNCIA: Onde foi que eu disse que existiu ano zero?

    Isso tudo porque eu disse que não havia ano zero.

    Novamente: E onde foi que EU disse que houve ano zero?!?

    Pesquisador de wikipédia. HAHAHAHAHAHAHAHAH Só podia, mesmo.

    Engraçado, quando você usa a Wikipedia como referencia, tudo bem. Quando os outros usam, aí é motivo de chacota.
    E eu ainda escrevi que isso carecia de fontes – que deveria significar que pode estar errado, já que não achei comprovação em outro lugar. Mas você cortou essa parte, para poder tripudiar.

    Ele sabe fazer somas melhor que você. Ano 0 –> Jesus morre com 33 anos. Nasce no ano 1 –> morre com 34. GÊNIO!

    Onde foi que EU fiz esta conta ignóbil? Mas por favor, não me confunda novamente com outra pessoa

    Eu: Por fim, onde foi que eu disse que existe ano zero? Vamos começar pelo seu argumento infantil que começamos a contar do 1 (afinal, crianças contam assim).
    André: Vamos começar pela citação acima. Segundo, o zero, caro apedeuta matemático, não simboliza nada além de um conjunto vazio. 0 não é algarismo, é um símbolo para numeração posicional. Por isso, 2, em binário, se escreve 10 (lê-se um-zero). Agora, tenta escrever 5040 em hexadecimal.

    Adição do zero veio muito mais tarde. Pegue a numeração egípcia e veja se o zero está lá. Procure entre os babilônios, astecas, hititas e até mesmo na numeração romana, que não servia para muito mais que numerar documentos e servir para títulos. Você não sabe nem aritmética subsolo vai querer discutir numeração posicional também?

    Note que eu já tinha perguntado onde que tinha escrito que existiu ano zero, e você ignorou. Ah, e eu entendo o conceito de numeração posicional, e sei contar em binário e hexadecimal, muito obrigado pelo interesse. Como eu escrevi na parte gentilmente suprimida por você, não existiu ano zero porque os romanos, e por consequência a Europa Ocidental até por volta do século IX ou X, não conheciam o número zero.

    1. Percebi, e na realidade chama-se “erro de Ctrl-C / Ctrl-V”. Eu percebi. Só que você A-DO-R-A pegar no pé de que faz este tipo de erro… Pimenta nos olhos dos outros é refresco, né?

      INteressante que eu copiei uma data mas não outra. E de onde eu teria feito isso? Do excel. So what, troll? Bem, vamos começar a contagem regressiva. 8

      Manteve uma associação com números bissextos que estava errada, de acordo com minha pesquisa.

      Da wikipédia, provavelmente. 7

      OK, não usei fontes indexadas, mas aparentemente ela está certa, já que você não refutou isso como normalmente faz quando alguém aqui escreve uma bobagem homérica.

      Sua bobagem maior foi dizer que o ano começa com zero. 6

      E temos mais um pouco da agressão gratuita que tanto te caracteriza.

      E como bom masoquista, vc volta. 5

      SO WHAT que a discussão foi se 2012 dias depois do nascimento de Cristo era em 28 ou 29 de junho de 2012. Naca a ver se Jesus era judeu e seguia o calendário judaico. E em nenhum momento eu disse que existiu ano zero.

      Jesus era judeu e seus evangelistas também, salvo Lucas. E sim, vc disse. Até coloquei o parágrafo. 4

      blábláblá

      Engraçado, quando você usa a Wikipedia como referencia, tudo bem. Quando os outros usam, aí é motivo de chacota.

      Eu uso a Wikipédia como referência rápida. Suas PESQUISAS são na wikimérdia. Há diferença. Não que vc saiba qual é, troll. 3

      E eu ainda escrevi que isso carecia de fontes – que deveria significar que pode estar errado, já que não achei comprovação em outro lugar. Mas você cortou essa parte, para poder tripudiar.

      Então, não pesquisou. Ou pesquisou e não achou nada que cporroborasse com sua opinião, restando-lhe empurrar a Wikipédia, mesmo. 2

      Ah, e eu entendo o conceito de numeração posicional, e sei contar em binário e hexadecimal, muito obrigado pelo interesse.

      Não parece. Ou realmente entende e está bancando o troll. 1

      Como eu escrevi na parte gentilmente suprimida por você, não existiu ano zero porque os romanos, e por consequência a Europa Ocidental até por volta do século IX ou X, não conheciam o número zero.

      Irrelevante. Vai pela sombra, trollzinho.

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s