Alienígenas ameaçam a Antártida

DARPA mostra seu guepardo-robô. Natureza ri
Lua de Saturno apresenta vestígios de oxigênio em sua atmosfera

Não estou falando, claro, de extraterrestres que vivem pendurados no telefone. A palavra "alienígena" não diz que o referido ser vivo tem que vir do Espaço, podem dar uma olhada em seus dicionários. Se bem que a classe dos alienígenas pode se sentir ofendida com isso e o Ministério Público Federal pode dar ordem para a supressão deste vocábulo.

O problema diz respeito a espécies invasoras, e elas podem influenciar (e normalmente no mau sentido) o ambiente para onde foram parar. No caso da Antártida, turistas e até mesmo pesquisadores estão contribuindo para um desequilíbrio ecológico, e isso pode ser feito com uma simples sementinha.

Espécies invasoras são aquelas as quais são transladadas (adoro esta palavra) de um ambiente – o seu original – até um outro local, totalmente diverso de onde a espécie era originária. pode ser que o ambiente selecione limando aquela criaturinha do meio, como se eu plantasse um cacto no meio de um manguezal. Plantar uma amendoeira no meio do sertão nordestino não terá melhor sorte. Entretanto, há o caso onde plantas e animais são mudados para um ambiente semelhante ao seu de origem, e este serzinho começará a crescer feliz, alimentando-se de tudo que puder. O problema é que esta região pode não haver nenhum inimigo natural, o que acarreta numa reprodução desordenada, e a espécie invasora não tem ninguém com quem competir, ficando senhora absoluta da região, e isso não é legal.

Um bom exemplo disso é o o caramujo africano (Achatina fulica), introduzido no país no final da década de 80, importado ilegalmente do leste e nordeste africanos como um substituto mais rentável do escargot (fonte). Chegando aqui, o moluscão acabou escapando e se alastrando, já que temos um clima semelhante ao de onde este molusco rastejante do inferno veio.

Com as idas e vindas de equipes de cientistas e pessoal fazedndo turismo, está aparecendo espécies invasoras até mesmo na Antártida. Sementes estranhas à região são levadas para lá, as quais entram na competição por recursos. Mais de 33 mil turistas e 7 mil cientistas visitam a Antártida todos os anos, e consigo, trazem estes visitantes indesejados, vindos de carona, sendo uma delas a grama anual de inverno, uma erva daninha disseminada na sub-Antártida e na ilha King George e que quase alcançou a cauda do continente, segundo Dana Bergstrom, da Divisão da Antártica Australiana.

O desequilíbrio pode, ainda segundo Dana, estar causando também aumento da temperatura da Antártida. Como grama anual de inverno não está encontrando alguém que bata de frente, ela se espalha e absorve calor do Sol. Isso tem embasamento, pois o próprio Carl Sagan defendia a disseminação de plantas na superfície marciana para aumentar a temperatura do planeta, derreter o gelo das calotas polares marcianas e produzir oxigênio. Infelizmente, Marte não é grande o suficiente para ter gravidade que segure o oxigênio por muito tempo.

O assunto é importante e foi publicado na PNAS esta semana. Quando cada pessoa é responsável por agir como vetor e levar consigo cerca de 10 diferentes espécies a tira-colo, vemos que isso não é brincadeira. Foi-se o tempo em que as fronteiras da Terra eram enormes e intransponíveis. Na avaliação publicada na PNAS, e baseada em evidências, fica demonstrado que partes da Antártida correm sério e crescente risco espécies invasoras que podem, a longo prazo, causar mudanças climáticas do continente. É irrelevante a pessoa levantar as mãos pro céu e dizer "mas… mas… eu não sabia". Pouco importa, a Natureza não dá a menor bola para as santas intenções. É uma mudança que está sendo levada pelo homem, um dos principais responsáveis por mudar o ambiente desde que inventou a agricultura.

Por mais que digam que é exagero dizer que o Homem é o causador do Aquecimento Global, com o exemplo das espécies invasoras podemos ver que sim, nós conseguimos mudar o ambiente e normalmente não é pra melhor. É difícil saber como agir no caso da Antártida, e mais ainda para conter a leva de surpresinhas par alá, já que ninguém vai assumir ser um traficante de semente. Mas elas estão indo pra lá e estão desequilibrando o ecossistema. E nada pode esconder isso.


Fonte: Reuters

DARPA mostra seu guepardo-robô. Natureza ri
Lua de Saturno apresenta vestígios de oxigênio em sua atmosfera

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • ANUBIS1313

    😈 Tive o desprazer de conhecer esse caramujo asqueroso que você comentou ! O bicho tem uma reprodução acelerada e consegue se alastrar que nem notícia ruim…
    Meu vizinho só conseguiu acabar com essa praga gosmenta, abrindo diversas valetas, jogando os bichos lá dentro e salpicando CAL e depois enterrando !! Isso durou semanas pois a infestação era grande!! Lembro também, já que foi tocado no assunto… houve um besourinho que também veio da Africa e infestou a região aqui… isso nos idos de 1976/80 e tinha o carinhoso nome de IDI AMIM DADÁ ( nome do ditador de Uganda entre 1971/79 )!

  • Aqui no Japão teve problemas com aranhas vinda da Austrália. Alias, a própria Austrália teve problemas com coelhos…

    Impressionante a capacidade do ser humano em criar pragas. Ainda que involuntariamente.

  • Pingback: Conquistadores Vikings trouxeram camundongos a tira-colo » Ceticismo.net()