Mitos científicos no cinema

Ok, você acha que eu vou falar sobre sons no Espaço ou como o Super-Homem jamais poderia levantar um prédio sem se enterrar no chão. Você acha que eu falarei sobre viagem no tempo etc, mas não. Vou usar outros exemplos. Não, Gavisti não significa desejo por vacas, carbono 14 não analisa metal alienígena e biólogos não são retardados de meter o mãozão em qualquer bicho esquisito que apareça na frente dele.

Sabemos, claro que cinema é apenas entretenimento, e se você quer alguma mensagem, procure os Correios, como diria Samuel Golwin (dos estúdios Metro Goldwin Meyer), mas de vez em quando é divertido apontar isso e se tem muita gente que fala o mais do mesmo, por que eu não posso apontar algumas bobagens também?

Continuar lendo “Mitos científicos no cinema”

Uma brilhante história sobre os óculos

Acabei de me sentar para escrever. Bem, eu não conseguia ler direito o que aparecia na tela. Tive que pegar meus óculos, pois, eu fui premiado com miopia, hipermetropia e astigmatismo, já que meus olhos são fruto de um maravilhoso design de um projetista inteligente. Esses meus óculos são ótimos e eu os adoro. Suas lentes de resina inquebrável ficam escuros mediante presença de radiação ultravioleta, e sua camada anti-reflexiva ajuda a não ver a minha cara refletida na face interior da lente, o que dificultaria ver algo em ambientes claros. A armação é leve, com hastes bem firmes e resistentes (ainda não comprei uma armação de titânio, mas esta quebra bem o galho). Entretanto, o que eu tenho empoleirado sobre meu nariz funciona da mesma maneira que os óculos que meu pai usa, que meus avós usavam, que os anteriores a eles usavam. Que muitos dos antigos usavam.

Ajeitem suas lentes de leitura, para mais um Livro dos Porquês, que envolverá muita História e sobre assuntos que você não faz ideia que possam estar relacionados (e talvez nem estejam, mas aqui a vontade e o pensamento é o poder. Estou acordando suas mentes para o grande saber!)


ÍNDICE


O fenômeno da Superlua explicado pela óptica

O fenômeno da Superlua ocorre quando o nosso satélite se situa a não mais de 10% do seu ponto mais próximo da Terra no percurso da sua órbita (o perigeu). Isso faz com que ela tenha um tamanho aparente no céu entre 10-14% do que costuma aparentar. Algumas pessoas tentam ver diferença, mas quando levamos em conta as dimensões aparentes, é querer muito ver algo imenso.

Mas como as fotos mostram a Lua tão imensa? Como eu vejo a Lua no horizonte parecer maior do que quando a olho no céu?

Continuar lendo “O fenômeno da Superlua explicado pela óptica”