Analisando séries e filmes de super-heróis XXIX

A morbidez de Morbius e um péssimo trocadilho

Sony tem um problema que não seria bem um problema. Ela não sabe o que fazer com o Homem-Aranha. Não que Disney saiba, mas Disney não está interessada, só queria usar o Miranha para empurrar seu MCU, pois, como falei, é um dos personagens mais queridos da Marvel, só que ele não veio com a aquisição da dita cuja, graças ao Avi Arad, que picotou todo o plantel. Então, Sony resolveu fazer filmes-solo dos vilões, mas transformando-os em anti-heróis, como foi o caso de Venom (dois filmes. Venom-Venom e Venom: Tempo de Carnificina). Agora, a aposta foi em Morbius, que já não era grande coisa nos quadrinhos.

A criação de Morbius foi um tanto… peculiar. Foi um personagem que Stan Lee não meteu o bedelho, mas puramente porque estava entretido com um filme de ficção científica que acabou não sendo filmado. A rigor, Stan Lee nunca teria feito Morbius, já que ele queria um vilão fantasiado. Stan largou pra lá e a criação do personagem ficou a cargo de Roy Thomas e Gil Kane. Thomas pensou em fazer um Drácula vilanesco para ser antagonista do Homem-Aranha, mas tinha um empecilho: O Comics Code Authority, o Código dos Quadrinhos (já falei sobre ele).

De acordo com o Código dos Quadrinhos, era proibido histórias envolvendo vampiros, monstros e outros seres sobrenaturais. O Dr. Estranho foi criado em 1963, mas era parte da coletânea Strange Tales, mas isso não iria durar muito. Não se sabe direito se foi pressão ou outro motivo, mas o Comics Code Authority passaria por uma atualização em fevereiro de 1971, dando a maior brecha para o uso de seres sobrenaturais.

Lembrando que o Comics Code Authority não tinha força de lei. Seguia quem queria.

Em outubro de 1971, Morbius estreava em Homem-Aranha 101, e era um bioquímico ganhador do prêmio Nobel com uma doença no sangue. O cara faz experimentos com vampiros e vira… bem, vira o vampiro Morbius.

Praticamente usaram esta origem no filme, mas é tudo rápido demais. Já começando que o Jared Leto é um chato de quem eu peguei ranço desde o tempo que ele agia feito idiota na produção do Esquadrão Suicida. Só ficou “bom” na cena da Metrópoles distópica em Liga da Justiça Snydercut.

A relação dele com o Milo no filme é apressada. É amigo, mas se recusa a ajudar, pois viu que deu ruim. Milo consegue (sabe-se lá como), injetar o preparado que o Morbius fez e virou, ele mesmo, um vampiro, mas um vampiro malvado, indo acabar na luta final dos dois. Sim, o roteiro é só isso, e não muito mais que isso.

O filme teve péssimas avaliações, acabando por flopar feio, tendo custado cerca de 83 milhões de dólares e faturado 163 milhões em todo mundo. Sony tentou reemplacar o filme, lançando-o nas salas de cinema de novo, mas tomou na cabeça. Depois, saiu no HBO Max. Sim, isso mesmo, no streaming da Warner, já que Disney não parece ter feito o menor esforço de juntar filmes que não sejam diretamente do MCU, provavelmente porque quer que o Miranhaverso morra na obscuridade.

E no tocante ao enredo? Eu sempre pergunto sobre o que é o filme e a resposta é algo como Médico e o Monstro, com uma pitada de inveja, e… bem, não parece ter algo mais profundo que isso. As cenas de ação e do Vampirão voando são legaizinhas, mas não muito mais que isso. O desenvolvimento não empolga. Não é um filme ruim, mas é algo que você não vai querer ver de novo e fiquei muito feliz de não ter gasto dinheiro com cinema.

Outro ponto a ser notado é que Morbius não faz parte do Universo 616 (vaticinado como sendo o universo do MCU). Não há uma única menção aos Vingadores ou outros personagens, mas tem o rasgo no multiverso ocasionado pelo Dr. Estranho no filme do Miranha Sem Volta pra Casa. Numa cela de presídio aparece Adrian Toomes, o Abutre, vindo de um outro universo, no que ele comenta “Tomara que a comida seja melhor nesta joça”, então, corta pra repórter dizendo que ele simplesmente apareceu e que ele seria libertado. Mesmo porque, ele não foi condenado a nada neste universo. A conclusão é que este universo efetivamente não é do Tom Miranha.

Mas calma, na segunda cena pós-crédito, o Morbius vai para um lugar ermo. Aparece o abutre já com seu traje, o que é um problema, já que o traje dele pertence ao outro universo. Como foi parar ali, ainda mais que ele usou tecnologia dos Chtauris quando estes invadiram NY em Vingadores 1. A fala também é… interessante.

Obrigado por me encontrar, doutor. Eu tenho lido sobre o senhor. (…) Não sei como cheguei aqui. Tem a ver com o Homem-Aranha, eu acho. Ainda estou tentando entender este lugar, mas, acho que caras como nós deveriam se unir para fazer coisas boas.

Some-se a isso que no evento que o Dr. Esquisito chamou todo mundo de volta pra sua dimensão original, um pedaço do Venom ficou no Sonyverso. Já teermos 3 vilões. Só precisamos saber quem será o Aranha. Tem Aranha ali? Não sabemos, ainda mais que todo o arranca-rabo aconteceu em Nova York. SEMPRE é Nova York, nas histórias da Marvel em sua total falta de imaginação. Pelo menos a DC cria várias cidades fictícias por todo o país, mas na Marvel tudo acontece em Nova York. Ainda assim, ninguém apareceu, logo, posso intuir que nem Aranha tem ali.

Ou será que ele ainda vai surgir, principalmente na pele de um menino negro? Tá cedo pra saber ou fazer qualquer aposta.

Um comentário em “Analisando séries e filmes de super-heróis XXIX

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s